25 de julho de 2017

Erdogan e Jerusalém

Erdogan pede aos Muçulmanos a  'visitar' e 'proteger ' Jerusalém



The Dome of the Rock in the old city of JerusalemO Domo da Rocha na cidade velha de  Jerusalém
O poderoso presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, pediu na terça-feira que todos os muçulmanos visitem e protejam Jerusalém depois que a violência irrompeu sobre os detectores de metais instalados em Israel e depois retirados de um sítio sensível e sagrado da cidade.
"Daqui  e aí chamo todos os muçulmanos. Qualquer um que tenha a oportunidade de visitar Jerusalém, a mesquita de Al-Aqsa", disse Erdogan em Ancara. "Venha, vamos proteger a Jerusalém".
Ele estava se referindo a um site, conhecido pelos judeus como o Monte do Templo, que é fundamental para o conflito israelo-palestino.
Israel instalou detectores de metais nas entradas do complexo da mesquita, que também contém o Domo da Rocha, após um ataque em 14 de julho que matou dois policiais israelenses.
Os palestinos viram as medidas de segurança como uma tentativa israelense de afirmar um maior controle sobre o local, e grandes protestos levaram a confrontos mortais.
"Eles estão tentando  tirar r a mesquita das mãos muçulmanas com o pretexto de combater o terrorismo. Não há outra explicação", disse Erdogan em um discurso para os deputados do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) no parlamento.
Ele disse que a legitimidade de Israel se baseou na extensão do respeito que mostrou aos palestinos e seus direitos.
Uma declaração do Ministério das Relações Exteriores israelense denominou os comentários de Erdogan "sensacional, falso e distorcido", e sugeriu que ele " vá lidar com os problemas em seu próprio país".
"Jerusalém é uma cidade cujo governo está comprometido com a segurança, a liberdade, a liberdade de culto e o respeito pelos direitos de todas as minorias", afirmou o comunicado de Israel.
Erdogan anteriormente também denunciou ataques às sinagogas na Turquia, referindo-se a relatos de que um grupo ultra-nacionalista lançando pedras em uma sinagoga em Istambul na semana passada.
"Não faz sentido atacar sinagogas aqui porque algo aconteceu na mesquita de Al-Aqsa. Isso não se adequa à nossa religião e não é permitido", disse ele.

Nenhum comentário:

Postar um comentário