6 de maio de 2018

Guerra iemenita transbordando para dentro da A.Saudita

Rebeldes do Iêmen começam a atacar a infra-estrutura petrolífera saudita. Será que a guerra no Iêmen está em "espiral fora de controle"


Por Dario Shahtahmasebi
06 de maio de 2018

Os rebeldes Houthi no Iêmen, oficialmente conhecidos como Ansurallah, prometeram intensificar os ataques de foguetes contra a infra-estrutura crítica de petróleo dentro da Arábia Saudita, alertando que agora estão fabricando seus próprios mísseis balísticos para atingir esses objetivos, reportou o Financial Times.

A ameaça surge no momento em que os ataques dos houthis à Arábia Saudita começaram a aumentar. Neste sábado, o sistema de defesa aérea da Arábia Saudita interceptou quatro mísseis balísticos na região sudoeste de Jizan. Os restos desses mísseis supostamente mataram uma pessoa. Apenas uma semana antes, dois outros mísseis foram lançados nas instalações da Companhia de Arábia Saudita (Aramco), no Mar Vermelho.

No início de abril, o IHS Jane's Terrorism and Insurgency Centre, com sede em Londres, observou que os Houthis alegaram ter realizado três ataques com foguetes em instalações da Aramco em dez dias, incluindo um ataque a um petroleiro saudita, que sofreu alguns danos e levou à intervenção de uma embarcação naval da coalizão, que por sua vez repeliu o ataque.

Os Houthis também revelaram seu novo sistema de armas de superfície a superfície Badr-1 (um sistema de foguetes de artilharia pesada) aproximadamente uma semana antes, que os rebeldes alegaram ter usado para atacar as instalações da Aramco.

Mohammed al-Boukhaiti, membro do conselho político Houthi, também disse ao Financial Times que esses ataques foram "apenas o começo da resposta" à morte do líder houthi Saleh al-Samad, que foi morto por ataques aéreos sauditas em abril. .

Iêmen é a vergonha da nossa geração
"Os iemenitas não transmitirão facilmente a morte de Samad e farão o possível para se vingar dele", disse Boukhaiti.

Boukhaiti também negou as alegações de que o Irã forneceu mísseis sofisticados aos houthis, alegando que os rebeldes vêm desenvolvendo e fabricando seus próprios foguetes e drones.

"Os iemenitas acrescentaram novos sistemas para a fabricação de mísseis, então mais mísseis estão atacando a Arábia Saudita como parte de uma escalada", disse Boukhaiti.

A alegação de que o Irã é responsável pelo suprimento de armas do Houthis é uma que continua a roçar a superfície do discurso dominante sem ser reforçada por qualquer evidência forte e confiável.

Apesar disso, esses desenvolvimentos recentes estão aumentando os temores de que a guerra no Iêmen possa começar a sair do controle ainda mais do que nos três últimos anos. Como até mesmo o Financial Times admite, até agora no conflito, a Arábia Saudita tem lutado para fazer qualquer avanço decente contra os rebeldes. É importante notar também que, nos últimos tempos, a confiança dos Houthis só parece estar fortalecendo, e esses ataques recentes visando infra-estruturas vitais da Arábia Saudita só podem melhorar sua posição no conflito.

De acordo com Graham Griffiths, consultor da Control Risks Group, esses ataques liderados por Houthis levantaram preocupações quanto à segurança de funcionários e ativos, mesmo que os Houthis não possam causar nenhum dano significativo à coalizão liderada pela Arábia Saudita.

"Essa percepção do risco provavelmente aumentará muito se até mesmo uma única greve atingir um alvo sensível", disse Griffiths, segundo o Financial Times. "O ritmo sustentado dos ataques permite que os houthis demonstrem que, apesar de três anos de guerra, eles ainda podem retaliar contra um inimigo muito mais poderoso."

O mais importante - e em grande parte ausente de qualquer análise séria deste conflito - é a declaração do Sr. Boukhaiti ao Financial Times de que os Houthis continuarão esses ataques na Arábia Saudita até que Riad “pare completamente sua agressão”.

No que diz respeito ao direito internacional, o Iêmen tem direito ao direito de se defender de agressões externas, inclusive atacando diretamente a Arábia Saudita, que é, por todas as razões, o principal instigador deste conflito.

Alguém poderia estar inclinado a acreditar que uma solução simples que valha a pena perseguir seria que a coalizão liderada pela Arábia Saudita se retirasse de sua guerra agressiva e criminosa no Iêmen e permitisse que os iemenitas conduzissem seus próprios assuntos.

*

Imagem em destaque é do autor.

A fonte original deste artigo é The Anti-Media

Nenhum comentário:

Postar um comentário