9 de maio de 2018

Guerra Saudita-iemenita

Arábia Saudita intercepta mísseis iranianos contra Riad


Mais uma prova das aspirações maléficas do Irã e da sabedoria da recusa do presidente Trump de nuclearizar o Irã.
Foto: Uma imagem tirada de um vídeo entregue pelos rebeldes Huthi do Iêmen em 27 de março de 2018 mostra o que parece ser uma força militar Huthi lançando um míssil balístico em 25 de março da capital Sanaa (AFP)
Os rebeldes houthi do Iêmen, apoiados pelo Irã, dispararam dois mísseis balísticos em direção a uma instalação de petróleo na cidade de Jizan, na fronteira com a Arábia Saudita, no domingo. Houthis alinhados ao Irã no Iêmen disparam mísseis contra a capital saudita
Por Sarah Dadouch, Noah Browning, Reuters, 9 de maio de 2018:
RIAD (Reuters) - Os houthis do Iêmen dispararam uma bala de mísseis balísticos na capital da Arábia Saudita nesta quarta-feira - um ataque que as autoridades sauditas disseram ter interceptado nos céus de Riad.
O ataque ocorreu um dia depois que o principal aliado ocidental da Arábia Saudita, os Estados Unidos, abandonaram um acordo com o Irã sobre seu programa nuclear e poderia sinalizar um aumento nas tensões entre Riad e o rival regional Teerã.
Os houthis disseram que os mísseis foram lançados contra alvos econômicos em Riad, informou a TV al-Masirah. Pelo menos quatro explosões foram ouvidas no centro da cidade, mas não houve relatos imediatos de vítimas ou danos.
Os houthis dispararam uma série de mísseis contra o reino nos últimos meses, parte de um conflito de três anos no Iêmen amplamente visto como uma batalha entre a Arábia Saudita e o Irã.
O coronel Turki al-Malki, porta-voz da coalizão liderada pelos Estados Unidos que luta contra o Iêmen, afirmou em um comunicado que as defesas aéreas sauditas haviam interceptado um dos mísseis, com outro caindo em um desabitado deserto ao sul da cidade.
Um porta-voz do coronel Aziz Rashed, aliado do Houthi, disse a al-Masirah que o ataque marcou "uma nova fase" e se vingou dos ataques aéreos sauditas no Iêmen depois que um ataque aéreo da coalizão matou o principal líder civil dos Houthis.
"Haverá mais salvos até que este inimigo seja dissuadido, entenda o significado da ameaça iemenita e cesse seus crimes", disse Rashed.
Ele não mencionou a decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, horas antes de retirar o acordo nuclear internacional com o Irã. Mas há temores de que a decisão possa exacerbar o conflito no Iêmen e em outros pontos críticos regionais.
“AÇÃO HOSTIL”

A Arábia Saudita e outros aliados dos EUA entraram na fila na quarta-feira para elogiar a decisão de Trump, assim como o governo internacionalmente reconhecido do Iêmen, que foi forçado ao exílio pelos avanços de Houthi.
O governo iemenita disse que a retirada dos EUA foi um passo necessário para impedir o comportamento "desestabilizador e perigoso" do Irã.
"O regime iraniano explorou os benefícios do acordo nuclear para exportar violência e terrorismo para seus vizinhos", afirmou em um comunicado.
A coalizão militar liderada pela Arábia Saudita interveio na guerra civil do Iêmen em 2015. O Irã e os Houthis rejeitaram regularmente as acusações sauditas de que Teerã armaria o grupo.
A mídia estatal saudita disse separadamente que as forças de defesa aérea haviam interceptado um míssil lançado na cidade de Jizan, no sul do país, em um ataque também alegado pelos Houthis.
"Essa ação hostil da milícia Houthi, apoiada pelo Irã, prova o envolvimento continuado do regime iraniano", disse Malki, segundo a agência de notícias estatal SPA.
A Defesa Civil Saudita testará uma sirene de alerta em Riad e outras províncias na quinta-feira. Ele instruiu os cidadãos, ao ouvirem o alerta, a procurar abrigo em locais seguros e evitar “áreas propensas a ataques aéreos e ataques com mísseis”.

Um comentário:

  1. E a Arábia Saudita pode jogar misseis e atacar o Iemem com armas americanas? O Iêmem não pode?

    ResponderExcluir