1 de maio de 2018

O terrorismo e a crise migratória

Senador: Os principais ataques terroristas podem não ter acontecido sem crise migratória


O senador belga Alain Destexhe questionou se grandes ataques terroristas, como o massacre de Bataclan em Paris ou o bombardeio no aeroporto de Bruxelas, teriam ocorrido se a crise migratória de 2015 nunca tivesse acontecido.

O senador Destexhe também criticou o governo belga por permitir o surgimento de comunidades radicais islâmicas paralelas em uma entrevista ao jornal francês Le Figaro.
Falando sobre o tema do terrorista radical islâmico belga Salah Abdeslam, que participou do massacre de Bataclan em 2015 e recentemente foi condenado em um tribunal belga por disparar contra policiais antes de sua prisão, Destexhe disse: “Dez dos autores dos atentados em Paris e Bruxelas chegaram à Europa através do fluxo de migrantes, a maioria dos quais foi ajudada pela Abdeslam. ”
"Pode-se perguntar seriamente, e eu pese minhas palavras, se os ataques de Paris e Bruxelas teriam ocorrido sem as ondas de migração maciça do ano de 2015", acrescentou.
Destexhe falou então sobre a responsabilidade da chanceler alemã, Angela Merkel, pela crise dos migrantes, dizendo: “O chanceler alemão é, portanto, diretamente responsável pela chegada de um milhão de migrantes e logo vários milhões graças à reunificação familiar contra a qual dificilmente podemos fazer algo como muita jurisprudência da CEDH bloqueia esse assunto ”.
"Ela é responsável pela ascensão do antissemitismo causado por essa imigração maciça, que tem visto pessoas que cresceram freqüentemente em ambientes claramente hostis aos judeus", acrescentou declarações repetidas pelo magnata da moda francês Karl Lagerfeld no ano passado.
O senador belga também culpou Merkel pela ascensão de partidos populistas como a Alternativa para a Alemanha (AfD) e pelo voto Brexit no verão de 2016. “O histórico de Angela Merkel para a Europa é, em muitos aspectos, desastroso”, disse ele. .

Destexhe também criticava o governo belga, que ele acusava de ser "ingênuo" e permitir que guetos muçulmanos pesados como Molenbeek, em Bruxelas, se tornassem centros de radicalismo islâmico.
Em Molenbeek, segundo Destexhe, “O Holocausto não é mais sempre ensinado na escola, embora faça parte do currículo escolar”, e acrescentou: “Em alguns bairros, o Islã está se tornando a religião majoritária. Na escola pública, onde os estudantes devem escolher uma classe religiosa, 49% deles escolhem o curso sobre o Islã ”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário