28 de julho de 2017

Guerra Fria 2.0 : Complicando as relações EUA-Rússia

Rússia retalia: pede aos EUA para cortar pessoal diplomático, e reavê  dois compostos


    28 de julho de 2017


    Poucos horas depois, o Senado votou esmagadoramente para impor novas sanções contra (principalmente) a Rússia, a Coréia do Norte e o Irã, ao mesmo tempo que obriga Trump a desfazer quaisquer medidas contra Moscou sem a aprovação do Congresso, no processo enfurecendo não só o Kremlin, mas os aliados europeus da América, com Bruxelas advertindo repetidamente que não terá escolha senão responder em espécie, na manhã de sexta-feira, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia ordenou aos Estados Unidos que cortassem sua equipe diplomática para 455 até 1 de setembro e dissessem que estava aproveitando um composto de dacha usado como um retiro, bem como um armazém usado por diplomatas dos EUA em retaliação de novas sanções dos EUA contra Moscou.
    A mudança está "ligada à aprovação da nova lei sobre sanções", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, aos repórteres em teleconferência, explicando que a Rússia atuou antes da lei, assinada pelo presidente Donald Trump, porque a forma de legislação dificilmente mudaria.
    "O lado russo está suspendendo o uso de todas as instalações de armazenamento na Dorozhnaya Street, em Moscou, e uma casa de campo em Serebryaniy Bor pela Embaixada dos EUA na Rússia a partir de 1º de agosto", disse o ministério em comunicado.
    Moscou também disse que o número de funcionários diplomáticos dos EUA na Rússia deverá ser reduzido para igualar o número de diplomatas russos nos EUA até 1º de setembro. "Isso significa que o número total de funcionários envolvidos nas instituições diplomáticas e consulares americanas no russo A Federação é reduzida para 455. "
    Pouco depois da declaração, a Interfax informou, citando uma pessoa não identificada que "centenas, não dezenas, da equipe diplomática e técnica dos Estados Unidos terão de deixar a Rússia como parte das retaliações"
    O presidente russo, Vladimir Putin, aprovou o movimento, de acordo com seu porta-voz, Dmitry Peskov.
    Embaixada dos Estados Unidos em Moscou, Rússia
    O Ministério das Relações Exteriores também disse que a Rússia também está disposta a recorrer a medidas de retaliação adicionais em caso de novos movimentos de Washington para reduzir seu corpo diplomático.
    "No caso de novas ações unilaterais das autoridades dos EUA para reduzir o número de nossos diplomatas nos EUA, ela será seguida por uma resposta de tit-for-tat", afirmou o Ministério dos Negócios Estrangeiros. "Reservamo-nos o direito sobre outras medidas mútuas, que podem afetar os interesses dos EUA".
    Há duas semanas, em 14 de julho, Moscou alertou que estava ficando sem paciência à luz do impasse que se seguiu ao encerramento de dois compostos diplomáticos russos nos EUA e mencionou possíveis medidas de retaliação, incluindo a expulsão de diplomatas. "Temos algo para retaliar com: o pessoal da embaixada dos EUA em Moscou excede em grande parte o número de funcionários da embaixada em Washington", afirmou a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova.
    A retaliação da Rússia, delineada em uma declaração do Ministério das Relações Exteriores, aconteceu um dia depois de o Senado dos EUA ter votado para dar novas sanções à Rússia, colocando o presidente Donald Trump em uma posição difícil, forçando-o a tomar uma linha dura em Moscou, irritando a Rússia e A UE, ou vetar a legislação e irritar seu próprio Partido Republicano.
    A resposta inicial de tit-for-tat da Rússia ocorre depois que a propriedade diplomática russa foi confiscada pela administração Obama em 2016, em resposta à suposta ingerência russa nas eleições dos EUA. Os EUA também expulsaram 35 diplomatas russos e negaram acesso à equipe diplomática russa para os compostos de Nova York e Maryland.

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário