1 de abril de 2017

Regime da mordaça na Venezuela

Legislatura da mordaça  na Venezuela, aproximando-se de um regime  de um só homem
Amelia Belisario, deputada da Assembléia Nacional, discutiu com os membros da Guarda Nacional durante um protesto em frente ao Supremo Tribunal em Caracas, Venezuela, na quinta-feira.


IQUITOS (Reuters) - A Venezuela deu seu passo mais forte na direção de um governo unilateral sob o presidente esquerdista Nicolás Maduro, quando seus apoiadores da Suprema Corte tomaram o poder da Assembléia Nacional em uma decisão na noite de quarta-feira.
A decisão efetivamente dissolveu a legislatura eleita, que era liderada pelos oponentes de Maduro, e permite que o tribunal para escrever as leis, disseram os especialistas.
A medida limita o ano em que os últimos vestígios da democracia venezuelana foram derrubados, dizem críticos e líderes regionais, deixando o que muitos descrevem agora como não apenas um regime autoritário de esquerda, mas uma ditadura absoluta.
"O que temos advertido finalmente chegou a acontecer", disse Luis Almagro, chefe da Organização dos Estados Americanos, um grupo de diplomacia regional que inclui a Venezuela e está investigando o país por violar a Carta Democrática do bloco.
Almagro chamou a medida de "golpe auto-infligido", um termo usado na América Latina para denotar aquisições típicas dos anos 90 na Guatemala e no Peru - mas praticamente inédito na região hoje.
Nos últimos meses, houve uma rápida consolidação do poder por parte de Maduro, uma vez que dezenas de presos políticos foram detidos sem julgamento, os manifestantes violentamente reprimidos e as eleições locais adiadas. Ao assumir o poder da Assembléia Nacional, a decisão removeu o que a maioria considera ser o único contrapeso restante ao poder crescente do presidente no país.
A corte disse que os legisladores estavam "em uma situação de desprezo", e que, enquanto isso durasse, os próprios juízes iriam intervir para "assegurar que os poderes parlamentares fossem exercidos diretamente por esta câmara ou pelo órgão que a câmara escolher". Não disse se poderia entregar o poder de volta.
Os membros da Assembleia Nacional denunciaram a decisão na quinta-feira.
"Eles seqüestraram a Constituição, raptaram nossos direitos, raptaram nossa liberdade", disse Julio Borges, o deputado da oposição que lidera o órgão, contendo uma cópia amassada da decisão diante de jornalistas na quinta-feira.
Oneida Guaipe, um legislador da oposição da costa central do país, disse que o corpo continuaria a fazer seu trabalho, mesmo que suas leis fossem ignoradas agora quando produziu a legislação. "Isso é demonstrar diante do mundo o autoritarismo aqui", disse ela. "O povo nos escolheu através de um voto popular".
A decisão foi também um desafio para os vizinhos da Venezuela, que se reuniram nesta semana em Washington para pressionar o país a realizar eleições e discutir uma possível expulsão da Venezuela da O.A.S. Com base no argumento de que o país não é democrático.
Na semana passada, Estados Unidos, Canadá e uma dúzia das maiores nações da América Latina pediram que Maduro reconhecesse os poderes da Assembléia Nacional, uma rara declaração conjunta que refletia profunda impaciência com seu governo.
"Consideramos que é um sério revés para a democracia na Venezuela", disse o Departamento de Estado dos Estados Unidos nesta quinta-feira. O Peru retirou seu embaixador em protesto.
David Smilde, analista do Escritório de Washington para a América Latina, um grupo de defesa dos direitos humanos, disse que agora cabe aos vizinhos da Venezuela incentivar o país a realizar eleições novamente, dada a resistência do governo. "O governo de Maduro parece não ter nenhuma intenção de respeitar os elementos básicos da democracia eleitoral", disse ele.
Os críticos dizem que uma longa ladainha de outros movimentos do governo estão tendo um impacto sobre a democracia venezuelana. Talvez mais visível para os venezuelanos foi um esforço no ano passado para realizar um referendo de revogação contra o presidente, cuja popularidade está afundando junto com o colapso da economia do país.
Embora tal referendo fosse permitido pela Constituição do país, e altamente favorecido nas pesquisas, o Sr. Maduro alternativamente chamou o esforço ilegal ou um golpe encenado por seus oponentes. Em outubro, um tribunal inferior suspendeu o processo alegando que houve irregularidades na recolha de assinaturas.
Enquanto isso, prisioneiros políticos continuaram sendo presos. Em janeiro, Maduro estabeleceu um novo "comando anti-golpe" para reunir dissidentes políticos acusados ​​de traição. O grupo apontou membros da oposição, prendendo muitos, incluindo um vereador da Venezuela central e um vice-legislador na Assembléia Nacional.
Mas para muitos, o ataque gradual contra a Assembléia Nacional, mais de um ano em construção, foi o sinal mais revelador de erosão democrática na Venezuela. Em fevereiro, após a CNN en Español, o canal de língua espanhola da rede, divulgou uma investigação que ligava Vice-presidente da Venezuela a um esquema de fraude de passaporte no Oriente Médio, Maduro ordenou o canal fora do ar. O governo bloqueou o chefe do departamento de Caracas do The New York Times de entrar no país desde outubro.
"Ele veio em fragmentos", disse Carlos Ayala Corao, advogado venezuelano e analista jurídico, sobre as ações do tribunal contra a legislatura. "Eles estão cortando em pedaços."
Os conflitos começaram em dezembro de 2015, quando as queixas crescentes sobre a economia vacilante do país impulsionaram a oposição de Maduro para ganhar o controle da legislatura. Foi a primeira vez em anos que a câmara não foi dominada pelo movimento fundado pelo ex-presidente esquerdista Hugo Chávez.
O Sr. Maduro disse inicialmente que aceitou a votação. Ele mesmo apareceu diante dos legisladores da oposição para dar seu endereço anual sobre o estado do governo em janeiro do ano passado. Mas a Suprema Corte, repleta de leais ao senhor Maduro pouco antes da Assembléia Nacional ter assumido o poder, estava destruindo os poderes da câmara.
Recusou-se a deixar assentar quatro legisladores alegando que houve irregularidades na votação. Isso negava a oposição de uma supermajoridade, o que teria lhe dado poderes ampliados sobre o Sr. Maduro. A Assembléia Nacional foi para a frente e para trás sobre a decisão, mas acabou cumprida.
Quando a Assembléia Nacional começou a trabalhar, continuou a entrar em choque com o tribunal. Na primavera passada, o Legislativo havia escrito leis promulgando promessas de campanha como uma medida para revigorar a economia e outra para libertar mais de 100 prisioneiros políticos, apenas para ver o tribunal revogá-los como inconstitucional.
Quando Maduro tentou aumentar seus próprios poderes sob um estado de emergência que declarou, o legislador rejeitou o esforço. Mas a corte tomou partido com o presidente. Em outubro, o tribunal destituiu a Assembléia Nacional de seu poder de rever o orçamento anual, deixando o Sr. Maduro encarregado das cordas do bolso do país.
Mais recentemente, os legisladores tentaram bloquear o presidente de perseguir empreendimentos petrolíferos sem sua aprovação. Na decisão de quarta-feira que despojou a Assembléia Nacional de seus poderes legislativos, o tribunal disse que o presidente tinha o direito de fazer esses negócios de petróleo.
Ele disse que sua decisão foi justificada pela escolha da Assembléia de manter os legisladores a bordo cujas eleições foram questionadas anteriormente. Este ato, disse, tornou a própria Assembléia inválida.
Com poucos manifestantes nas ruas de Caracas na quinta-feira, não ficou claro qual apoio popular a oposição poderia obter do público.
Analistas dizem que muitos venezuelanos se sentem tão desanimados pela oposição quanto pelos líderes esquerdistas, dada a contínua derrota da oposição pelo governo. Os líderes da oposição pediram protestos no sábado e na próxima semana, mas não conseguiram atrair grandes multidões desde o último outono.
John Magdaleno, um consultor político, disse esperar uma repressão mais ampla contra a oposição de Maduro nas próximas semanas e possivelmente mais detenções.
"Na minha opinião, de agora em diante, haverá pressões crescentes contra os legisladores", disse ele, "e é provável que haverá perseguição muito maior aos líderes políticos".
https://www.nytimes.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário