9 de agosto de 2017

Guam na mira

Governador de Guam acalma moradores depois que a Coreia do Norte ameaça com ataques de mísseis


Sputnik
9 Agosto, 2017
No início do dia, a Coréia do Norte anunciou que estava considerando ataques de mísseis balísticos perto de Guam, que possui várias bases militares dos EUA.
"Eu quero tranquilizar as pessoas de Guam que atualmente não há ameaça para nossa ilha ou as Marianas. Falei com o Comandante das Ilhas Marianas , o Almirante Shoshana Chatfield, que confirmou isso comigo ", afirmou o governador no Facebook.
O assessor de segurança de Guam Homeland, George Charfauros, disse em um comunicado emitido pelo Escritório de Defesa Civil de Guam que "a partir desta manhã, não mudamos nossa posição com confiança de que o Departamento de Defesa dos EUA está monitorando esta situação de forma muito próxima e mantendo uma condição de Prontidão diária ". A Charfauros acrescentou que as autoridades de Guam" continuarão a manter o público atualizado sobre quaisquer mudanças ou pedidos de ação ".
No que diz respeito aos relatos da mídia alegando que Pyongyang conseguiu desenvolver uma ogiva nuclear miniaturizada que poderia ser colocada dentro de seus mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs), nem o Departamento de Segurança Interna dos EUA nem o Departamento de Defesa forneceram a Charfauros dados que confirmassem a ameaça iminente.
Guam abriga várias instalações militares dos EUA, incluindo a base aérea de Andersen e a base naval Guam no porto de Apra.
A chamada ameaça da Coréia do Norte está se tornando mais premente com cada dia, à medida que o país aumenta sua quantidade de testes de mísseis. Somente em julho, a Coréia do Norte realizou dois testes ICBM. Além disso, Pyongyang já realizou cinco testes de armas nucleares, com o último acontecimento em 9 de setembro de 2016. A ameaça iminente levou a comunidade internacional a prometer medidas punitivas contra Pyongyang. Mais recentemente, no sábado, o Conselho de Segurança da ONU (UNSC) aprovou por unanimidade uma resolução que aperta as sanções contra a Coréia do Norte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário