5 de junho de 2017

A desafiadora Coréia do Norte

"Nós não hesitaremos em construir uma força nuclear": a Coréia do Norte mais desafiante diante de novas sanções


A Coréia do Norte denunciou a última rodada de sanções colocada pelo Conselho de Segurança da ONU como um "ato hostil", e continuará desenvolvendo seu arsenal nuclear em um ritmo acelerado, disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores.
O Conselho de Segurança da ONU aprovou por unanimidade uma resolução que ampliou as sanções no país asiático isolado na sexta-feira, acrescentando 18 indivíduos e organizações ligadas ao governo da Coréia do Norte a uma lista negra sempre crescente.


Mas o governo comunista da Coréia do Norte denunciou essas últimas sanções como "um ato agressivo e hostil com a finalidade de colocar uma barreira na acumulação de forças nucleares da RPDC [República Democrática da Coréia], desarmando-a e causando sufocação econômica", afirmou a Reuters. Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, no domingo, em um comunicado divulgado pela agência oficial de notícias KCNA.
"Quaisquer que sejam as sanções e as pressões possíveis, não nos abalaremos do caminho para construir forças nucleares que foram escolhidas para defender a soberania do país e os direitos à existência nacional e avançarão para a vitória final", acrescentou o porta-voz.
Estas últimas sanções tiveram o acordo tanto dos Estados Unidos quanto da China, sendo este o único aliado notável da Coréia do Norte. Em abril, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que estava trabalhando com seu homólogo chinês, Xi Jinping, para resolver o "problema norte-coreano". Em abril, Pequim suspendeu as importações de cargas de carvão da Coréia do Norte, uma das poucas fontes de país isolado Renda, mas tomou uma abordagem menos conflituosa do que Washington com pedidos de mais diálogo.
A Coréia do Norte acusa a China e os EUA de "fazer trilhas e impor" a última rodada de sanções "depois de terem redigido no backroom a seu próprio gosto".
As tensões têm aumentado indiscriminadamente  na península coreana desde que o presidente Trump adotou uma linha muito mais difícil em Pyongyang do que seu antecessor, Barack Obama. A Casa Branca repetidamente convidou a Coréia do Norte a abandonar seus programas nucleares e de mísseis. A última explosão da retórica foi desencadeada por relatos de que o Norte esteja prestes a realizar seu sexto teste nuclear ou atirar um míssil balístico capaz de levar ogivas nucleares. "É um erro de cálculo fatal se os países ... mesmo pensam que podem atrasar ou segurar verificar  o desenvolvimento da abertura das forças nucleares da (RPDC) mesmo por um momento ", disse o porta-voz da RPDC.
Em abril, Trump despachou o porta-aviões USS Carl Vinson junto com uma "armada muito poderosa" para a Península Coreana para exercícios conjuntos com os militares japoneses e sul-coreanos, além de implantar o sistema anti-mísseis da THAAD na Coréia do Sul, uma decisão que foi criticado pelos governos russo e chinês.
A Coréia do Norte rejeitou todas as sanções impostas contra ela, uma vez que realizou seu primeiro teste nuclear em 2006, alegando que tais medidas invadem sua soberania e direito à autodefesa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário