6 de abril de 2017

Trump tem mais um velho desafio a lidar: A Síria

EUA, Rússia debatem limite de ataque dos EUA contra Assad


A administração Trump soa como se estivesse à beira da ação militar contra o regime de Assad. Moscou quer conhecer os alvos antes de concordar em se afastar.

6 de abril de 2017, 11:07 (IDT)

Many of the gas victims were childrenA administração Trump está claramente à beira da ação militar contra o regime de Assad, a julgar pela retórica de seus mais altos funcionários na quarta-feira, 5 de abril. O presidente Donald Trump disse que o terrível ataque químico "cruzou muitas, muitas linhas" para ele. "Agora é minha responsabilidade responder à crise. Minha atitude em relação à Síria e Assad mudou muito. "
O vice-presidente Mike Pence disse mais tarde que "todas as opções estão na mesa", enquanto a embaixadora norte-americana Nikki Haley advertiu a reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU de que os países poderiam ser "obrigados a agir individualmente se o corpo mundial não tomar ação coletiva depois de um veneno mortal" O embaixador falou na expectativa de um veto russo contra o projeto de resolução EUA-Reino Unido-francês condenando a Síria para o uso de armas químicas.
Israel se alinhou atrás de Washington sobre esta questão, quando o ministro da Defesa, Avigdor Lieberman, falou na prova de que a ordem para lançar as bombas de sarin contra a cidade de Khan Sheikhun veio diretamente do líder sírio Bashar Assad. O presidente russo Vladimir Putin, por sua vez, está atirando armas grandes para derrotar uma condenação da ONU ao governante sírio, alegando que a bomba atingiu uma loja rebelde de armas tóxicas e tentou impedir um ataque militar americano para puni-lo.
O próprio presidente Trump ainda estava lutando na manhã de quinta-feira com três decisões importantes.
1. Determinar a escala de uma operação militar na complicada arena síria. Deve ele apontar para um regime ou um alvo militar, ou estender também o ataque à presença de Iranianos e de Hezbollah? O pensamento por trás desta última opção é que se debilitar Assad é o objetivo, por que não ir todo o caminho e bater as forças estrangeiras apoiá-lo também?
2. Um confronto com as forças russas deve ser evitado. No entanto, a Rússia poderia concordar em ficar fora de ação na defesa do regime de Assad, mas certamente exigiria em troca de ser informado com antecedência dos limites precisos de tal operação militar.
As fontes militares e de inteligência de DEBKAfile relataram quinta-feira que Washington e Moscou foram travados em negociações intensas por horas a respeito do ataque possível. O resultado ainda é aguardado.
3. A chegada do presidente chinês Xi Jinping quinta-feira para dois dias de conversações com Trump em sua residência na Flórida é um fator extremamente complicador. Uma decisão do presidente dos EUA de ir para a ação militar contra a Síria precisaria ser poderosa o suficiente para impressionar seu visitante da determinação norte-americana não só para cortar Assad mas também o norte-coreano Kim Jong-un, a não ser que a China intervenha para reduzir suas aspirações nucleares do vizinho belicoso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário