27 de junho de 2017

Temor de novo crash global

Grandes receios de recessão, como os banqueiros alertam que o próximo  crash global pode chegar "com uma vingança"

Próxima grande recessão pode ser feita em países como a China, adverte um novo relatório



Uma nova crise financeira está sendo gerida nas economias emergentes e pode bater "com uma vingança", alertou um grupo influente de banqueiros centrais.
Mercados emergentes, como a China, estão mostrando os mesmos sinais de que suas economias estão superaquecendo, conforme os EUA e o Reino Unido demonstraram antes da crise financeira de 2007-08, de acordo com o relatório anual do Banco de Pagamentos Internacionais (BIS).
Claudio Borio, chefe do departamento monetário e econômico do BIS, disse que uma nova recessão poderia vir "com uma vingança" e "o fim pode parecer mais próximo de um boom financeiro errado".
O BIS, que às vezes é conhecido como banco central para bancos centrais e conta com Mark Carney, o governador do Banco de Inglaterra, entre seus membros, advertiu sobre problemas para a economia mundial.
Ele previu que os bancos centrais seriam forçados a aumentar as taxas de juros após anos de mínimos recorde, a fim de combater a inflação, que irá "sufocar" o crescimento.
O grupo também advertiu sobre a ameaça do aumento do endividamento em países como a China e o aumento do protecionismo, como nos EUA sob Donald Trump, informou a City AM.
A dívida corporativa chinesa quase dobrou desde 2007, atingindo agora 166% do PIB, enquanto a dívida das famílias aumentou para 44% do PIB no ano passado.
Em maio, a Moody's reduziu a classificação de crédito da China pela primeira vez desde 1989 de A1 para Aa3, o que poderia aumentar o custo de empréstimos para o governo chinês.
O indicador de gap de crédito para PIB do BIS também mostrou dívida, que é vista como um "indicador de alerta precoce" para o sistema bancário de um país, está aumentando muito mais rápido do que o crescimento em outras economias asiáticas, como a Tailândia e Hong Kong.
A economia mundial ainda está se recuperando da crise financeira e da crise do euro que a seguiu em 2010.
O Reino Unido está passando por uma "década perdida", à medida que a produtividade e os salários aumentaram.
http://www.independent.co.uk

Nenhum comentário:

Postar um comentário