7 de julho de 2017

China contrapõe-se aos EUA no MSC

"Resolutamente oposto": a China expulsa os bombardeiros supersônicos dos EUA sobre o disputado Mar do Sul da China 

    7 de julho de 2017
    Pequim falou depois que dois bombistas supersônicos de longo alcance dos EUA voaram sobre o disputado Mar da China Meridional, dizendo que se opõe ao uso da liberdade de sobrevoo como uma desculpa para prejudicar sua segurança. Os líderes dos EUA e da China deverão se reunir na sexta-feira.
    "A China opõe-se resolutamente a países individuais que utilizam a bandeira da liberdade de navegação e sobrevoo para exibir a força militar e prejudicar a soberania e a segurança da China", disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang, nesta sexta-feira.
    A declaração veio depois que a Força Aérea dos Estados Unidos confirmou na sexta-feira que dois bombardeiros B-1B Lancer da Guam haviam voado sobre a hidrovia disputada.
    Antes da passagem aérea, os Lancers realizavam exercícios com o Japão no Mar da China Oriental, representando a primeira vez que as duas forças haviam conduzido exercícios noturnos conjuntos.
    Praticamente todo o Mar da China Meridional é reivindicado por Pequim, apesar das reivindicações conflitantes de Brunei, Malásia, Filipinas, Vietnã e Taiwan.
    Os EUA exerceram liberdade de navegação sobre o mar nas últimas semanas, com dois lanceiros de Guam voando sobre a via navegável no mês passado. Um navio de guerra dos EUA também realizou uma broca de manobra em um curto alcance - segundo informações, apenas 12 milhas náuticas - de uma das ilhas artificiais da China do Sul da China no final de maio.
    Washington criticou a construção chinesa de ilhas artificiais na corrente de Spratly em disputa. As ilhas têm pistas de pouso, hangares de aeronaves, locais de radar e abrigos de mísseis de superfície a ar endurecidos, de acordo com fotos de satélite analisadas pelo Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS), com sede em Washington.
    O vôo de sexta-feira ocorre quando o presidente dos EUA, Donald Trump, se prepara para se reunir com o presidente chinês, Xi Jinping, à margem da cimeira do G20 em Hamburgo. Os dois líderes devem discutir a Coréia do Norte.
    Trump repetidamente pediu que Pequim pressionasse Pyongyang como sua única linha de vida econômica, mas certou na quarta-feira que essa cooperação parece improvável.
    Trade between China and North Korea grew almost 40% in the first quarter. So much for China working with us - but we had to give it a try!

    "O comércio entre a China e a Coréia do Norte cresceu quase 40% no primeiro trimestre. Tanto para a China trabalhando conosco - mas tivemos que dar uma chance! "Trump escreveu.

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário