28 de janeiro de 2017

Israel

Trump-Putin em acordo sobre a Síria leve em conta segurança de Israel 


DEBKAfile Análise Exclusiva 28 de janeiro de 2017, 6:00 PM (IDT)

Seria um equívoco dar por certo que as conversas do primeiro-ministro Binyamin Netanyahu com o presidente Donald Trump em Washington no início do próximo mês serão simples velejar ou produzir um chuveiro automático de benefícios para o Estado judeu. Entende-se em Jerusalém que uma nova ordem está se desdobrando perto das fronteiras de Israel, que ainda não está totalmente na mira de seu governo, militares e líderes de inteligência. Este processo está avançando a uma velocidade vertiginosa na Síria, atualmente a arena central do Oriente Médio, onde os presidentes Donald Trump, Vladimir Putin e Tayyip Erdogan concordaram em cooperar.
A primeira-ministra britânica, Theresa May, pegou rápido na nova equação de poder. Depois de se apresentar à imprensa com o presidente dos EUA na sexta-feira, 27 de janeiro, e declarando com esperança, "a Grã-Bretanha e os EUA podem liderar o mundo novamente", ela decidiu voar diretamente de Washington para Ankara no sábado, antes de voltar para casa.
O resultado de seu primeiro encontro com o presidente Erdogan foi um dos mais rápidos acordos de cooperação em defesa já negociados para o comércio e a guerra contra o terrorismo. A líder britânica não perdeu tempo em chegar a pistas de bronze sobre como as forças armadas britânicas e a inteligência podem ser integradas nos passos militares conjuntos entre a Rússia e os EUA para a Síria. Erdogan não a recebeu exatamente com os braços abertos. Ele não deu ao visitante a cortesia de colocar uma bandeira britânica na sala de recepção em seu palácio.
Israel está na mesma posição. Israel permaneceu fora do envolvimento militar na guerra civil síria, de acordo com uma política liderada por Netanyahu, o ex-ministro da Defesa Moshe Ya'alon e o comandante do Comando Norte da OC, General Avivi Kochavi (então Diretor de Inteligência Militar). Esta política deixou Israel fora do circuito de decisão de hoje sobre o futuro da Síria.
No final de 2015, pouco depois que a Rússia iniciou sua intervenção militar maciça no conflito sírio, Netanyahu tomou medidas para salvaguardar os interesses de segurança de Israel estabelecendo uma linha direta com o presidente russo. Foi traduzido em um mecanismo de coordenação militar entre o comando da força aérea russa na Síria ea força aérea israelense, com Gen. Valery Gerasimov, Chefe de Estado-Maior de Rússia, e General Yair Golan, Chefe Adjunto do Estado-Maior de Israel, encarregado desta ligação militar direta.
Quaisquer problemas que não pudessem ser resolvidos no nível militar foram prontamente entregues para serem abordados em reuniões ou em telefonemas entre Netanyahu e Putin.
Em um exemplo, o primeiro ministro obteve um compromisso do presidente russo de manter as forças iranianas e os substitutos xiitas iranianos, incluindo o Hezbollah libanês, longe da fronteira sírio-israelense, ou permitir que usem fronteiras para enviar terroristas a Israel.
Pouco depois da vitória eleitoral de Trump (8 de novembro de 2016), o trabalho em sua colaboração com Putin foi iniciado calmamente por seus conselheiros de segurança nacional, Michael Flynn, em Nova York e Nikiolai Platonovich Patrushev, em Moscou.
Jerusalém sabia o que estava acontecendo, mas ficou surpreso com a rapidez com que esses estreitos entendimentos amadureceram os acordos entre os EUA e a Rússia no terreno. Antes de Trump ter terminado sua primeira semana na Casa Branca, aviões de guerra dos EUA escoltaram um ataque aéreo russo contra o ISIS na Síria.
Esta corrida de eventos injeta mais urgência em Netanyahu próximas conversações com o presidente dos EUA. Enquanto no segundo mandato da presidência de Obama, o líder israelense costumava viajar para Moscou ou Sochi para resolver problemas de segurança relacionados com a Síria, doravante ele deve contratar diretamente Donald Trump como o principal jogador.
Assim, quando o primeiro-ministro israelense viajar para a Casa Branca no mês que vem, ele terá de abordar quatro preocupações urgentes, todas relacionadas à cena síria veloz:
1. Washington e Moscou irão seguir com a expulsão da Síria de forças iranianas e seus proxies, incluindo Hezbollah - e levá-lo até o fim?
2. Depois que eles se forem, quem vai assumir as áreas que evacuar?
3. Bashar Assad permanecerá como presidente ou seu sucessor será nomeado?
4. A questão mais ardente de todos é o nível do armamento do Hezbollah. Não só as forças do Hezbollah devem ser expulsas da Síria, mas é essencial tirá-las de seu sofisticado armamento novo, incluindo mísseis. Os chefes militares e de segurança de Israel avaliam o arsenal do Hezbollah como tendo sido atualizado nas últimas semanas para um nível que afeta diretamente a segurança de Israel.

Nenhum comentário:

Postar um comentário