10 de julho de 2017

Cessar-fogo US-Rússia pode ir para as cucuias

Nova ofensiva da Síria-Hezbollah desafia o cessar-fogo

DEBKAfile Relatório Especial 10 de julho de 2017, 5:38 PM (IDT)

Menos de 24 horas após o cessar-fogo patrocinado pelos EUA e Rússia entrar em vigor no sudoeste da Síria,  já se quebrou no início da segunda-feira, 10 de julho, quando o exército sírio desencadeou uma grande ofensiva em larga  e  com as forças do Hezbollah lançando uma ofensiva total sobre as forças rebeldes sírias na província de Al Suweida. Esta região foi listada com Quneitra e Daraa como um dos três locais  que seriam desmilitarizados a serem cobertos pela trégua.
As fontes militares do DEBKAfile informam que a 5ª Divisão blindada do exército sírio liderou a ofensiva violenta que o comando geral do exército sírio denominou "Operação Big Dawn", para marcar como a abertura de uma nova fase na guerra no sul da Síria.
Nossas fontes militares descreveram o ataque como foco nas áreas rurais do norte da província de Al Suweida para fornecer aos sírios e ao Hezbollah um pretexto para reivindicar o que não faz parte da cidade e, portanto, já que não fazem parte do acordo de cessar-fogo alcançado pelos presidentes Donald Trump e Vladimir Putin em Hamburgo na última sexta-feira, 7 de julho.
Nas primeiras horas do seu impulso, as tropas da Síria e do Hezbollah capturaram 11 aldeias e pequenas cidades, incluindo Tal Asfar e Al-Qasr, que ficam a 33 km da cidade de Suweida, a 70 km de Daraa, na fronteira jordaniana e a 78 km a leste de Quneitra e A fronteira do Golã israelense.
Forçaram os rebeldes a indo se defendendo e para se retirarem; São pertencentes às Forças Democráticas da Síria, que foram treinados e armados pelos EUA e pela Jordânia.
De acordo com nossas fontes, Damasco decidiu encerrar mais um  cessar-fogo de curta duração na guerra síria de  mais de seis anos quando o exército e a inteligência jordanianos aproveitaram a pausa na luta para transferir grandes quantidades de armas pesadas e equipamentos militares para as forças rebeldes sírias aliadas pró-Ocidentais que defendem Daraa . Sob nenhuma ilusão sobre a sustentabilidade do acordo de cessar-fogo entre os EUA e a Rússia  Jordânia se moveu rápido para reforçar seus aliados sírios para a próxima rodada de combates.
O regime de Assad, por sua vez, sentiu-se livre para retomar o combate porque o acordo de cessar-fogo de Trump-Putin não havia estabelecido linhas de demarcação como divisores entre os exércitos opostos, deixando essa tarefa aos oficiais dos EUA e da Rússia no terreno para assumir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário