14 de junho de 2016

OTAN começa o cerco da Rússia

By German Economic News

OTAN prepara uma escalada militar verdadeira na Europa de Leste: Soldados alemães estão operando na Lituânia, o take britânico sobre a Estónia, e os soldados norte-americanos se mover para proteger Letónia. Os canadenses será na Polónia. Também no Mediterrâneo, unidades de combate estão a ser aumentada. A Rússia vê a atividade como uma ameaça, mas ainda não anunciou quaisquer contramedidas.
Na cimeira da OTAN durante 08-09 julho, em Varsóvia, a Aliança vai adotar uma presença militar maciça ao longo da fronteira da Rússia. A Rússia está classificada pela OTAN como uma ameaça. Secretário Geral da OTAN Jens Stoltenberg disse recentemente em Washington que os EUA ea UE têm o direito sob a forma de a OTAN para defender os seus territórios em solo estrangeiro. Os críticos dessa estratégia de acreditar que é possível esta actualização irá aumentar significativamente o risco de um conflito entre as superpotências. Quarta-feira em Bruxelas, os ministros da Defesa quer que a aliança militar para tomar decisões que depois serão selados pelos líderes na Polónia. OTAN  quer reforçar a sua presença militar em suas fronteiras orientais significativamente, e para posicionar as tropas de combate estrangeiras batalhões na Polónia e os três Estados bálticos. A Alemanha é o núcleo da Associação na Lituânia, os britânicos na Estónia, e os Estados Unidos se espera que seja que na Letónia. O que ainda não está claro, no entanto, é quem vai ser o envio de tropas para a Polónia.
Talvez Canadá vai assumir esta tarefa, foi última relatado a partir de fontes diplomáticas polonesas citado pela Reuters. " 'A cimeira em Varsóvia será passado (cimeira da NATO) do presidente Obama e os EUA quer que ele seja um sucesso. Ele irá garantir que o quarto país quadro é encontrado, possivelmente, inclinando-se sobre o Canadá ", disse a fonte. 'Washington vai dobrar para trás aqui.' "
Alemanha quer enviar pelo menos 600 soldados para a Lituânia, que constituirá o núcleo do batalhão local lá com cerca de 1.200 soldados.
Os batalhões são para incluir cerca de 1.000 soldados cada, e não estão permanentemente estacionadas nos países de Leste, mas substituídas regularmente. Por meio desta rotação, a aliança militar quer evitar uma violação formal do Acto Fundador OTAN-Rússia 1997, que proíbe o estacionamento permanente de um número "substancial" de tropas de combate no leste. O que especificamente significa "substanciais", no entanto, é controversa. [Em outras palavras: Obama quer ser mais agressivo do que o Acto Fundador OTAN-Rússia de 1997 poderia permitir; ele quer para violar o tratado de tal forma que ele vai ser capaz de dizer que ele não está realmente quebrar o tratado.]
Polónia e do Báltico países querem empurrar OTAN a ser ainda mais agressivo. Eles exigem, entre outras coisas, o aumento da vigilância aérea por aviões de combate dos parceiros da aliança no Báltico. Polónia teve no passado também exigiu repetidamente o estacionamento permanente de tropas de combate da OTAN [que violam claramente o Acto Fundador OTAN-Rússia]. Os Estados Bálticos e a Polónia foram sentindo-se ameaçado desde março 2014 anexação da península ucraniana da Criméia da Rússia.
ministros da Defesa da OTAN também irá discutir uma nova missão no Mediterrâneo. O que exatamente está previsto lá, é difícil julgar. Oficialmente o surgimento de extremistas milícias ISIS e a crise dos refugiados são dadas como razões para que a expansão da OTAN. ISIS é financiado e qualquer outra forma apoiados pela Arábia Saudita, o maior aliado do Ocidente no Oriente Médio. Uma boa razão para que a OTAN, a força de combate mais poderoso em todos militar do mundo, não têm lidado com esse grupo de mais ou menos mercenários ralé aleatórios, não é conhecido. A Rússia está lutando do lado da Síria contra o ISIS e contra anteriormente oficialmente os EUA, apoiado al-Nusra Frente [Al Qaeda na Síria - a filial síria do grupo que fez 9/11].
A aliança OTAN está à procura de uma nova missão de combate no Mediterrâneo, como o 11 de setembro 2001  o grupo de  resposta da OTAN "Endeavor Ativo" a  patrulhar o Mediterrâneo para impedir que os terroristas lá, tem realmente tornar-se obsoleto. Os ministros, por conseguinte, considerar se a missão deve ser transformado em uma forma mais geral, para reforçar a segurança no Mediterrâneo. Também está sendo considerado é transformar essa missão a uma cooperação mais estreita com a União Europeia, que mantém a sua própria implantação naval ao largo da costa da Líbia contra traficantes de seres humanos e o resgate de refugiados em perigo sob o nome de "Sophia". No jantar na terça-feira, portanto, também o chefe de política externa Federica Mogherini UE e representantes governamentais dos países não membros da OTAN a Finlândia ea Suécia também será na sede da OTAN.
A agenda na quarta-feira também inclui o futuro da missão da OTAN no Afeganistão. De acordo com os planos atuais, os EUA querem reduzir o número de suas tropas no Afeganistão a partir de sua atual 9800 para 5500. Se Obama realizará a esse objectivo, apesar da má situação da segurança no Afeganistão ainda não está claro.

Traduzido por Eric Zuesse. 

Um comentário:

  1. Como a Rússia já sabe que os EUAN não têm dinheiro para fazer qualquer guerra aproveitam - e bem- para colocar os ianques como atacantes. De facto os ianques já não são nada nos confrontos das forças internacionais. Já só têm forças para humilhar os fracos e fazer propaganda. CLV

    ResponderExcluir