29 de abril de 2017

China e EUA em constante contato sobre Coréia do Norte

Donald Trump e Xi Jinping em " constante contato " enquanto as tensões na Coreia do Norte só  aumentam: governo


29 Abril 2017 00:00 AFP
2 min 
donald trump xi jinpingO presidente chinês, Xi Jinping, e seu colega norte-americano, Donald Trump, têm estado em "contato constante", disse Beijing nesta sexta-feira, referindo-se à amizade entre os dois chefes de Estado que iniciaram sua relação de desentendimento.
Embora a campanha eleitoral de Trump tenha sido marcada por denúncias acerbóticas da "violação" de Pequim da economia dos EUA, o político bilionário recentemente deixou cair seu bombastic anti-China na esperança de cortejar o país em uma posição mais dura contra seu aliado Pyongyang.
Desde sua primeira reunião cara a cara na Flórida no início deste mês, os dois presidentes "têm estado em constante contato uns com os outros, trocando pontos de vista sobre as relações bilaterais e questões de interesse mútuo", disse o porta-voz do ministério chinês de Relações Exteriores, Geng Shuang, : "Isto é bom para os dois países e também para o mundo inteiro."
Sua proximidade recém-descoberta vem quando Trump fez da Coréia do Norte sua principal prioridade na política externa, com a administração norte-americana emitindo semanas de advertências de que não tolerará mais os lançamentos de mísseis e os testes nucleares de Pyongyang.
Pequim pediu repetidamente um retorno às negociações sobre a desnuclearização, mas há muito se opôs à ação dramática contra o Norte, temendo que o colapso do regime enviasse uma inundação de refugiados através de suas fronteiras e deixasse os militares dos EUA em sua porta.
Os EUA devem pressionar por uma resposta chinesa mais dura na sexta-feira, em uma reunião do Conselho de Segurança da ONU presidida pelo secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, e com a presença do chanceler chinês Wang Yi.
Mas quando perguntado se a China daria, Geng disse que "o diálogo e a consulta são a única saída viável para fora" da crise de aumentação.
"Não é a China que está aumentando as tensões, então a chave para resolver esta questão não está em nossas mãos", disse ele.



Nenhum comentário:

Postar um comentário