27 de maio de 2018

A crise venezuelana

Venezuela expusa enviados dos EUA em resposta a sanções

CARACAS (Reuters) - O presidente comunista Nicolas Maduro ordenou a expulsão de dois importantes diplomatas norte-americanos em Caracas, em retaliação a uma nova rodada de sanções contra a amplamente condenada eleição da Venezuela, acusando-os de uma "conspiração" negada pelo Departamento de Estado.



Resultado de imagem para nicolás maduro cumprimenta seus partidáriosO presidente reeleito da Venezuela, Nicolás Maduro, cumprimenta seus partidários ao sair depois de receber um certificado confirmando-o como vencedor da eleição de domingo no Conselho Nacional Eleitoral (CNE) em Caracas, Venezuela, em 22 de maio de 2018. REUTERS / Carlos Garcia Rawlins

Os Estados Unidos, a União Européia e a maioria das principais nações da América Latina disseram que as votações de domingo não atendem aos padrões democráticos.

Maduro, o sucessor de Hugo Chávez, de 55 anos, conseguiu a reeleição com facilidade, mas críticos disseram que a votação foi marcada por irregularidades, desde a proibição de dois rivais populares da oposição até a oferta de um "prêmio" do governo aos eleitores.

O presidente Donald Trump respondeu na segunda-feira com uma ordem executiva que limita a capacidade da Venezuela de vender ativos do Estado.

Acusando os empresários dos EUA, Todd Robinson, de estarem envolvidos em "uma conspiração militar", Maduro ordenou que ele e outro diplomata sênior, Brian Naranjo, partissem em 48 horas.

Ele não deu detalhes das acusações, mas disse que a embaixada americana estava se intrometendo em questões militares, econômicas e políticas e prometeu apresentar provas em breve.

"Nem com conspirações nem com sanções você reterá a Venezuela", disse Maduro, em um evento no centro de Caracas, na sede do comitê eleitoral.

O Departamento de Estado dos EUA rejeitou as "falsas alegações" de Maduro contra os dois diplomatas, disse a porta-voz Heather Nauert em uma entrevista coletiva em Washington.

Robinson fez um breve discurso em uma aparição pública na tarde de terça-feira na cidade de Merida, na Venezuela.

"Nós rejeitamos energicamente as acusações contra mim e contra Brian Naranjo", disse Robinson, em comentários transmitidos ao vivo no Facebook pela mídia local.

"Esta foi a minha primeira visita a Mérida, mas não será a minha última", acrescentou Robinson, que assumiu o papel de encarregado de empresários em dezembro.

Em uma entrevista na terça-feira, o ministro do Comércio da Venezuela, José Vielma, disse que a mais recente rodada de sanções teria um impacto "mais sério" no sistema financeiro do país.

As sanções anteriores foram limitadas a ativos ligados a membros individuais da administração Maduro.

A ordem executiva proíbe os cidadãos americanos de se envolverem nas vendas das faturas pendentes da Venezuela relacionadas a petróleo e outros ativos, embora Vielma afirmasse que as remessas de combustível e petróleo bruto para os Estados Unidos continuariam.

Parece visar, em parte, a Citgo [PDVSAC.UL], uma refinaria de petróleo sediada nos EUA, pertencente à petrolífera estatal Venezuela PDVSA [PDVSA.UL]. Mais obstáculos à capacidade da PDVSA de vender petróleo no exterior podem restringir os lucros em divisas já em declínio, piorando a crise econômica e pressionando Maduro.

"Esse ataque contra a Venezuela, que visa estrangular completamente o país, é algo inédito", disse Vielma, acrescentando que a Venezuela continuará cobrando suas contas a receber.

LOW TURNOUT
Entre a condenação internacional generalizada da votação, a União Européia disse em um comunicado na terça-feira que as eleições não cumprem “padrões internacionais mínimos para um processo confiável” e repetiu que consideraria a “adoção de medidas apropriadas”.
A coalizão dominante da oposição boicotou o voto de domingo, classificando-o como uma farsa destinada a legitimar o governo de Maduro.

Maduro, cujo segundo mandato começará em janeiro próximo, conquistou 68% dos votos. O ex-governador do estado, Henri Falcon, que rompeu com o boicote para desafiar Maduro, disse que recebeu denúncias de centenas de irregularidades. O comparecimento foi inferior a 50%, comparado a 80% em 2013.

O chefe do conselho eleitoral Tibisay Lucena, que está em listas de sanções individuais dos EUA e da União Européia, certificou a vitória de Maduro em uma apresentação na terça-feira.

O governo Trump também tentou convencer a China e a Rússia a deixar de emitir novos créditos para a Venezuela, disseram autoridades dos EUA a repórteres na segunda-feira. Os dois países forneceram bilhões de dólares em financiamento para a Venezuela nos últimos anos.

Mas parece improvável que atendam aos avisos dos EUA. Pequim disse na terça-feira acreditar que os Estados Unidos e a Venezuela devem resolver suas diferenças por meio de negociações, enquanto Moscou disse que não cumprirá as sanções.

Em uma declaração na terça-feira, o Ministério das Relações Exteriores da Venezuela disse que as sanções violaram a lei internacional e culpou o "bloqueio" dos EUA pelo país por "bloquear o acesso da população a produtos básicos".

A maioria dos economistas do mainstream diz que os rigorosos controles monetários do país, a pesada intervenção estatal e a impressão de dinheiro são responsáveis ​​por uma crise que causou escassez generalizada de alimentos e remédios e levou à emigração em massa.



Reportagem de Luc Cohen e Deisy Buitrago; Reportagem adicional de Vivian Sequera e Andrew Cawthorne em Caracas; Ben Blanchard em Pequim; Robin Emmott em Bruxelas; e David Alexander em Washington; edição por Andrew Cawthorne e Rosalba O'Brien


6 comentários:

Unknown disse...

O presidente eleito pelo povo venezuelano,e não.o presidente comunista.

Diário Tijucano disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Kkkkkkkkk

Unknown disse...

Aqui vc não pode dizer certas coisas, amigo. Aqui o presidente maduro é ditador e pronto. Ditador sanguinário! Monstro! Kkkkkkk

Unknown disse...

Estamos na epoca que o jornalismo tradicional foi transformado pelo poder econômico em ministério da informação e contra informação, inteligência e contra inteligência. A mídia como conhecíamos ja era. Até a midia alternativa está assim. Tempo do engano, de enganar e ser enganado. Tempo de manipular e ser manipulado. Ganância ao extremo. Radicalismo por interesses escusos. O ser humano eapenas um detalhe!

Unknown disse...

O Presidente Putin deve ser outro monstro, ditador sanguinário, comunista, bárbaro...,etc. O Líder chinês é outro Gangster Bárbaro, malvado, cheio de más intenções! Poupe-nos de tanta idiotices!