28 de abril de 2017

Trump adverte para possível guerra

Donald Trump adverte para a vinda de um  "grande e importante conflito" com a Coréia do Norte ser "absolutamente possível"

Presidente diz que está empenhado em resolver a crise pacificamente
Donald Trump Alertou sobre um "maior e maior conflito" entre os EUA e a Coréia do Norte, dizendo que um confronto catastrófico com o estado isolado é "absolutamente" possível.Em uma entrevista à frente de seu centésimo dia no cargo, o presidente disse que estava empenhado em resolver a crise diplomática pacificamente .
Mas acrescentou: "Há uma chance de que possamos acabar tendo um conflito seríssimo e importante com a Coréia do Norte. Absolutamente."

Em declarações à agência de notícias Reuters, Trump disse que as ações de Pyongyang foram sua maior preocupação global.

Ele também elogiou o presidente chinês Xi Jinping pela ajuda chinesa na tentativa de controlar a Coréia do Norte, dizendo que ele era um "homem muito bom" que ele tinha conhecido "muito bem".

"Eu acredito que ele está tentando muito, ele certamente não quer ver turbulências e mortes, ele não quer vê-lo", disse Trump.

Perguntado se ele considerava o líder norte-coreano Kim Jong-un ser racional, o bilionário republicano disse: "Ele tem 27 anos, seu pai morreu, assumiu um regime, então diga o que quiser, mas isso não é fácil, especialmente nessa idade.

Em imagens: Coréia do Norte em manobra militar 
"Eu não estou dando crédito a ele ou não dando crédito a ele, só estou dizendo que é uma coisa muito difícil de fazer. Quanto a saber se ele é ou não racional, eu não tenho opinião sobre isso. Espero que ele seja racional."
Na quarta-feira, o governo Trump declarou a Coréia do Norte "uma ameaça urgente à segurança nacional e prioridade da política externa".
Ele disse que estava se concentrando em sanções e pressão diplomática, mas que os ataques militares continuaram sendo uma opção.
No entanto, qualquer ação militar direta dos EUA correria o risco de retaliação em massa da Coréia do Norte e de grandes baixas no Japão e na Coréia do Sul - e forças dos EUA em ambos os países.

Nenhum comentário:

Postar um comentário