13 de maio de 2018

Arquivos americanos revelam os planos de uma guerra biológica contra Cuba comunista

ARQUIVOS JFK REVELAM PLANOS DE GUERRA BIOLÓGICA DOS EUA CONTRA CUBA



No verão de 1975, o funcionário do Congresso Loch Johnson estava pesquisando documentos confidenciais na Biblioteca LBJ, em Austin, Texas, quando se deparou com algo em que não podia acreditar - um plano encoberto das forças armadas dos EUA de usar armas biológicas contra Cuba.
Isso era mais do que Johnson estava negociando, embora estivesse no arquivo procurando por arquivos relacionados a ações secretas dirigidas contra Cuba. Em julho de 1975, as audiências de Watergate haviam terminado, e três investigações separadas de alto nível estavam em andamento - todas destinadas a revelar atividades secretas e possivelmente ilegais de agências de inteligência dos EUA, incluindo assassinatos.
Johnson estava trabalhando como principal assessor do senador Frank Church (D-ID), presidente do Comitê Seleto do Senado para estudar as operações governamentais com respeito a atividades de inteligência, o chamado "Comitê da Igreja". O público americano sabia que seu governo tinha um relacionamento tenso com Cuba, especialmente com seu líder combativo, Fidel Castro. Os EUA haviam subscrito, sem sucesso, uma invasão paramilitar no exílio cubano na Baía dos Porcos em 1961 - um desastre em todos os sentidos. E apenas um ano depois, o mundo chegou à beira do apocalipse nuclear depois de um confronto com a União Soviética sobre os mísseis nucleares que havia colocado em Cuba.
O que o público não sabia, e só descobriria nas décadas seguintes, era que a CIA havia tentado todos os tipos de planos de assassinato contra Castro, além de ações generalizadas de sabotagem - como queimar cana de açúcar e explodir usinas - com o objetivo de minar o governo comunista de Cuba.
Alguns dos planos de assassinato eram exóticos - um traje de mergulho envenenado, uma bomba explodindo, um charuto explodindo, pílulas de veneno e uma caneta explosiva. Uma das revelações mais surpreendentes foi que a CIA trabalhava de perto com a Máfia em seus esforços para eliminar Castro.
Mas isso não é o que chocou Johnson naquele dia.
Alcançando a ruína
Ele havia encontrado um memorando datado de 30 de outubro de 1964, do Joint Chiefs of Staff (JCS) ao Secretário de Defesa. Ao responder a um pedido anterior de “novas idéias relacionadas a Cuba”, os chefes conjuntos propuseram um projeto de codinome chamado SQUARE DANCE - que Johnson se referiu cáusticamente como “sua primeira nova idéia brilhante”.
Johnson retransmitiu a seus superiores no Comitê da Igreja os detalhes do projeto SQUARE DANCE:
A proposta vislumbrava a destruição da economia cubana pela introdução aérea de um parasita de cana-de-açúcar chamado Bunga. O programa começaria com uma redução de 30% da produção cubana de açúcar (ver página 6) e dentro de três a seis anos a ruína da indústria açucareira seria alcançada.
Mas isso não foi tudo. Johnson citou diretamente do memorando de JCS:
Os distúrbios econômicos e políticos causados ​​por esse ataque poderiam ser exacerbados e explorados por medidas como a disseminação da febre aftosa entre animais de tração, o controle da chuva pela semeação de nuvens, a mineração de cana, a queima de cana e a direção de outros atos de sabotagem convencional. moagem de cana e sistemas de transporte (ênfase adicionada no documento original).
A febre aftosa (às vezes chamada de febre aftosa) é altamente infecciosa e afeta animais de criação como bovinos, ovinos, caprinos e suínos. A doença causa febre alta seguida de bolhas na boca e nos pés do animal. Embora muito raramente afeta seres humanos, pode trazer consequências econômicas devastadoras para os agricultores. A contenção de um surto de 2001 no Reino Unido custou cerca de 8 bilhões de libras (US $ 12 bilhões) em despesas públicas e privadas.
Em seu memorando sobre a proposta da SQUARE DANCE, os chefes conjuntos dos Estados Unidos explicaram o valor estratégico do projeto: “[a Dança Quadrada] forneceria outra opção aos Estados Unidos para provocar o colapso do regime de Castro”.
O memorando descoberto por Johnson não é o único exemplo de militares americanos propondo o uso de guerra biológica contra a Cuba de Castro.
Photo credit: National Archives
Um documento do JFK divulgado no ano passado revelou um memorando de inteligência de 1962 discutindo a possibilidade de usar agentes biológicos para induzir a quebra de safra "que parece ser de origem natural". Um memorando do Exército dos EUA de 1963, recentemente divulgado pelo National Archives, lista Número de “Idéias para Explorar Vulnerabilidades Cubanas”, incluindo o início de “guerra biológica contra tecidos vegetais e animais (exceto humanos)”.
O memorando de 30 de outubro de 1964, citado no livro de Johnson National Security Intelligence, lançado digitalmente no mês passado pelo National Archives, nos dá uma imagem mais clara do que poderia ter parecido.
"Bunga", também conhecida como Aeginetia Indica, é uma erva daninha que funciona como um parasita de raízes para plantas próximas. Pode ser particularmente prejudicial às plantações de cana-de-açúcar, que foram a principal produção econômica de Cuba. Os esforços de sabotagem dos serviços de inteligência dos EUA vinham alvejando há muito tempo as plantações de açúcar, incluindo as incursões noturnas de barcos no mar que plantavam dispositivos incendiários nos campos. Mas isso foi algo diferente.
Como o memorando anterior de 1962, este artigo menciona a necessidade de negação: “Parece viável introduzir gradualmente o Bunga em Cuba e manter uma base para o envolvimento plausível dos EUA”.
O memorando de 1964 não deixa dúvidas quanto ao objetivo final deste programa:
O Estado-Maior Conjunto continua a acreditar que o objetivo final para Cuba deve ser estabelecer um governo em Cuba que seja aceitável para os Estados Unidos.

"O pior tipo de corrupção política externa"
Johnson deixa claro que não sabe se esse plano para forçar a mudança de regime em Cuba foi implementado, e sugere que a Casa Branca pode ter duvidado da idéia. Mas o alarme no memorando de Johnson é aparente:
A mera redação deste tipo de proposta é um primeiro passo repreensível para o pior tipo de dano da política externa. Acho isso ainda mais repugnante do que planos de contingência para assassinato. Estes não são os tipos de recomendações que devem filtrar para a Casa Branca da comunidade de inteligência. As agências devem ter uma noção melhor do que é uma política aceitável, legal e moralmente. …
O resultado da DANÇA QUADRADA teria sido a morte parasitária da maior planta e vida animal em Cuba. Os fracos esforços da CIA para dirigir tentativas de assassinato contra Castro empalidecem em comparação com essa proposta do Exército para ações secretas.
Eu acredito que DANÇA QUADRADA merece nossa atenção. Se o assassinato é inaceitável, certamente também é a destruição generalizada da vida vegetal e animal através da guerra secreta de germes.
Em 1964, a lei internacional que regia o uso de armas biológicas era o Protocolo de Genebra de 1925. Mas sua jurisdição na época era limitada.
"A propagação intencional de doenças como um método de guerra seria uma violação do Protocolo de Genebra se os EUA fossem um partido, o que não era", Dr. Richard Price, que leciona política e direito internacional na Universidade de British Columbia. , disse WhoWhatWhy. O Protocolo de Genebra de 1925 “proibiu não apenas gases asfixiantes, mas também armas 'bacteriológicas', mas os Estados Unidos não ratificaram isso até 1975, de modo que ele não estava vinculado a ele [no início dos anos 1960]”.
Price ressalta, no entanto, que o uso do herbicida químico Agent Orange durante a Guerra do Vietnã, embora tecnicamente não seja ilegal na época pelo mesmo motivo, certamente causou muita controvérsia.
Durante a Guerra do Vietnã, os militares dos EUA expuseram até quatro milhões de pessoas ao herbicida e ao produto químico desfolhante conhecido como Agente Laranja. Crédito da foto: Adaptado por WhoWhatWhy do Exército dos EUA / Wikimedia, Unknown / Wikimedia e Agência de Notícias do Vietnã / Wikimedia.
O uso de plantas parasitas como Bunga, embora talvez não seja a primeira coisa que vem à mente quando se pensa em armas biológicas, é, no entanto, considerado uma forma perigosa de guerra biológica por alguns estudiosos.
É claro que os EUA não declararam oficialmente a guerra contra Cuba nem obtiveram autorização da ONU - daí a necessidade de “negação plausível”.

O que realmente aconteceu na Coréia

O uso potencial de guerra secreta de germes contra Cuba, embora em si notável, é intrigante por outro motivo. Durante a Guerra da Coréia, os chineses e norte-coreanos protestaram que os EUA estavam usando armas biológicas contra o povo norte-coreano. Os pilotos da Força Aérea Downed haviam confessado isso, apenas para reivindicar, após seu retorno do campo norte-coreano de prisioneiros de guerra, que eles foram vítimas de lavagem cerebral. Um relatório da comissão internacional há muito suprimido e controverso concluiu que as alegações eram verdadeiras.
A questão surgiu mais recentemente com o lançamento da série docudrama da Netflix, Wormwood. É uma exploração das circunstâncias misteriosas que cercam a morte do cientista do governo e funcionário da CIA, Frank Olson, em 1953, e o esforço de décadas de sua família para descobrir o que realmente aconteceu. Olson tinha trabalhado em Fort Detrick, uma base do exército dos EUA em Maryland, que por acaso estava no centro da pesquisa de armas biológicas dos EUA.
A narrativa de Wormwood sugere que Olson tinha dúvidas e culpa sobre o trabalho que estava fazendo em relação à guerra da Coréia, e que a CIA o assassinou para evitar que ele falasse sobre os projetos.
Embora o memorando de 1964 do JCS não confirme nem negue as alegações sobre o uso de armas biológicas na Coréia, fica claro que os militares dos EUA não se opunham a usar tais métodos, mesmo que isso significasse causar danos drásticos a toda a população civil.
O que também é digno de nota é o tempo do memorando. O ano é 1964: o presidente Lyndon Johnson está agora no poder após o assassinato de JFK, e o plano para derrubar Castro ainda é uma meta estratégica. Os fracassos anteriores para desalojar Castro, que levaram ao risco de aniquilação nuclear na crise dos mísseis cubanos, aparentemente não eram sinais de alerta suficientemente fortes para o presidente e a JCS.
O objetivo da política dos EUA em relação a Cuba continuaria a ser a mudança de regime, mas o presidente Johnson logo estaria ocupado com um conflito crescente e um atoleiro no Vietnã - um dos quais Kennedy vinha tentando se retirar antes de sua morte prematura.
Naquele verão, em 1975, Loch Johnson chegou a um entendimento do que seu governo era capaz de fazer. Embora pareça que a Casa Branca acabou rejeitando o plano JCS, é fácil ter empatia com o horror de Johnson de que os EUA proponham seriamente tais ações. Levaria muitas décadas até que o público americano aprendesse a verdade chocante. Se o Comitê da Igreja tivesse decidido revelar todas essas realidades, teria mudado a percepção pública da política externa dos EUA? Teria desafiado a noção americana de excepcionalismo americano?

Talvez uma questão mais inquietante seja se essas tendências presentes nos chefes conjuntos de 1964 estão presentes nos corações e nas mentes dos líderes dos altos cargos atuais.


Nenhum comentário:

Postar um comentário