15 de maio de 2018

Agora a Espanha vai ter Quim Torra pela Independência

UND: Agora a Espanha vai saber Quim Torra a paciência kkkkk

Catalunha: candidato pró-independência ganha a presidência


Quim Torra has promised to draft a constitution for a future Catalan Republic [Albert Gea/Reuters]O parlamento da Catalunha elege o político pró-independência Quim Torra como presidente, encerrando meses de impasse político.

O parlamento regional da Catalunha elegeu Quim Torra, o apoiador pró-independência, como presidente, encerrando meses de impasse político na região nordeste da Espanha.
Um aliado próximo do ex-líder catalão Carles Puigdemont, Torra, de 55 anos, ganhou a votação por maioria simples na segunda-feira com o apoio de 66 parlamentares e quatro abstenções. Sessenta e cinco legisladores votaram contra ele.
Torra prometeu redigir uma constituição para uma futura República da Catalunha e restaurar as leis regionais que foram suspensas pelos tribunais espanhóis após o referendo da independência da Catalunha, em 1º de outubro de 2017, no qual cerca de dois milhões de catalães votaram pela separação da Espanha.
Torra não conseguiu uma votação anterior - que exigiu a maioria absoluta - no sábado, no Parlamento catalão de 135 membros, ficando aquém dos 68 votos a serem eleitos.
Atualmente, 70 legisladores no parlamento regional são pró-independência e 65 não o são.
'Presidente honorável'
Puigdemont, que escolheu Torra para a presidência, descreveu-o como "muito honrado" em um tweet na segunda-feira após a votação parlamentar.
"Parabéns presidente muito honrado ... Cultura e liberdade e democracia. Todo o meu amor e apoio com imenso agradecimento. Longa Catalunha ao vivo", disse Puigdemont.
O ex-líder atualmente está exilado na Alemanha e será preso se retornar à Espanha.
Outros políticos catalães, incluindo Jordi Sanchez, estão detidos em prisões espanholas, acusados ​​de rebelião por seu papel na campanha independentista.
A Catalunha está no limbo político desde que o governo central da Espanha demitiu Puigdemont e seu gabinete e impôs o governo direto sobre a região semi-autônoma depois que ela declarou unilateralmente a independência em 27 de outubro, após o controverso referendo.
Eleições regionais foram realizadas em dezembro, durante o qual os partidos pró-independência conquistaram a maioria dos assentos no parlamento catalão, mas cinco tentativas de eleger um novo presidente e formar um governo de coalizão desde então fracassaram.
O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, advertiu que o artigo 155 da Constituição, que Madri usou para impor o domínio direto sobre a Catalunha, "poderia ser usado novamente se necessário" se o próximo governo da região não aderir à lei espanhola.
Após a eleição de Torra, Rajoy apelou para "compreensão e harmonia", mas reiterou que a lei espanhola sob a constituição do país de 1978 seria "cumprida".

Nenhum comentário:

Postar um comentário