8 de maio de 2018

Irã volta ao centro das pressões

Irã Sob Ameaças Renovadas e Enormes


O ditador assassino do Irã, o Xá, foi repetidamente convidado para Washington e Londres.

De Shana Quinn

Um espectador neutro pode questionar por que o Irã não tem permissão para explorar as capacidades nucleares, especialmente porque o país está sob a sombra de um possível ataque. Basta examinar o destino de vítimas americanas passadas, como o Afeganistão, o Iraque e a Líbia, nenhuma das quais possuía armas nucleares como elemento de dissuasão contra a agressão.
Essa é a lição invocada pela política externa dos EUA. Isso foi considerado pelos líderes norte-coreanos que, observando uma intervenção americana após a outra, armaram-se com medo até os dentes. Por outro lado, os Estados Unidos e Israel possuem uma vasta gama de armas nucleares - enquanto a superpotência e seu braço direito, ao contrário do Irã, têm décadas de derramamento de sangue e destruição.
No entanto, é o Irã que permanece, de acordo com o New York Times, a principal “força desestabilizadora” do mundo, com a república islâmica, na realidade, representando uma ameaça ao poder dos EUA e de Israel no Oriente Médio. O presidente dos EUA, Donald Trump, insistiu que o Irã está alimentando os "fogos do conflito sectário e do terror", enquanto é "responsável por tanta instabilidade". Nenhuma dessas acusações é dirigida ao principal país da América, o ditador do petróleo e da Arábia Saudita, que, entre outros crimes, financia uma série de grupos terroristas.
No entanto, os sauditas constituem há muito uma "presença regional estabilizadora" (segundo os HSH), apesar de estarem entre os piores violadores dos direitos humanos do mundo, muito mais severos do que o Irã. Os EUA foram os maiores impulsionadores do “conflito e terror sectário” no Oriente Médio, com repetidas intervenções que datam da Guerra do Golfo no início dos anos 90. Um observador racional seria novamente tentado a perguntar por que Israel e seu patrocinador americano não estão sendo pressionados a rever seus próprios arsenais nucleares.
Ao contrário do Irã, Israel se recusa a assinar o Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP), nem permite qualquer inspeção de suas capacidades nucleares. Também com a garantia americana, Israel frustrou os pedidos por uma zona livre de armas nucleares em uma das regiões mais voláteis do mundo.
Após a Revolução Islâmica de 1979, o Irã permaneceu sob pressão externa significativa, em violação da Carta das Nações Unidas. Nos últimos dias, isso foi reiterado publicamente com Trump dizendo: “Se o Irã nos ameaçar de alguma forma, eles vão pagar um preço como poucos países já pagaram”.
O Ocidente tem uma longa história de intervenção nos assuntos iranianos - datando em memória viva até o início dos anos 1950, quando os EUA e a Grã-Bretanha derrubaram o governo parlamentar conservador do país, liderado pelo primeiro-ministro Mohammad Mossadegh. Ele estava tomando medidas para nacionalizar as enormes reservas de petróleo do Irã, colocando-as fora do alcance estrangeiro, uma perspectiva inaceitável. Ele foi derrubado sem cerimônia em agosto de 1953 e o xá pró-ocidental, Mohammad Reza Pahlavi, o substituiu.
Durante seu quarto de século de ditadura, o Xá compilaria um dos piores registros de direitos humanos na Terra (como observado pela Anistia Internacional). Nada disso importava, desde que a América e o novo parceiro júnior, a Grã-Bretanha, tivessem controle sobre o suprimento de petróleo do Irã.

Em agosto de 1962, o presidente John F. Kennedy resumiu em uma carta ao xá que,

Trump joga gato e rato com o Irã
"Os Estados Unidos apreciam muito a localização estratégica do Irã", alertando que o ditador deve permanecer "vigilante contra as pressões do comunismo internacional".
Dois anos mais tarde, o sucessor de Kennedy, Lyndon B. Johnson, insistiu que o Xá estava “realizando grandes programas destinados ao bem-estar de seu povo… Sua liderança tem sido um fator vital para manter o Irã livre e modernizar esta terra antiga”, descrevendo o tirano como "um monarca reformista do século XX".
Apesar do terrível registro do Xá, ele recebeu inúmeros pedidos para visitar o Ocidente. O Xá visitou a Casa Branca enquanto se encontrava, em diferentes ocasiões, com os presidentes Dwight D. Eisenhower, Kennedy, Johnson, Richard Nixon, Gerald Ford e Jimmy Carter. Devolvendo o favor com viagens à capital iraniana Teerã estavam Eisenhower, Johnson, Nixon e Carter - enquanto o Xá também foi convocado para a América para participar dos funerais de ambos Kennedy e Eisenhower (em 1963 e 1969 respectivamente).
O déspota iraniano desfrutou ainda mais de convites para Londres, enfeitando os corredores do Palácio de Buckingham, onde conheceu a rainha Elizabeth II (ainda reinando hoje), vendo também Winston Churchill - Churchill foi ele mesmo um dos instigadores do golpe de 1953. Em março de 1961, a rainha aceitou o convite do xá com uma "viagem real ao Irã", acompanhada pelo marido, o príncipe Philip.
Em abril de 1978, o Xá também viu a primeira-ministra da Grã-Bretanha, Margaret Thatcher, em Teerã. Mais tarde, após sua expulsão, Thatcher disse que estava "profundamente infeliz" por não poder oferecer o refúgio do xá, que ela descreveu como "um amigo firme e prestativo para o Reino Unido".
Talvez essas reuniões não sejam terrivelmente surpreendentes. Por exemplo, o ditador indonésio General Haji Suharto, que supervisionou um dos maiores assassinatos em massa do século XX (como relatou a CIA), também foi convidado para o Palácio de Buckingham em novembro de 1979, onde saudou a rainha e o príncipe Philip. Anteriormente, em março de 1974, o monarca britânico havia se familiarizado com Suharto em Jacarta, capital da Indonésia.
Em abril de 1985, o primeiro-ministro Thatcher viu Suharto durante uma visita de Estado à Indonésia, dizendo que ela e o ditador "têm uma visão próxima de tantas coisas" e descrevendo-o como "um dos nossos melhores e mais valiosos amigos". (O governo de Thatcher estava apoiando o regime de Suharto com a venda de armas). Suharto também fez repetidas viagens à Casa Branca, sendo calorosamente recebido por vários presidentes dos EUA, de Nixon a Bill Clinton.
Mohammad Reza fala com Richard Nixon no Salão Oval (fonte: White House Photo Office)

Em outro lugar, no diálogo mainstream, o xá era conhecido como "um protetor da estabilidade do Oriente Médio", permitindo que empresas e bancos americanos acessassem as vastas riquezas do Irã. No fundo, a notória polícia secreta do Shah SAVAK matou milhares de pessoas, mutilando e torturando incontáveis ​​outras pessoas. A formação da SAVAK em 1957 foi possível graças à assistência da CIA, juntamente com o apoio da Mossad, agência de inteligência de Israel. Em operação há 22 anos, a SAVAK é hoje conhecida como “a instituição mais temida e odiada” da história iraniana.
No início de 1979, o Xá foi finalmente derrotado pela resistência popular - apesar do presidente Carter ter dito, meses antes, que ele era "uma administração progressista". Após a expulsão do Xá, os convites de Washington e Londres para o novo líder do Irã, Ruhollah Khomeini, não foram misteriosamente divulgados. Isto apesar do fato de que Khomeini, em comparação com seu antecessor, era uma espécie de figura santa. De fato, nenhum líder iraniano desde 1979 pode igualar o sangue derramado durante o governo do Xá.
Pode-se supor que as elites americanas e britânicas estão preocupadas apenas em ganhar controle sobre os principais recursos, ao mesmo tempo imune ao enorme sofrimento humano que as ditaduras de apoio acarretam. De fato, o Irã nunca foi perdoado por se libertar da tirania apoiada pelo Ocidente, desde que sofreu uma invasão patrocinada pelos EUA, sanções e ameaças sem fim.
Nos últimos anos, Tony Blair chegou a ponto de culpar o Irã pelos muitos problemas no Iraque (e em toda a região), após a invasão assassina de 2003 dos EUA e do Reino Unido. Blair, uma figura chave por trás do ataque ilegal ao Iraque, destacou "a contínua intervenção do Irã", enquanto clamava abertamente pela "mudança de regime em Teerã".
O tom de Blair em relação ao Irã pós-revolucionário é padrão em todo o Ocidente. Uma vez que o Irã escorregou da influência americana, ele se tornou "maligno", como a Coréia do Norte e o Iraque, como o presidente George W. Bush descreveu. Anteriormente, em 1982, o presidente Reagan retirou Saddam Hussein da lista de estados que patrocinam o terrorismo, para que ele pudesse fornecer ao ditador iraquiano extensa ajuda militar em sua guerra contra o Irã (1980-88). A longevidade do conflito, que matou centenas de milhares em ambos os lados, não teria sido possível sem o apoio dos EUA a Saddam.
Do ponto de vista imperial, o Irã é um prêmio ainda maior do que o vizinho Iraque. Na área terrestre, o Irã é quase quatro vezes maior, com uma população de 80 milhões, comparada aos 37 milhões do Iraque. O Irã possui uma força muito maior e influência internacional, contendo mais reservas de petróleo, juntamente com outros recursos, como minério de ferro e magnésio.

*

Shane Quinn obteve um diploma de jornalismo honorário. Ele está interessado em escrever principalmente sobre assuntos estrangeiros, tendo sido inspirado por autores como Noam Chomsky. Ele é um colaborador frequente da Global Research.

Nenhum comentário:

Postar um comentário