25 de julho de 2017

Tensão fronteiriça Sino-indiana

A China protegerá a fronteira com a Índia "a todo custo"


A advertência sobre a disputa territorial com a Índia é ainda mais dura, mas os analistas vêem isso como uma tentativa de melhorar a posição de barganha de Pequim em uma cúpula de segurança


A China anunciou na segunda-feira o maior aviso para a Índia sobre a disputa de fronteira de um mês, dizendo que Pequim protegerá sua soberania "a todo custo".

Os observadores acreditam que a intensificação da sua retórica na China, que veio antes de uma reunião de segurança de alto nível que envolve funcionários de segurança chineses e indianos, dá a Pequim mais poder de barganha nas negociações com Nova Deli.

O porta-voz do Ministério da Defesa, Wu Qian, também disse que a China planeja fortalecer sua "implantação e exercícios específicos" ao longo da fronteira em disputa e que a Índia não deve "ilusões" sobre as capacidades ou o compromisso de seus militares.

Os comentários de Wu vieram apenas uma semana depois que a emissora estatal CCTV informou que tropas chinesas haviam participado de um exercício militar usando munição ao vivo no planalto tibetano.
A localização não estava longe do Doklam, onde as forças chinesas e indianas permanecem bloqueadas em uma parada desencadeada por um projeto de construção de estradas em uma área de fronteira disputada compartilhada com o Butão.
Falando apenas uma semana antes do 90º aniversário da fundação do PLA, Wu disse: "Instamos o lado indiano a não se arriscar ou a ilustrar". Ele acrescentou que a China fortaleceu suas capacidades para proteger sua soberania nacional Nos últimos 90 anos. "É mais fácil agitar uma montanha do que agitar o PLA", disse ele.
O presidente Xi Jinping observará jogos de guerra em uma base militar na Mongólia Interior, a maior da China, para marcar o aniversário, o Post aprendeu. Wu disse que um anúncio será feito "em um momento apropriado".

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Lu Kang, disse no dia em que o conselheiro indiano de segurança nacional, Ajit Doval, seria um dos convidados hospedados em Pequim durante uma reunião de segurança dos países BRICS na quinta e sexta-feira, envolvendo também o Brasil, a Rússia e a África do Sul.
O conselheiro de estado Yang Jiechi, que juntamente com Doval é o representante especial sobre as questões fronteiriças, também participará.
Lu recusou-se a confirmar se a questão da fronteira seria discutida na reunião.
"A China espera manter a paz e a estabilidade da área fronteiriça China-Índia, mas certamente não fará nenhum compromisso em questões de soberania territorial", disse a Reuters.
Wang Dehua, especialista em Ásia do Sul no Centro Municipal de Estudos Internacionais de Xangai, disse que as declarações do Ministério da Defesa podem ser vistas como uma linha de fundo de Pequim para a Índia antes das conversações.
O porta-voz do Ministério, Wu, também disse que o projeto rodoviário da China na região de Doklam era "apropriado e legal", acrescentando que era Nova Deli que havia violado a soberania chinesa.
Ele reiterou a posição de Pequim de que a retirada das tropas indianas era o "pré-requisito e fundamento" para as conversações de paz.
"A China está advertindo a Índia contra a erroneação da situação internacional e repetindo os erros cometidos por Nehru ao pensar que a China não iria lutar", disse Wang, referindo-se à guerra sino-indiana de 1962, supervisionada pelo ex-primeiro-ministro indiano Jawaharlal Nehru.
Manoranjan Mohanty, ex-chefe do Instituto de Estudos Chineses de Nova Deli, disse que a retórica criou uma atmosfera carregada em ambos os países, mas que as interações oficiais haviam acontecido, isso ajudaria a conter a crise.
Este artigo apareceu na edição impressa da South China Morning Post como:
A China protegerá a fronteira "a todo custo".

http://www.scmp.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário