20 de janeiro de 2017

Aliança russo-turca contra ISIS gera crise na OTAN

Joint Russo-turco, em Campanha de Bombardeios ao ISIS na Síria aprofunda crise com a OTAN

Israel Claims Airstrikes on Damascus
O lançamento de ataques aéreos coordenados por aviões de guerra russos e turcos contra alvos do ISIS no norte da Síria, quarta-feira, expôs ainda mais a crise que agarra a intervenção de Washington no país do Oriente Médio devastado pela guerra, bem como o aprofundamento das contradições que afligem a aliança da OTAN. Na véspera da posse de Donald Trump como presidente dos EUA.
A campanha de bombardeio atingiu alvos em torno da cidade síria de al-Bab, cenário de sangrentos combates entre tropas turcas e militantes do ISIS nas últimas semanas.
Do ponto de vista político, a ação conjunta da Rússia e da Turquia, membro da aliança da OTAN nos últimos 65 anos, é inédita. Ele está em completa contradição com a campanha anti-Moscou que está sendo travada por Washington e seus principais aliados da Otan, que tem visto o corte de laços militar-militares, a imposição de sanções e a implantação cada vez mais provocante de militares de Estados Unidos e UE. Outras tropas da Otan nas fronteiras ocidentais da Rússia. Apenas na semana passada, os EUA enviaram 3.000 soldados para a Polônia, apoiados por tanques e artilharia, enquanto centenas de outros fuzileiros navais dos EUA foram enviados para a Noruega.
A colaboração da Turquia com a Rússia representa um novo desafio para a aliança liderada pelos Estados Unidos sob condições em que Trump chacoalhou severamente seus membros europeus com declarações recentes descrevendo a OTAN como "obsoleta" e cobrando seus membros não "cuidando do terror" e não "pagando O que eles deveriam pagar ".
O ataque aéreo conjunto foi realizado sob os termos de um memorando alcançado entre os militares russos e turcos na semana anterior, de acordo com o Ministério da Defesa russo.
O documento, assinado em 12 de janeiro, foi criado para prevenir "incidentes" entre aviões de guerra turcos e russos, bem como para preparar "operações conjuntas ... na Síria para destruir grupos terroristas internacionais", disse o tenente-general Sergei Rudoskoy em comunicado.
As relações russo-turcas chegaram ao seu ponto mais baixo em novembro de 2015, quando aviões de caça turcos emboscaram e derrubaram um avião de guerra russo realizando ataques aéreos contra combatentes islâmicos perto da fronteira entre a Turquia e a Síria. O incidente trouxe a Turquia, e com ela a OTAN, à beira da guerra com a Rússia com armas nucleares. Nesse momento, a Turquia estava servindo como o principal canal de combate estrangeiro, armas e outros recursos sendo despejados na Síria para conduzir a guerra orquestrada pelos EUA para a mudança de regime, enquanto a Rússia estava intervindo para sustentar seu principal aliado no Oriente Médio. Presidente sírio, Bashar al-Assad.
Em junho do ano passado, Ankara procurou consertar suas relações com Moscou, que tinha tomado represálias pelo assassinato com sanções econômicas. As relações tornaram mais próximas após o abortado golpe militar de julho de 2016, que o governo do presidente Recep Tayyip Erdogan atribuído aos EUA e seus aliados.
O ponto de viragem nas relações bilaterais entre a Turquia e a Rússia chegou no final do ano passado, com o encaminhamento do exército sírio apoiado pelos russos das milícias apoiadas pelo Ocidente e ligadas à Al Qaeda em sua última fortaleza urbana do leste de Aleppo. A Turquia uniu-se à Rússia para intermediar a retirada dos últimos "rebeldes" da área e um cessar-fogo nacional, que continua a prevalecer em grande parte do país.
Washington foi expressamente excluído das negociações em torno de Aleppo e do cessar-fogo. Somente no último momento Moscou convidou a entrante  governo Trump - sobre a objeção do outro grande aliado da Síria, o Irã - de participar de conversações destinadas a chegar a um acordo político sobre a guerra de seis anos que se reunirá em Astana, Capital do Cazaquistão, na próxima semana.
Os ataques aéreos conjuntamente russo-turcos em torno de al-Bab vieram em seguimento de protestos amargos pelo governo turco sobre a recusa das forças armadas dos ESTADOS UNIDOS para fornecer o apoio aéreo similar para as tropas de Ankara na área. A relutância do Pentágono decorreu dos objetivos conflitantes perseguidos pela Turquia, que enviou suas tropas para a Síria em agosto passado, no que o governo Erdogan chamou de "Operação Campos do Eufrates ".
Opondo-se ostensivamente contra o ISIS, o principal alvo de Ancara era realmente o Partido da União Democrática Curda da Síria (PYD) ea sua ala militar, a Unidade de Proteção do Povo (YPG). O governo turco vê estes grupos como filiados do Partido dos Trabalhadores do Curdistão proscrito (PKK), contra o qual tem travado uma campanha prolongada de contra-insurgência dentro da própria Turquia. A ofensiva contra o al-Bab controlada pelo ISIS tem como objetivo principal impedir que caia no YPG e bloquear a ligação dos enclaves curdos do leste e do oeste ao longo da fronteira da Turquia.
Por sua vez, Washington utilizou o YPG como sua principal força-base no ataque dos EUA contra o ISIS, enviando tropas das forças especiais dos EUA para armar, treinar e dirigir esses combatentes curdos.
A recusa dos EUA em apoiar as forças turcas em torno de al-Bab com ataques aéreos levou a denúncias furiosas contra Washington pelo presidente turco, que acusou os EUA de apoiar "terroristas" em vez de seu aliado da Otan. Ancara também começou a adiar a aprovação dos vôos dos Estados Unidos da base estratégica de Incirlik, no sul da Turquia, e ameaçou negar a Washington e seus aliados o acesso total à base.
É provável que essas ameaças, combinadas com o acordo turco-russo de realizar ataques coletivos, levem o Pentágono a reverter sua recusa anterior de apoiar as forças turcas e lançar bombardeios limitados ao redor de al-Bab também esta semana.
Este campo de batalha em local  geostratégicamente tenso é susceptível de ficar ainda mais perigoso após a ascensão de Trump à Casa Branca.
Trump teria apelado para que o Pentágono apresentasse propostas para negociar uma derrota decisiva ao ISIS na Síria e no Iraque dentro de 90 dias. O general da Marinha Joseph Dunford, agora presidente do Estado-Maior Conjunto, disse na quarta-feira que apresentará "opções para acelerar a campanha" contra o ISIS ao general aposentado James Mattis, o secretário de defesa entrante de Trump.
Citando funcionários não identificados do Pentágono, a CNN informa que "o Departamento de Defesa está preparado para fornecer à nova administração opções militares para acelerar a guerra contra  ISIS na Síria, que poderá enviar mais tropas americanas em combate direto".
"Uma opção colocaria centenas, se não milhares, de tropas americanas adicionais em um papel de combate como parte da luta para tomar Raqqa", a capital síria do Estado islâmico, de acordo com a rede de televisão. "... nos próximos meses, o Pentágono poderia colocar várias equipes de combate de tamanho de brigada americana no chão, cada equipe talvez com até 4.000 soldados".
Os planos também estão sendo elaborados para escalar as provocações militares contra o Irã, que Mattis, em depoimento perante o Senado, descreveu como a "maior força desestabilizadora do Oriente Médio", acrescentando que o governo Trump deve "matar o objetivo do Irã pela hegemonia regional. "
Há indícios, porém, de que a retórica de Trump sobre o aprimoramento das relações com Moscou é que o imperialismo norte-americano está se preparando para uma nova erupção de militarismo no Oriente Médio que representará uma ameaça cada vez maior de transbordar para uma nova guerra mundial.

A fonte original deste artigo é World Socialist Web Site

Nenhum comentário:

Postar um comentário