10 de julho de 2020

De olhos na Venezuela


EUA planejam invadir Venezuela através da Colômbia

A Colômbia está sob um governo pró-Washington. O atual presidente do país, Iván Duque Márquez, é conhecido por uma série de políticas de alinhamento com os Estados Unidos, continuando o legado de seu antecessor, o ex-presidente Juan Manuel Santos, que fez da Colômbia um "parceiro global" da OTAN, permitindo que o país a participar de operações militares conjuntas da aliança militar ocidental. Em geral, o longo cenário de crises e tensões na Colômbia, marcado pelo narcotráfico e o conflito entre facções criminosas e partidos rebeldes, levou seus governos a uma política de alinhamento com Washington em troca de segurança, que aumentou nos últimos anos.
No entanto, nem todos os políticos colombianos aprovam essas medidas. Recentemente, o senador de esquerda Iván Cepeda pediu ao presidente do Congresso da Colômbia, Lidio García, que convocasse uma sessão para investigar e controlar legalmente o governo em sua colaboração com a chegada constante de soldados americanos no país. Segundo Cepeda, a presença desse pessoal militar é hostil à Colômbia, afetando profundamente a manutenção da soberania nacional.
Cepeda alega que o governo deve consultar o Congresso Nacional antes de permitir que os militares americanos cheguem. Uma decisão recente do Supremo Tribunal de Cundinamarca provou que Cepeda estava certa. Segundo os juízes da Corte, a decisão unilateral de permitir a entrada de tropas estrangeiras viola a Constituição Nacional da Colômbia, e o Poder Executivo deve submeter previamente o assunto ao Congresso. Por esse motivo, a Corte solicitou ao governo o envio de informações sobre as operações conjuntas em andamento, com o objetivo de esclarecer o motivo da chegada das tropas americanas. O prazo para envio do relatório era 6 de julho e não foi cumprido pelo governo - que alega que apelará da decisão. Devido à não conformidade, a Cepeda apresentou um pedido para o estabelecimento de uma sessão especial no Congresso.
O número exato de militares dos EUA no país é incerto, o que levanta ainda mais suspeitas sobre o caso. Algumas fontes dizem que existem mais de 800 americanos, enquanto outras dizem que têm entre 50 e 60 militares. Nenhuma nota oficial foi dada pelo governo para explicar as razões e o número exato de soldados. Por outro lado, a Embaixada Americana na Colômbia, sob pressão, comentou o caso, dando uma resposta insatisfatória. Segundo diplomatas americanos, militares estão chegando à Colômbia para realizar operações conjuntas para combater o narcotráfico. Aparentemente, essas operações teriam como objetivo realizar um cerco contra a Venezuela e Nicolás Maduro, que, segundo Donald Trump, tem vínculos com o narcotráfico na região. É importante lembrar que as acusações de Trump contra Maduro nunca foram substanciadas e foram fornecidas evidências de tais ligações entre o presidente venezuelano e o narcotráfico.
Recentemente, mercenários colombianos invadiram a Venezuela por mar em navios americanos. As forças de segurança venezuelanas neutralizaram o ataque, mas desde então ficou claro que a Colômbia está disposta a colaborar com os EUA para derrubar o governo de Nicolás Maduro. Aparentemente, portanto, as tropas americanas que chegam ao país estão se preparando para um próximo passo neste antigo projeto americano de ocupação da Venezuela.
A justificativa de que o governo venezuelano tem vínculos com o narcotráfico se torna ainda mais curiosa quando o aliado americano é precisamente a Colômbia, um estado que historicamente tem laços estruturais com o crime organizado e o comércio ilegal de drogas na América do Sul, sendo considerado por especialistas em todo o mundo. mundo como um verdadeiro narco-estado. Da mesma forma, os Estados Unidos não são inocentes de escândalos envolvendo tráfico internacional. A CIA tem sido repetidamente acusada de colaborar com redes criminosas em todo o mundo. A invasão americana do Afeganistão em 2001 garantiu aos EUA o controle total da produção de ópio na região. No México, em troca de informações e recursos, a inteligência americana colaborou várias vezes com as atividades do chamado Cartel de Guadalajara. Ainda assim, durante anos, a inteligência americana colaborou com o general panamenho Manuel Noriega, que se envolve publicamente no narcotráfico desde os anos 1960, em troca de apoio militar contra guerrilheiros na Nicarágua.
De fato, podemos ver que o narcotráfico é uma justificativa imperfeita e inconsistente para uma invasão contra a Venezuela. A Colômbia e os Estados Unidos têm evidências muito mais credíveis e notórias do tráfico de drogas e são precisamente os países que articulam essa operação. Podemos imaginar as reais razões por trás disso: incapaz de manter sua hegemonia global, Washington tenta desesperadamente garantir seu poder na América Latina e, por isso, tenta derrubar Maduro; A Colômbia presta apoio aos EUA em troca de uma máscara para suas próprias atividades criminosas, realizadas em conluio pelo governo e redes criminosas de grupos de narcotráfico - essas atividades serão falsamente atribuídas a Maduro.

De qualquer forma, o que parece claro agora é que os EUA planejam invadir a Venezuela através da Colômbia.

*
Este artigo foi publicado originalmente em InfoBrics.
Lucas Leiroz é pesquisador em direito internacional na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

A imagem em destaque é da InfoBrics

2 comentários:

Ronaldo disse...

O esquerdista doente Lucas Queiros, tá desesperado pq a qualquer momento irá cair o seu ditador de estimação Maduro, q levou o povo venezuelano debandar em massa e os q ficaram pra sobreviverem, estão tendo q matar cachorros pra comer.

kleber disse...
Este comentário foi removido pelo autor.