28 de junho de 2017

EUA parecem agir pelo fim da guerra na Síria, mas não é bem o que parece

EUA tentam  evitar uma guerra sem fim na Síria e conflito dos EUA com a Rússia - Diz Pentágono


28 de junho de 2017

Os EUA têm "uma linha de desconflicção muito ativa" com a Rússia para não "atrapalhar uma luta" na Síria, segundo o secretário de Defesa dos EUA, James Mattis.
Mattis abordou a operação em curso na Síria em uma entrevista coletiva na terça-feira. Ele disse que, enquanto os EUA coordenaram com várias "forças convergentes", tem que manter interações de alto nível com a Rússia para continuar se movendo contra o Estado islâmico (IS, anteriormente ISIS / ISIL).
"Nós desconfiamos dos russos; É uma linha de deconflicção muito ativa ", disse Mattis. "É em vários níveis, do presidente dos Chefes Conjuntos e do secretário de Estado com seus homólogos em Moscou, o general Gerasimov e o ministro Lavrov".
"Então, nós apenas nos recusamos a lutar por lá na guerra civil da Síria", disse o secretário de defesa, acrescentando que o conflito pode ser encerrado "através do engajamento diplomático".
Mattis acrescentou que, enquanto as forças dos EUA abrem fogo somente aos inimigos do Estado islâmico, eles irão desativar "sob legítima defesa própria" se alguém "nos encamando ou nos incitando".
Em 18 de junho, as forças da coalizão dirigidas pelos EUA derrubaram um avião de guerra Sy-Ra-Su-22 sobre a região de Raqqa. Washington justificou o ataque, dizendo que o jato sírio estava lançando bombas em milícias aliadas dos EUA lutando contra terroristas do ISIS. Damasco negou as alegações, dizendo que o avião estava realizando uma operação anti-ISIS na área.
Apesar da declaração de Mattis sobre a linha de comunicação na Síria, não foi usada durante esse ataque. A queda coincidiu com uma missão de guerra russa na área. Moscou criticou as ações da coalizão, chamando-a de "agressão militar" contra a Síria e exigiu uma explicação para o abatimento.
Para evitar tais acidentes no espaço aéreo sírio, a Rússia e os EUA assinaram o Memorando sobre Prevenção de Incidentes e Garantes da Segurança Aérea em 2015. O acordo foi interrompido após um ataque aéreo americano na base aérea de Shayrat em 7 de abril, mas os militares russos e americanos mantiveram canais de comunicação direta abertos. A cooperação acabou por terminar após o ataque da coalizão ao jato militar sírio.
Na segunda-feira, a Casa Branca alegou que o governo sírio está se preparando para "outro ataque de armas químicas" e ameaçou retaliação se isso ocorrer. A Rússia chamou as ameaças inaceitáveis ​​e infundadas, lembrando que Washington não forneceu nenhuma prova difícil sobre o ataque de abril em Idlib, que provocou o ataque de 7 de abril na base aérea e para o qual os EUA ainda acusam a Assad.

2 comentários:

  1. Os verdadeiros terroristas são os americanos, franceses e ingleses.

    ResponderExcluir
  2. Ficará o mundo refém deste sistema de intimidação americano?

    ResponderExcluir