15 de abril de 2017

Coréia do Norte critica os EUA. Vídeo ao vivo

Coreia do Norte critica a  "histeria militar e agressão" na Síria, promete implacavelmente reagir as provocações

Publicado em: 15 Abr, 2017 01:43
Tempo editado: 15 Abr, 2017 01:51





N. Korea blasts US ‘military hysteria & aggression’ in Syria, vows to mercilessly foil provocations
Pyongyang chamou o ataque de mísseis de cruzeiro dos EUA contra a Síria de um crime de guerra, pedindo a Washington que pare sua "histeria militar" e chegue a seus "sentidos" - ou enfrente uma resposta impiedosa em caso de qualquer provocação contra a Coréia do Norte.
"Os EUA devem ser punidos de acordo com a lei internacional, já que seu ataque militar contra a Síria foi um ato de agressão e crime de guerra não disfarçado", disse um porta-voz do Comitê de Juristas Coreano em um comunicado citado pela KCNA."Os EUA usaram a agressão ena guerra como uma alavanca para levar adiante sua política, desrespeitando o direito internacional. A declaração de advogados norte-coreanos acrescentou que, na sexta-feira, um porta-voz do Estado-Maior do Exército Popular da Coreia (KPA) emitiu um comunicado alegando que os ataques de mísseis contra os países incorreram em seu desamparo em violação indiscriminada de sua soberania. Depois da greve unilateral contra a Síria, a "séria histeria militar" de Donald Trump chegou a uma fase perigosa, onde a RPDC será forçada a responder contra os EUA e seus aliados de maneira "impiedosa para não permitir que os agressores sobrevivam"."A comunidade internacional nunca deve tolerar o ataque dos EUA contra a Síria, mas impõe uma punição apropriada ao assediador da paz", acrescentou.De acordo com a equipe jurídica, a ação de 7 de abril, que viu os EUA lançarem 59 mísseis de cruzeiro Tomahawk contra a Base Aérea Shayrat da Síria, "constitui um ato de agressão e um crime de guerra especificados pelo Tribunal Militar de Nuremberg".A condenação ao ataque na Síria, juntamente com um apelo à sensibilidade por parte de Pyongyang, ocorre em meio a receios fundados de que Washington possa atacar a Coréia do Norte em seguida.
Na quinta-feira, Donald Trump, que se empenhou vigorosamente com a China na questão nuclear norte-coreana, disse que Pyongyang é um problema que "será tratado".
Apesar de se recusar a especificar como e quando, Trump ordenou um acúmulo militar significativo na Península Coreana, enviando uma "armada" de navios e prometendo agir unilateralmente se a China não estiver disposta a ajudar.




‘Ruthlessly ravage’: N. Korea to strike US bases, S. Korea presidential palace if attacked - KCNA 
https://

Também na sexta-feira, o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, alertou que as tensões entre os EUA e a Coréia do Norte aumentaram a tal ponto que "um conflito militar pode começar a qualquer momento".
Para evitar uma guerra total, o Estado-Maior Geral da Coréia do Norte pediu aos EUA que "recuperem os seus sentidos e façam uma opção adequada para a solução do problema".




View image on TwitterView image on Twitter

‘Riskier than striking Syria’: Beijing warns US against attacking North Korea 
https://

A advertência do Estado-Maior ocorreu quando o vice-ministro norte-coreano das Relações Exteriores, Han Song Ryol, disse à AP que a RPDC não hesitará em ir à guerra se for provocada. Declarando que os Estados Unidos estavam "tornando-se mais viciosos e agressivos" sob o Presidente Trump, Han jurou: "iremos para a guerra se quiserem".
"Se os EUA vierem com manobras militares imprudentes, então nós o confrontaremos com o ataque preventivo da RPDC", disse Han.
A inquietação sobre a Coréia do Norte está crescendo, com temores de que Pyongyang possa conduzir em breve um sexto teste nuclear, possivelmente para coincidir com as comemorações do 105º aniversário do nascimento de Kim Il-sung, pai fundador da Coréia do Norte e avô do atual governante Kim Jong-un.

Nenhum comentário:

Postar um comentário