22 de maio de 2019

Maduro propõe eleições legislativas

Maduro da Venezuela propõe eleições antecipadas para Assembléia Nacional dominada pela oposição


O presidente socialista do povo venezuelano, Nicolas Maduro, propôs a realização de eleições antecipadas para renovar a Assembléia Nacional, atualmente chefiada pelo líder da oposição e presidente interino autodeclarado, Juan Guaido, que é apoiado pelos EUA.
Maduro fez esta ligação em um discurso em Caracas na segunda-feira. Ele também falou sobre uma eleição antecipada em fevereiro deste ano. Se as eleições não forem realizadas de antemão, os venezuelanos votarão na composição da Assembléia Nacional no ano que vem, como previsto.

Em 2017, o órgão viu seus poderes um pouco limitados após o estabelecimento da Assembléia Constituinte, sendo esta última totalmente composta por partidários de Maduro. As duas legislaturas funcionaram em paralelo desde então.

Uma ampla coalizão de partidos de oposição ocupa atualmente 109 assentos na assembléia, enquanto partidos leais a Maduro detêm 55. Há um total de 167 assentos na casa.

O anúncio de Maduro vem no aniversário de sua reeleição para a presidência do país latino-americano no ano passado. Guaido, junto com os Estados Unidos, chamou a eleição de "ilegítima".

Se derrotado nas urnas, Guaido perderá sua pretensão de legitimar o poder. Apesar do apoio de Washington, os esforços de Guaido para mobilizar a ira popular e derrubar Maduro falharam até agora, e o presidente venezuelano ainda comanda o apoio das forças armadas do país e permanece no poder com segurança.

A Venezuela continua bloqueada economicamente pelos Estados Unidos, após várias rodadas de duras sanções. As sanções contra a indústria petrolífera do país exacerbaram a crise econômica do país e causaram "sérios danos econômicos e sofrimento" ao povo venezuelano, disse no domingo o ministro do Petróleo.

Com a disputa pelo poder entre Guaido e Maduro ainda em um impasse, o enviado da oposição Carlos Vecchio disse que se encontrou com o Pentágono e funcionários do Departamento de Estado em Washington para discutir “todos os aspectos” da crise na Venezuela.

Vecchio disse que as conversas foram "muito positivas", mas não ofereceram mais informações. Em Washington, a linha oficial continua dizendo que “todas as opções estão na mesa” quando se trata de intervenção potencial na crise.

Nenhum comentário:

Postar um comentário