11 de junho de 2016

OTAN irá suprimir os protestos na Polônia

By Mateusz Piskorski

piskorski
Em 18 de maio de 2016, o conhecido político polaco Mateusz Piskorski foi preso sob a acusação de espionagem para "países terceiros". Pouco antes, ele escreveu um artigo que previa o início da repressão política em massa contra adversários da OTAN na Polónia e na Europa como um todo. Ele estava certo. Katehon apresenta a seguinte tradução exclusiva de seu artigo:
As previsões relativas à cimeira próxima OTAN em julho em Varsóvia estão começando a indicar claramente que, hoje, o objetivo da aliança é antes de tudo evitar o surgimento de movimentos sociais que exigem a libertação da Europa debaixo da tutela dos Estados Unidos. Como pode ser visto, proferindo inadvertida do Financial Times das palavras de um dos comandantes do Exército polonês mostrar apenas o que as decisões possam ser esperada para este verão. Estas são decisões que comprometem completamente não só a soberania de Varsóvia no campo da política externa, mas também falar claramente ao fato de que a partir deste momento OTAN  é suposto ser uma força policial pronto para participar na pacificação de eventuais protestos sociais ou intervir nos assuntos de política polonesa domésticos.
As intenções reais de últimas decisões da aliança foram revelados de forma honesta e de uma forma francamente militar Brigada Geral Krzysztof Krol, o comandante do Corpo Multinacional Nordeste. A questão em apreço foi o conceito do chamado ponta de lança OTAN defendida há anos pelos americanos e almejada pelos políticos poloneses, tanto do para-mer e do governo atual. Vamos dar a palavra ao público em geral: "O VJTF (Very High Readiness Joint Task Force) é lidar com o artigo 4 situações [do Tratado do Atlântico Norte] e que é nossa intenção com ele." Artigo 4 fala de cooperação e consulta entre os estados membros que não podem ser descritas como no artigo 5 como experimentando agressão armada contra qualquer um deles, mas sentimentos, em vez subjetivas de ameaças para-militares. Que tipo de situações que estamos lidando aqui? Geral Krol não deixa dúvidas: "O plano foi desenvolvido para reagir a ameaças híbridas em nossa área de atuação. Nossos planos são escaláveis ​​para a situação ", disse ele ao Financial Times.
O conceito de guerra híbrida ou ações híbridos floresceu como uma definição das atividades da Rússia após a revolução ucraniana de 2014. Mas o que é interessante é que até hoje não alcançou qualquer interpretação acadêmica inequívoca e vários autores e especialistas precisar o seu alcance De maneiras diferentes. Em The Financial Times, no entanto, lemos que a ponta de lança OTAN tem o direito de tomar medidas no caso de a desestabilização da situação internacional no país desencadeada por, por exemplo, protestos públicos.
O que isso significa na prática? Qualquer perturbação interna poderiam ser tratados e apresentados por "ponta de lança" nativos, bem como americanos como parte das atividades vagamente definidas como guerra híbrido. Isso pode levar ao caso em que os protestos contra os efeitos do Acordo de TTIP apoiada pelo Estado polaco poderiam ser tratadas como "atividades híbridas." Protestos poloneses contra os crimes cometidos por soldados do exército dos EUA estacionados na Polônia também poderia vir a ser " guerra híbrido. "imaginação doentia de Antoni Macierewicz poderia sugerir dezenas de teorias diferentes. Afinal, o atual ministro da Defesa é tão divorciada do senso comum que ele acredita que Radoslaw Sikorski, um outro falcão pró-americano, está realmente trabalhando para Moscou.
Agitações sociais, protestos, greves, as tentativas de formar recursos de informação independentes do estabelecimento, exigindo transparência na política externa das autoridades polacas defesa e - tudo isso poderia tornar-se pretextos para um ou outro balanço em ação de assessores de NATO (principalmente de EUA), que iria fornecer "ajuda fraterna" para as unidades e serviços polacos subordinados a eles. Nesta situação, tudo o que resta é a esperança de que os oficiais e funcionários não vai querer ficar em um "relacionamento via oral" (a expressão colorida de Sikorski) com seus senhores americanos, vai lembrar-se da dignidade do uniforme polonês, e enviar todos os representantes de interesses estrangeiros "preocupado com a nossa segurança" longe de volta através do Oceano Atlântico. Enquanto isso, nós ter sido deixada com uma coisa: para protestar em voz alta e por todos os meios que respeitam a lei bloquear a realização dos planos da OTAN que ele vai anunciar em julho, em Varsóvia. Também vale a pena organizar um movimento social para a saída da Polônia a partir deste pacto como uma condição de ganhar a soberania do Estado elementar e uma verdadeira sensação de segurança.

Traduzido por Jafe Arnold

Nenhum comentário:

Postar um comentário