5 de outubro de 2018

Rússia treinando militares sírios e EUA treinando militares turcos na Síria

Militares sírios devem ser treinados para usar sistemas russos S-300 dentro de três meses


Militar e Defesa 05 de outubro

O ministro da defesa disse que a Rússia forneceu à Síria 49 peças de equipamentos como parte da entrega do S-300.
© Vadim Savitsky/O Ministro da Defesa russo Press Office/TASS

Os especialistas sírios levarão três meses para usar os sistemas de defesa aérea russos S-300, disse na terça-feira o ministro russo da Defesa, Sergei Shoigu, em uma reunião do Conselho de Segurança da Rússia presidida pelo presidente Vladimir Putin.

"Concluímos o recrutamento de pessoal e começamos a treiná-lo", disse ele.

Até agora, a Rússia forneceu à Síria 49 equipamentos como parte da entrega do sistema de defesa aérea S-300, disse Shoigu.

"Em conformidade com a decisão presidencial, começamos a realizar uma série de medidas para reforçar os sistemas de defesa aérea da Síria, a fim de garantir uma melhor proteção para nossos militares. Concluímos a entrega dos sistemas S-300. Ela incluiu 49 equipamentos, incluindo radares, veículos de controle e quatro lançadores ", disse ele em uma reunião do Conselho de Segurança da Rússia, presidida pelo presidente Vladimir Putin.

Segundo o ministro, a entrega foi concluída há um dia.





2.


"49 peças de hardware": a Síria obtém o sistema de mísseis S-300 e mais da Rússia após a queda do Il-20

‘49 pieces of hardware’: Syria gets S-300 missile system & more from Russia in wake of Il-20 downing

O sistema de defesa aérea S-300 e dezenas de peças adicionais de hardware foram entregues aos militares sírios para aumentar a segurança do pessoal russo ali, disse o ministro russo da Defesa, Sergey Shoigu, ao presidente Vladimir Putin.
"Concluímos a entrega do sistema S-300", disse Shoigu terça-feira. O hardware fornecido à Síria consistia em 49 equipamentos militares, incluindo radares, veículos de controle e quatro lançadores, acrescentou.

A entrega destina-se a proteger as tropas russas na Síria, na sequência da queda de um avião de reconhecimento russo em meados de setembro.
Breaking: # O Ministro da Defesa da Rússia, Sergey #Shoygu, anunciou que uma série de #S300 # sistemas de defesa chegaram ao #Syria.
Foi anunciado há duas semanas que o sistema seria implantado após um ataque aéreo # israelense em #Latakia que derrubou um #RussianPlane.

- Paula Slier (@PaulaSlier_RT) 2 de outubro de 2018
Um sistema unificado de controle de defesa aérea na Síria será concluído em 20 de outubro, disse Shoigu ao Conselho de Segurança. A Rússia irá "preparar e treinar" as equipes sírias para operar o S-300 dentro de três meses.
As defesas sírias reforçadas serão capazes de suprimir a navegação por satélite, radares e sistemas de comunicações de aviões de combate sobre o Mar Mediterrâneo. Isso, Shoigu disse, pode "esfriar alguns aldeões e evitá-los de atos mal julgados que ponham em perigo nossas tropas". Anteriormente, Shoigu disse que os postos de defesa aérea sírios serão equipados com sistemas de controle automatizados que anteriormente eram fornecidos apenas à Rússia. militares.
A entrega é uma resposta à queda do avião de reconhecimento russo Il-20 na Síria em 17 de setembro. A aeronave, com 15 militares a bordo, foi erroneamente abatida por unidades de defesa aérea síria durante um ataque israelense. Enquanto Israel negou publicamente qualquer responsabilidade, Moscou apresentou dados de radar mostrando que um jato israelense F-16 usou o avião como cobertura. O incidente causou alguma tensão entre a Rússia e Israel, com o último culpando a Síria e seu aliado Irã pela queda.
https://www.rt.com
3.

EUA treinando soldados turcos para patrulhas conjuntas na Síria


Turkish army soldiersOs EUA começaram a treinar tropas turcas antes das patrulhas conjuntas que os países conduzirão em torno da cidade síria de Manbij, disse nesta segunda-feira o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, contra o apoio dos EUA a grupos que ele chamou de terroristas curdos - e que são os principais parceiros anti-Daesh da América.
A cidade foi libertada dos militantes do Daesh no verão de 2016 pelas Forças Democráticas da Síria (SDF) dominadas pelos curdos e apoiadas pelos EUA, que a Turquia considera inextricavelmente ligadas a grupos militantes designados como terroristas, incluindo as Unidades de Proteção do Povo (YPG). na Síria e no Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) na Turquia.
Os EUA e a Turquia têm patrulhado independentemente a fronteira entre a Turquia e a Síria por Manbij. Fechar fileiras no esforço destina-se a evitar a eclosão de qualquer violência entre as várias facções na área.
Nem todos concordam que esse será o caso. "As patrulhas conjuntas entre a Turquia e os EUA aumentarão as chances de conflitos e mortes de soldados dos EUA", disse Rick Sterling, membro do Movimento de Solidariedade da Síria, ao Sputnik News.
"As patrulhas na região de Manbij até agora eram importantes", disse o ministro das Relações Exteriores turco, Mevlut Cavusoglu, a repórteres na terça-feira. "Agora é hora de tirar completamente o YPG de Manbij e deixar a região para os locais, tanto em termos de administração quanto de segurança."

"Se esta formação conjunta conduzir às patrulhas conjuntas como planejado, você terá dois membros da OTAN em conjunto" patrulhando "um terceiro país em violação do governo daquele país", disse Sterling. Tanto os Estados Unidos quanto a Turquia estão operando na Síria sem o convite do governo, que os considera ocupantes.

- Alex Rubinstein (@RealAlexRubi) 2 de outubro de 2018
"Isso marcará uma expansão da agressão da OTAN contra a Síria - o oposto do que o presidente Trump afirmou que iria fazer. Isso prolongará o conflito e o derramamento de sangue e arriscará confrontos diretos quando a Síria e seus aliados expulsarem terroristas de Idlib". Sterling acrescentou.

O treinamento foi adiado quando o equipamento foi entregue e os detalhes da operação foram aprofundados.

"Acabamos de chegar a um acordo na semana passada", disse Mattis.

Na sexta-feira, a mídia turca informou que Erdogan acusou os Estados Unidos de não cumprirem seu acordo sobre quando retirar o YPG de Manbij, um acordo fechado entre os aliados da OTAN em junho.

"O anúncio de treinamento conjunto em preparação para patrulhas conjuntas provavelmente é uma resposta à queixa de Erdogan", disse Sterling.


"Os Estados Unidos certamente não cumpriram com o calendário acordado do roteiro de Manbij; a YPG não saiu da área. Os verdadeiros donos da região ainda não estão instalados", disse Erdogan a repórteres quando estava nos Estados Unidos pela ONU. Assembléia na semana passada. "Os Estados Unidos não cumpriram sua promessa aqui".
A declaração mostra a intenção de Erdogan de que a Turquia ocupe e confisque o território sírio em clara violação da lei internacional, disse Sterling. "Presumivelmente, ele quer que os EUA sejam os protetores".
Os administradores da cidade, o Conselho Militar de Manbij - uma filial da SDF - anunciaram em julho que a YPG havia se retirado. O Ministério das Relações Exteriores da Turquia não comprou essa afirmação, no entanto, chamando-a de "exagerada" e não um reflexo da verdade.
Antes do acordo com os EUA, a Turquia havia ameaçado uma incursão na cidade, apesar da presença das forças americanas, que usaram a cidade como um centro para a Força-Tarefa Conjunta Combinada para a Operação Inerente, a missão anti-Daesh dos EUA.
As tensões entre os países aumentaram drasticamente sobre a questão da YPG, a compra pelo país dos sistemas de mísseis antiaéreos russos S-400, as sanções dos EUA contra o Irã e a continuação da detenção do pastor norte-americano Andrew Brunson.
Em uma entrevista na mesma sexta-feira com o "PBS NewsHour", o líder turco foi perguntado se ele considera os EUA um aliado. "Somos parceiros estratégicos com os Estados Unidos dentro da OTAN", disse Erdogan, lamentando as ameaças norte-americanas de sanções contra seu país. Ele reclamou que os EUA não tinham trabalhado com seu "parceiro estratégico" - a Turquia -, mas "com uma organização terrorista", quando Raqqa, a antiga capital reivindicada pelo Daesh, foi libertada.

"Foi isso que dissemos aos EUA: dissemos: 'Você não está fazendo a coisa certa'. Agora, ver nosso parceiro estratégico trabalhando de mãos dadas com essas organizações terroristas é algo que não poderíamos aceitar ", disse Erdogan. "Você sabe quantas armas os EUA enviaram para o norte da Síria? Mais de 18.000 caminhões carregados de munição e armas foram enviados".

"Isso é triste para nós vermos. Está errado", acrescentou.

Na segunda-feira, Erdogan denunciou novamente a cooperação contínua com "organizações terroristas".

De acordo com Mattis, os americanos começaram a treinar os treinadores militares turcos e logo começarão a treinar o grupo mais amplo de soldados na Turquia.
O porta-voz da presidência da Turquia, Ibrahim Kalin, disse na semana passada que as patrulhas começarão "muito em breve", acrescentando que a parceria EUA-Curdo ainda é "uma séria preocupação".
Enquanto Mattis se recusou a comentar o cronograma, ele disse aos repórteres: "Temos todos os motivos para pensar que as patrulhas conjuntas chegarão a tempo quando o programa de treinamento estiver completo".
"Tudo isso aponta para os EUA não se retirarem da Síria como prometido pelo presidente Trump", disse Sterling ao Sputnik News.

2 comentários:

  1. É uma questao de tempo para os EUA fincarem a bandeira americana em Idlib e a Syria perde-la para sempre. Putin é um otario.

    ResponderExcluir
  2. Negociar Idlib foi um tiro no pe e a russia vai pagar muito caro por isso.

    ResponderExcluir