13 de junho de 2017

Aumento de casos de mutilação feminina na Suécia

Novo estudo: pelo menos 150 mil mulheres genitativamente mutiladas na Suécia



Aumento de mais de 100 mil desde o início da crise dos migrantes


Paul Joseph Watson


13 de junho de 2017


null
Pelo menos 150.000 mulheres na Suécia são vítimas de mutilação genital feminina de acordo com um novo estudo, um aumento de mais de 100.000 em números anteriores.
O estudo, que inclui todos os países da Europa, ainda não foi publicado, mas a emissora sueca SVT obteve os números para a Suécia e descobriu que havia pelo menos 150 mil vítimas de MGF residentes no país e provavelmente significativamente mais, dado que há um silêncio em torno do questão.
A Suécia é o lar de muitos migrantes de países como Etiópia e Somali, onde a mutilação genital feminina é comum.
Um estudo anterior da Junta Nacional de Saúde realizado em 2015 encontrou apenas 38 mil vítimas de MGF, sugerindo que houve um enorme aumento desde a aceleração da crise dos migrantes.
O aumento das vítimas da FGM que vivem na Suécia está indubitavelmente ligado ao grande número de migrantes muçulmanos que o país aceitou nos últimos anos. Mais de 160 mil "requerentes de asilo" chegaram a Suécia em 2015, a maioria deles de países muçulmanos.
A mutilação genital feminina, praticada predominantemente em países islâmicos, envolve a remoção ritual de genitais femininos externos e é amplamente reconhecida como uma forma de opressão contra as mulheres. A prática não tem benefícios de saúde conhecidos e destina-se principalmente a eliminar a capacidade das mulheres de sentir prazer sexual. O procedimento pode levar a que as mulheres se tornem inférteis, bem como dor crônica, sangramento e morte.
Embora a MGF seja ilegal na Suécia, os migrantes já terão feito isso quando chegaram ao país ou irão de volta ao seu país de origem para se submeterem ao procedimento brutal. Os problemas de saúde associados colocam um fardo crescente nos serviços de saúde nos países europeus.
Apesar de a prática ser uma indignação óbvia contra os direitos das mulheres, a esquerda tentou normalizar a MGF nos últimos anos. A "feminista" muçulmana proeminente Linda Sarsour foi venerada apesar de ter zombado de Ayaan Hirsi Ali, uma ex-reformista muçulmana e vítima da MGF, dizendo a ela que deveria remover a vagina.
Principais lojas como o New York Times também começaram a se referir à FGM como "corte genital" em um esforço para suavizar sua natureza bárbara, citando a desculpa de que o termo "mutilação genital feminina" é "culturalmente carregado".

*********************

Paul Joseph Watson é editor de  Infowars.com and Prison Planet.com.

Nenhum comentário:

Postar um comentário