23 de junho de 2016

Acordo de Cessar-fogo na Colômbia

Governo colombiano e rebeldes da FARC  anunciam acordo de cessar-fogo para acabar com a guerra


Acordo inclui desmobilização e reintegração dos combatentes
Conflito de 52 anos alegou 220.000 vidas e milhões de deslocados

Juliana, 20, left, and Mariana, 24, rebel soldiers for the Farc’s 36th Front, listen to a commander speak on the peace negotiations with the Colombian government, in a hidden camp in Antioquia state in January 2016.Juliana, 20, à esquerda, e Mariana, 24, soldados rebeldes para Frente 36 da Farc, ouviram um comandante falar em negociações de paz com o governo colombiano, em um acampamento escondido no estado de Antioquia, em janeiro de 2016.



Pessoal e agências em Havana

Quarta-feira 22 de junho de 2016 16.44 BST última modificação na quinta-feira 23 de junho de 2016 15,57 BST

O governo colombiano e os rebeldes esquerdistas das FARC anunciaram que chegaram a um acordo sobre um cessar-fogo bilateral, que seria o último grande passo para terminar com uma das guerras mais longas do mundo.

"Chegamos com sucesso a um acordo sobre o cessar-fogo bilateral e definitivo e fim das hostilidades", disse ambos os lados em uma declaração lida à mídia em Havana.

O acordo será assinado na quinta-feira em Havana pelo presidente Juan Manuel Santos e da Força Armada Revolucionária da Colômbia, ou FARC, o líder rebelde Rodrigo Londoño, mais conhecido por seu nome de guerra Timochenko.

O presidente Juan Manuel Santos vai viajar para Cuba na quinta-feira para o anúncio com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, ou Farc.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, anunciou ele também estaria presente para testemunhar a assinatura do acordo.

Os presidentes de Cuba, Venezuela e Chile, os três países que patrocinam os quase quatro anos de idade negociações de paz em Havana, também eram esperados, ea administração Obama irá enviar o seu enviado especial para as negociações, o ex-diplomata Bernard Aronson.

O conflito colombiano matou mais de 220.000 pessoas e deslocou milhões desde 1964. Mas a 15-anos, apoiado pelos Estados Unidos ofensiva militar diluído fileiras dos rebeldes e forçou seus líderes envelhecidos à mesa de negociações em 2012.

Momentum vinha crescendo no sentido de um avanço após Santos disse esta semana que esperava acabar de meio século de derramamento de sangue até 20 de Julho.

Mas acordo de quarta-feira foi mais longe do que o esperado, a remoção de qualquer dúvida, que um acordo final é ao virar da esquina.

O cessar-fogo, que inclui termos para a desmobilização ea deposição das armas da FARC, não começará até que o acordo final seja assinado.

Além de anunciar um quadro para o cessar-fogo, os dois lados disseram que concordavam sobre como estimados 7.000 combatentes da Farc vão desmobilizar e entregar as suas armas, bem como as garantias de segurança que serão fornecidos aos ativistas de esquerda após o conflito termina. Os negociadores em janeiro encarregado da ONU de monitorar a adesão a um eventual cessar-fogo e resolução de litígios emergentes da desmobilização.

Com os mais recentes avanços, apenas algumas pequenas pendências continuam, a maior sendo a forma como o acordo final será ratificado e ter força de lei para que ele não irá desvendar deve um governo mais conservador ter sucesso Santos, que deixa o cargo em 2018.

Santos prometeu colocar o negócio para um referendo assim colombianos podem expressar sua opinião. Pesquisas de opinião mostram as Farc são amplamente desprezado entre os colombianos conservadores e frustração com os rebeldes tem crescido como as negociações arrastaram-se, tornando a reconciliação parece mais distante.

As negociações de paz ter sido irregular e estendeu por muito mais tempo do que o Santos ou qualquer outra pessoa que o previsto. Mas se um acordo final seja alcançado seria pôr fim ao último grande insurgência da América Latina, um acusado de ser um importante fornecedor de cocaína para os EUA, embora o Exército de Libertação Nacional muito menor e mais recalcitrante tem um ponto de apoio em algumas áreas e poderia preencher o vazio deixado pelas Farc.

As Farc chamou  um cessar-fogo unilateral há quase um ano, e o governo respondeu por travar ataques aéreos em acampamentos rebeldes. Os negociadores perdeu o prazo auto-imposto para a assinatura do acordo final em março.
O grupo de cerca de 8.000 combatentes, ante 17.000 em seu auge, é considerado um grupo terrorista pelos Estados Unidos e União Europeia.
A Farc surgiu de uma exigindo a reforma agrária de 1960 movimento camponês, e tem lutado sucessivos governos desde então.

Nenhum comentário:

Postar um comentário