19 de junho de 2017

OTAN apreensiva coma Rússia


A OTAN realiza uma tentativa de defesa simulando a invasão russa dos bálticos

Os funcionários da OTAN estão ficando cada vez mais nervosos sobre a possibilidade de uma invasão dos estados do Báltico à frente dos jogos de guerra russos planejados neste outono na fronteira da Bielorrússia e Polônia, que poderão envolver até 100 mil soldados. Essa "ansiedade" estava em exibição no início desta semana, quando as tropas norte-americanas e britânicas realizaram o primeiro exercício militar da OTAN que envolveu uma defesa simulada do espaço livre de Suwalki, uma área no norte da Polônia, na fronteira com a Lituânia, que serve como porta de entrada para o Báltico região.

Em outras palavras, uma manobra contra a invasão russa dos países bálticos e, por extensão, a Europa.

Funcionários da OTAN descreveram a área como um "ponto de estrangulamento" que, se fosse levado por uma força invasora, poderia isolar os estados bálticos de seus aliados da OTAN, de acordo com a Reuters.

"A lacuna é vulnerável devido à geografia. Não é inevitável que haja um ataque, é claro, mas ... se isso estivesse fechado, então você tem três aliados que estão no norte que estão potencialmente isolados do resto da Aliança ", disse o tenente-general dos EUA, Ben Hodges.

"Nós temos que praticar, temos que demonstrar que podemos apoiar os aliados em manter (o Gap) aberto, mantendo essa conexão", disse ele.

Desde a anexação da Ucrânia da Rússia em 2014, a OTAN mudou quatro grupos de batalha totalizando pouco mais de 4.500 soldados para a Estônia, Letônia, Lituânia e Polônia.
As aeronaves dos EUA e do Reino Unido participaram dos exercícios, ao lado de tropas da Polônia, Lituânia e Croácia, em uma defesa simulada do potencial ponto de inflamação em uma área a várias horas de carro de onde um batalhão dos EUA está estacionado na base de Orzysz na Polônia, informou a Reuters.


Claro, a Rússia disse repetidamente que não tem planos de invadir o Báltico, e alertou que o acúmulo "defensivo" nas forças da OTAN contra suas fronteiras é um ato de agressão não provocado contra a Rússia.

No entanto, os protestos da Rússia fizeram pouco para influenciar o Senado dos EUA, que aprovou novas sanções contra a Rússia nesta semana, alegadamente em retribuição pela intromissão da Rússia nas eleições dos EUA. As medidas foram incluídas em um projeto de lei de sanções no Irã que era amplamente esperado para passar, mas, como o Hill informou ontem, o presidente Donald Trump está apoiado em Republicanos da Casa para deixar a conta porque teme que isso possa prejudicar as relações EUA-Rússia.

Além de Trump, a Alemanha e a Áustria também manifestaram seu descontentamento por uma medida delineada na lei de sanções, pedindo que os EUA deixassem sua oposição ao gasoduto Nord Stream 2 que bombearia o gás russo para a Alemanha sob o mar Báltico. O chanceler australiano Christian Kern e o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Sigmar Gabriel, disseram no início desta semana que pareceu que a oposição do gasoduto visava garantir os empregos energéticos dos EUA e expulsar as entregas russas de gás para a Europa.

"O fornecimento de energia da Europa é uma questão para a Europa, e não para os Estados Unidos da América", disse Kern e Gabriel.

Enquanto isso, a OTAN reconheceu a natureza simbólica dos treinos, dizendo que os exercícios eram mais um gesto do que um ensaio geral para a guerra. Como o brigadeiro-geral Valdemaras Rupsys, chefe das forças terrestres da Lituânia, explicou: "esta é apenas uma broca em pequena escala em comparação com o que seria necessário em caso de um ataque real".


Nenhum comentário:

Postar um comentário