2 de maio de 2018

A Rússia diante da queda de braço entre EUA e Irã

Putin tenta adicionar peso ao conflito do Irã com os EUA


Emmanuel Macron e Angela Merkel têm um aliado na Rússia. Quando se trata da tendência de Washington (e de Tel Aviv) de chamar o acordo nuclear iraniano, as duas maiores economias da zona do euro podem contar com Vladimir Putin para ficar no seu lugar.

Putin reiterou a posição da Rússia de que o acordo nuclear iraniano feito pelo ex-presidente Barack Obama é "de suma importância para garantir estabilidade e segurança internacionais" e deve ser "estritamente observado por todas as partes", informou o jornal Kommersant nesta terça-feira.

Putin supostamente discutiu o acordo nuclear iraniano com o líder israelense Benjamin Netanyahu, que poucas horas antes havia divulgado o relatório de sua própria agência de inteligência alegando que a República Islâmica estava de fato enriquecendo urânio para uso militar e não apenas para uso de energia. O relatório disse que Israel iniciou o chamado.


Netanyahu acusou o Irã de mentir sobre o desenvolvimento de armas nucleares ontem, com os mestres da ligação no Relatório Drudge mostrando uma imagem de "Bibi" - como o primeiro-ministro israelense é conhecido - em pé pelo que parece ser uma grande apresentação lenta com o palavras "Irã mentiu" em negrito. O S & P 500 caiu mais meio por cento nas notícias. Netanyahu afirma que o israelense tem cerca de 100 mil documentos mostrando a quebra de contrato do Irã. Washington imediatamente deu aos documentos sua bênção de autenticidade.

Trump, que tem sido agressivo com o Irã desde o primeiro dia, disse que "estava certo" sobre o Irã o tempo todo.

"Em sete anos, o prazo deste acordo chegará ao fim, e o Irã terá o direito de seguir em frente e criar armas nucleares", disse Trump sobre o acordo de Obama, acrescentando que a dissolução do acordo nuclear também pode beneficiar o acordo. Conversações do desarmamento nuclear da Coreia do Norte. Dizia-se que a Coréia do Norte estava desenvolvendo uma arma nuclear, mas não tinha uma no momento. O Irã também não tem uma arma nuclear, embora o documento israelense afirme que eles estão no processo de fazer um, ou que tenham a capacidade de fazê-lo.

Os grandes investidores que observam o imbróglio se mostram esperançosos de que as alegações de Israel se tornem parte de um esforço conjunto da Arábia Saudita-Israel para pressionar o Irã, algo que temos visto nas negociações entre a Coreia do Sul e a China com a Coréia do Norte sancionada.

Putin conta o Irã como um de seus maiores aliados no Oriente Médio.

Trump ameaçou se retirar do acordo nuclear iraniano na semana passada, a menos que um acordo adicional tenha sido aprovado neste mês. A descoberta israelense será usada para pressionar mais Teerã a renegociar o acordo nuclear. Merkel e Macron querem um acordo pacífico no Irã. A França está particularmente interessada porque seu gigante do petróleo Total tem investimentos significativos lá. Trump parece estar dizendo que um novo acordo nuclear com o Irã será feito com mediadores europeus, provavelmente um deles sendo a França ou a Alemanha. A Rússia ainda não foi convidada para a mesa.

https://www.forbes.com

Um comentário: