17 de junho de 2016

Rússia e China a intensificar a "guerra ideológica" contra o Imperialismo

china-russia-flags-1200
Estes dias você pode obter abraços de muitas pessoas comuns no Oriente Médio ou na América Latina, quando você diz que você é russo, mas essas explosões emocionais são principalmente intuitiva. Depois de ser bombardeado por propaganda ocidental extremamente eficaz e negativos durante anos e décadas, as pessoas do mundo ainda sabe muito pouco, se alguma coisa, cerca de dois enormes países que foram orgulhosamente resistindo ao imperialismo ocidental - Rússia e China.
Eu recentemente passou cinco semanas na América Latina, onde o Ocidente apoia abertamente todo o amplo espectro de movimentos contra-revolucionários, literalmente derrubar um governo progressista após o outro. Eu trabalhei ao lado dos intelectuais de esquerda lá, ajudando a definir o caminho a seguir, para resgatar o processo.
Mas fiquei chocado com o quão pouco é conhecido há cerca de Rússia e China - por décadas dois aliados naturais da patriótico esquerda latino-americana.
"Você é a favor ou contra Putin?" E: "A China é realmente tão capitalista agora como lemos?"

Estas foram duas perguntas mais freqüentes.

Não em Cuba, é claro. Cuba, quase livre da maioria dos meios de comunicação de propaganda do Império é realmente uma das sociedades mais educadas e informadas sobre a Terra. Lá, as pessoas sabem tudo sobre as longas décadas e séculos da luta épica do povo russo contra o imperialismo ocidental. Não, é muito bem conhecido que a China é, essencialmente, e mais uma vez cada vez mais uma nação com planejamento central comunista clara (e bem sucedida), que utiliza algumas práticas capitalistas controlados, a fim de construir uma sociedade próspera para o seu povo.

Mas mesmo nesses países educadas como Argentina e Chile, mesmo nos centros de progresso e revolução como Equador e Venezuela, os dois gigantes mundiais são muitas vezes mal compreendido. A maioria das pessoas na América Latina pode sentir simpatia por Rússia e China, mas não há conhecimento profundo das realidades lá.
É realmente desanimador, porque a esquerda latino-americana é uma das componentes essenciais da frente contra o imperialismo ocidental, ombro a ombro com a Rússia e a China, mas também na África do Sul, Irã e outras nações orgulhosas.
É fácil compreender as razões por trás de tudo isso. Mesmo em algumas das nações mais revolucionários da América Latina, os meios de comunicação de massa ocidentais têm vindo a gerir a manter a sua presença, muitas vezes através da TV a cabo e por satélite negócios distribuidores grandes de direita. A maioria dos maiores jornais ainda estão nas mãos dos interesses comerciais locais.
E assim, as mensagens negativas e enganosas sobre a Rússia ea China estão espalhados constantemente. As pessoas são bombardeadas com eles a partir dos ecrãs de televisão, a partir das páginas de jornais de grande circulação, e dos filmes importados (ocidentais).
Muitos estão resistindo. Eles instintivamente querem agarrar-se a Rússia e China. Mas eles não têm "munição" suficiente; não é suficiente informação positiva e inspiradora está disponível para eles. Enquanto isso, os críticos estão armados até os dentes com propaganda tóxico que é produzido em massa em Nova York, Los Angeles, Londres e Madrid.

E a situação é muito pior na Ásia.

Lá, o Império tem realmente e totalmente mobilizados todos os recursos disponíveis, a fim de desacreditar seus dois adversários principais.
Falando aos meus amigos e colegas em tais lugares como Indonésia e Filipinas, foi-me dito que a maioria das pessoas lá sabem pouco, mesmo perto de nada sobre a Rússia. Ele ainda é percebida através da Guerra Fria e os estereótipos pós-Guerra Fria. O aparelho de propaganda ocidental foi retratar russos como frio, agressivo, lavagem cerebral e perigoso.
Grande cultura russa, artes russas eo calor excepcional do povo russo, são algo quase totalmente desconhecida na maioria dos países asiáticos.
Grandes sucessos da política externa da Rússia, como os da Síria, são torcidos e virou-se para os crimes, mesmo em países muçulmanos como a Indonésia ea Malásia, onde "as pessoas devem definitivamente sabe melhor".
Na Índia, que tinha sido há décadas muito próximas para a União Soviética, a situação é de alguma forma mais brilhante, mas apenas entre o grupo extremamente pequeno e educado dos seus cidadãos. Lá, como em muitas outras partes do mundo, pró-negócios e meios de comunicação pró-ocidental é habilmente defender os interesses do Ocidente, demonizar tudo o que é que estava no caminho do Império.
China está sendo alvo com uma força ainda maior e mais malicioso do que a Rússia. Bem sucedido e a China comunista é o pior pesadelo para o Ocidente e para os locais, "elites" asiáticos.
O aparelho de propaganda inteira está agora em ultrapassagem, espalhando ataques ideológicos e mensagens negativas. O principal país mais pacífico na Terra está sendo retratado como um agressor e ameaça à paz regional e mundial. Nas Filipinas e em outros lugares, o regime ocidental global está despertando as formas mais baratas e extremamente perigosas belicosas do nacionalismo.
A diáspora chinesa local do Sudeste Asiático, que consiste principalmente dos elementos anti-comunistas, descendentes das pessoas que deixaram a China após a revolução, estão desempenhando um papel extremamente importante e destrutiva.
Ninguém parece notar que os Estados Unidos / NATO está a cercar a Rússia ea China, com suas bases militares, durante a implantação de novos sistemas de mísseis ofensivos. Ninguém fala sobre aquelas dezenas de milhões de pessoas que foram massacrados durante as invasões ocidentais da Ásia durante o século 20.

E a situação não é muito diferente na África e em outros lugares.

É verdade, tanto a Rússia ea China têm investido alguns recursos substanciais para combater a propaganda ocidental. A RT, Sputnik e NEO (New Oriental Outlook), todos se tornaram extremamente eficazes centros de informação global e desintoxicação intelectual.
Mas o Ocidente ainda está investindo mais. A guerra ideológica é ainda algo que está recentemente a ser discutida abertamente em Washington. Quanto mais a Rússia e China resistem e quanto mais se defender; a propaganda mais ocidental intensifica suas campanhas de doutrinação.
Claramente, a Rússia e a China tem que fazer mais, não só para os seus próprios interesses, mas também para o bem do mundo.
As grandes realizações da China e da Rússia têm de ser explicados em detalhe. Tal informação deve ser transmitida para todos os cantos do planeta.
Neste campo, a China deve aprender com a Rússia, como os meios de comunicação chineses agora disponível no exterior ainda são muito "tímida" e também de reconciliação. Ela exige verdadeira força e determinação para combater os esquemas de propaganda e lavagem cerebral ocidentais poderosos e seculares. Ele também requer grandes orçamentos financeiros.
Mas a "resistência" intelectual e as guerras ideológicas não deve ser combatido apenas nos campos da política, notícias e análises. As grandes conquistas culturais e intelectuais da China e da Rússia deveriam ser colocados à disposição das populações em todos os continentes. A China tem feito isso muito, principalmente por meio de seus Institutos Confúcio. Deve-se fazer mais, e assim deve Rússia.
Ambos os países estão na posse da riqueza cultural maravilhoso, repleto de sabedoria e das artes. Seu humanismo é muito mais profundo do que a do oeste - o Ocidente que tem sido principalmente a construção de sua riqueza, por séculos, saqueando o planeta.
Por enquanto pode-se lembre-se, tanto na Europa e América do Norte tinha sido cometer genocídios, enquanto escravizando continentes inteiros. Ao mesmo tempo, eles foram se envolver em auto-glorificação, promovendo os seus conceitos políticos, económicos e culturais. Alegaram superioridade cultural. E eles têm feito isso com tal força, tal crueldade e no final com tal sucesso, que eles conseguiram para doutrinar totalmente maior parte do mundo a aceitar que não há realmente nenhuma alternativa, nenhuma outra maneira (exceto o modo ocidental) para a frente .

Há naturalmente outras maneiras, e escusado será dizer, muito melhores!

Na verdade, antes colonialismo europeu começou a arruinar e escravizar o planeta, quase todas as partes do mundo estavam vivendo em muito mais desenvolvidas e mais suaves do que as sociedades do Ocidente.
Agora, muito pouco se sabe sobre este fato. Alternativas não são discutidos no mainstream, mais. A busca por um mundo melhor, para conceitos mais humanistas, é quase totalmente abandonada; pelo menos no Ocidente e em suas colônias e "Estados clientes '.
É como se este pesadelo horrível, em que o mundo tinha sido forçado a entrar pela ditadura ocidental global, é o único futuro imaginável para nossa raça humana.
Não é. E há dois grandes países do planeta, Rússia e China, que pode oferecer muitas alternativas. Eles são fortes o suficiente para suportar toda a pressão do Ocidente. Eles têm corações, cérebros; eles têm o know-how e recursos para oferecer alternativas e para re-iniciar milenar, discussões essenciais sobre o futuro da nossa humanidade.
Mas para que isso aconteça, o mundo tem que primeiro saber sobre a Rússia e China. Tem de entender suas culturas.
A guerra contra o imperialismo deve ser combatido não apenas nos campos de batalha; ele deve ser travada nas ondas do rádio, nas prensas de impressão, nas salas de concerto e teatros. Bondade, humanismo, internacionalismo e do conhecimento muitas vezes pode servir como armas muito mais poderosas do que mísseis, bombardeiros estratégicos e submarinos.

Andre Vltchek é um filósofo, escritor, cineasta e jornalista investigativo. Ele cobriu guerras e conflitos em dezenas de países. Seus livros mais recentes são: "Expor mentiras do império" e "Luta Contra ocidental imperialismo". Discussão com Noam Chomsky: o terrorismo ocidental. Point of No Return é seu romance aclamado pela crítica política. Oceania - um livro sobre o imperialismo ocidental, no Pacífico Sul. Seu livro provocador sobre a Indonésia: "Indonésia - O Arquipélago do Medo". Andre está fazendo filmes para a Telesur e Press TV. Depois de viver por muitos anos na América Latina e Oceania, Vltchek atualmente reside e trabalha no leste da Ásia e no Oriente Médio. Ele pode ser alcançado através de seu site ou seu Twitter.

A fonte original deste artigo é
 NEO

Um comentário:

  1. Concordo com esse belíssimo texto sobre A China e a Russia. Realmente a guerra ideológica promovida pelo Ocidente contra esses dois países é ferrenha. Porém, creio eu que muitos de nós aqui no Ocidente, estamos tendo uma atitude contrária a essa guerra ideológica. Basta lembrar quem é que causou e ainda causa estragos físicos e psicológicos no Japão com as bombas que caíram sobre as cabeças de crianças, adultos e idosos daquele povo. Sabemos também sobre o Iraque e o governo de Muammar Kadafi, destruído pelo Ocidente. Uma propaganda ferrenha contra eles foi exibido por muito tempo pela mídia Ocidental. Um testemunho, cujo nome não lembro, descreveu Muammar Kadafi como sendo um governo preocupado com a sua nação. Seu projeto político é que irritou o Ocidente e que por isso tornou-se inimigo declarado dos que governam os EUA. Segundo esse homem, o governo, quando foi derrubado, o maior respeito pelas mulheres desabou. Testemunhos também nos deram duas pessoas que vivem do Iraque e que estiveram no Brasil, se não me engano em 2004. O Iraque, antes de o governo ser decapitado, era ordeiro, não havia necessidade de construir altos muros ao redor das casas, não havia perigo de ser roubados na rua, a chave do carro podia ficar na ignição sem problemas de roubo. Obviamente que havia rixas entre o governo e seus adversários, e onde não tem? Quero reforçar meus agradecimentos por esse texto redigido, ele é esclarecedor.

    ResponderExcluir