12 de junho de 2016

EUA vs Venezuela

US Southcom Operação "Venezuela Freedom", Estratégia americana para derrubar o governo Maduro

Venezuela Maduro
Nota do Editor de GR

Por favor, note que a autenticidade do suposto documento "Venezuela Liberdade" pelo Comando Sul dos EUA não foi verificada. Citado pelo NYT, "O documento, intitulado" A Operação Venezuela Freedom-2 , " disse uma porta-voz do Comando Sul dos Estados Unidosé falso,  coronel Lisa Garcia, ."

* * *

Recentemente, um documento do Comando do Sul norte-americano foi liberado com 12 passos para desestabilizar e provocar um fim abrupto ao governo de Nicolas Maduro são definidos: os passos que estão sendo realizados agora e foram iniciados há algum tempo.
O relatório "Operação A Venezuela Freedon 2 - ", que foi reproduzida em várias publicações é assinado pelo almirante e chefe atual do Sul-Americano  comando, Kurt Tidd.
No texto do relatório propõe-se que, usando meios violentos, sejam criadas condições que levam a uma eventual mudança de governo - substituindo-executivo da Maduro com um governo interino composto por uma coalizão de líderes de partidos da oposição e dos sindicatos, bem como as ONGs obrigatórias .
O relatório, que foi divulgado pela organização venezuelana Misión Verdad ( "Mission Truth") define 12 passos que forças especiais que tomarão em conjunto com a oposição anti-governo centrado na Assembleia da Unidade Democrática (MUD) para derrubar Maduro.
Vale a pena lembrar que o programa estratégico do Pentágono divide o mapa geoestratégico em 10 zonas e os EUA têm um comando militar para monitorar e controlar cada uma dessas áreas. Como parte desta estratégia global Sul comando é atribuído o controle sobre a América Latina eo Caribe.
O relatório também faz referência à queda dos preços internacionais do petróleo, que insiste irá forçar o governo de Maduro para colocar programas sociais (bem-estar) em espera.
Jornalista e analista político Carlos Aznárez expressou sua opinião de que "o documento que acaba de ser vazado é aparentemente a segunda parte de um similar que o chefe anterior do Comando Sul John Kelly liberada."

Ele passou a destacar:

"É claro neste documento que parte do que está sendo dito lá foi começou há algum tempo e está sendo realizada agora sob a forma de uma estratégia centrada na intimidação e de tentar derrubar o governo de Maduro. Se você olhar para os quatro pontos fundamentais estes são afigura-se: o uso de uma estratégia para justificar o desenvolvimento de uma política hostil por parte da oposição; isolamento internacional; desacreditar como o governo venezuelano "antidemocrática"; ea criação de um clima favorável à aplicação da Carta Democrática da Organização dos Estados Americanos (OEA). Isso já está acontecendo e tudo aponta, pelo menos na medida em que o documento está em causa, no sentido de um fim violento. "

Aznárez salientou que

"A violência é considerada como a forma mais provável de resolver a questão. Embora a oposição está a considerar a possibilidade de um referendo revogatório e, além disso, de dirigir a aplicação da Carta Democrática da Organização dos Estados Americanos (OEA) - o que não será capaz de fazer, porque as condições não existem para isso - rua confrontos e bloqueios organizados como os que surgiram há dois anos e levou a 43 mortes, estão atualmente em curso. Por esta razão, é muito importante prestar atenção o que o presidente Maduro está sugerindo:. A necessidade de solidariedade entre os venezuelanos e os ralis constante de cidadãos para deixar claro à oposição que as pessoas não estão prontas a ceder "

"No documento Comando Sul um governo interino composto por líderes da oposição, alguns líderes sindicais e as famosas ONGs que são sempre prevalente nesses lugares é mencionado. Eles estão preparando o palco para um resultado usando o mesmo pensamento que o utilizado em 2002, quando eles levaram a cabo um golpe de Estado contra Chávez ", concluiu Aznárez.

Incluem-se entre os pontos desta primeira fase

'' [Que seria] expor para que todos possam ver a natureza autoritária do governo de Maduro, incentivar o seu isolamento internacional, tar o governo como "antidemocrática", criar um clima favorável à aplicação da Carta Democrática da Organização dos Estados Americanos (OEA ) e coloque na agenda a crise humanitária como um pretexto para organizações multilaterais, incluindo as Nações Unidas a intervir. "

Almirante Kelly afirma

"A nossa intervenção atempada tem permitido a maneira de ser pavimentada para uma remoção rápida do regime. Enquanto uma solução pacífica, legal e eleitoral está sendo apontada como o caminho a seguir há uma crescente convicção de que existe uma necessidade de exercer pressão através do uso de protestos de rua e procurar limitar e impedir contingentes militares consideráveis ​​que se vêem forçados entregue a manutenção da lei nacional ea ordem e garantir a segurança do governo: uma situação que será insustentável na medida em múltiplos conflitos e tensões de todos os tipos estão sendo provocou. Como parte integrante deste ponto de vista, ele propõe que as recomendações para a segunda fase da Operação Venezuela Freedom 2 como um todo ser revisto ".

". Um conjunto de recomendações que permitem o planeamento eficaz da nossa intervenção na Venezuela" Ampliando sobre a fase 2 o texto propõe Tais recomendações implicaria:

Criando um clima precário que pode combinar agitação civil com o uso cuidadosamente medidos da violência armada
Usando, com o foco em uma estratégia de "cerco e sufocar, a Assembleia Nacional, o parlamento da Venezuela, como uma forma de sufocar a capacidade do governo para governar; e a realização de eventos e manifestações, governadores em prisão, negar crédito e revogação
insistindo, na frente política nacional, no ato do governo interino e sobre as medidas a serem tomadas após a queda do regime, incluindo a formação de um gabinete de emergência em que o sector empresarial, hierarquia da igreja, sindicatos, ONGs e universidades  estão incluídos.
Para chegar a esta fase final é proposto que um plano de acção a curto prazo ser vigorosamente perseguidos (6 meses, com o encerramento da fase 2 no sentido de Julho-Agosto de 2016) e para aplicar pressão para sufocar e paralisar o governo, impedindo as forças chavistas de reforma / reagrupamento.
Manter a campanha ofensiva na frente de propaganda, criando um clima de desconfiança, incitando medo e provocar uma situação "ingovernável".
Explorando, em especial, questões como a escassez de água, comida e eletricidade.
"Configuração do molde", sugerindo que a Venezuela está entrando em uma fase de crise humanitária, como resultado da escassez de alimentos, água e medicamentos. É necessário continuar a manipular a situação para dar a mensagem de que a Venezuela está "à beira do colapso / implodindo" pedindo à comunidade internacional para intervir com ajuda humanitária, a fim de manter a paz e salvar vidas.
insistindo sobre a aplicação da Carta Democrática conforme acordado com Luis Almagro Lemes (o secretário-geral da OEA) e os ex-presidentes (liderado pelo ex-secretário da OEA, César Gaviria Trujillo). Aqui, a coordenação entre as organizações da comunidade de inteligência (IC) e outras agências, tais como organizações não governamentais (ONGs), empresas de comunicação privadas, tais como o SIP e várias agências privadas de mídia (TV, Imprensa, mídia social, 'circuitos' de rádio) é importante.
Os esforços que têm vindo a fazer até agora como a ligação governo de Maduro à corrupção e branqueamento de capitais deve ser continuado. Tanto quanto isso é comunicação em causa campanhas devem ser criadas, com testemunhas - que estão ajudando a cumprir o decreto do 09 de março de 2015 - proteção
Em outra área, temos de estar vivo para a realidade da dimensão militar, mesmo que a campanha que está dirigindo a ganhar seguidores e dissuadir a oposição aos nossos objetivos em instituições tem sido bem sucedida até à data. Por esta razão, é vital para continuar com o trabalho de enfraquecer a liderança de Venezuela e destruindo a sua capacidade de governar.
Quanto à utilização que o governo vai fazer com os chamados milícias e grupos armados uma leitura semelhante é necessária. A presença desses combatentes fanáticos nesses municípios prioritários no plano está a tornar-se um obstáculo para a mobilização de forças aliadas e grupos de oposição nas ruas; e um estorvo para o controle eficaz de instalações militares estratégicas. Assim, o pedido de neutralização destes milícia nesta fase decisiva.
A formação e os preparativos militares nos últimos meses com a  Força de Resposta Bravo Conjunta (JTF-B) na base de Palmerola, em Comayagua, Honduras e a Joint Interagency Task Force do Sul (JIATF-S) permitem o posicionamento de contingentes de resposta rápida 'junto um arco geoestratégica pontilhada com «controlo e monitorização" bases militares nas ilhas caribenhas de Aruba (Reina Beatriz) e Curazao (Hato Rey), Arauca, Larandia, Tres Esquinas, Puerto Leguízamo, Florencia e Leticia, na Colômbia: constituindo como um todo um Encaminhar Operating base (FOB com alcance sobre a região central da Venezuela, onde poderio político-militar está concentrada). (PL)
(Traduzido por Nigel Conibear - DipTrans IoLET ACIL – nigelconibear@gmail.com)

Nenhum comentário:

Postar um comentário