8 de maio de 2018

EUA convidam outros países a se retirarem de Acordo Nuclear com Irã


Trump convida Líderes Estrangeiros a Esperada retirada do Acordo com o Irã
Por Alex Wayne e Bill Faries
 Atualizado em 8 de maio de 2018
  Macron, Merkel e Johnson pediram a Trump que mantivesse os EUA no negócio
  Líder do Irã adverte contra erro de "proporções históricas"
O presidente Donald Trump começou a convocar importantes líderes estrangeiros e agendou uma reunião com membros do Congresso na terça-feira, antes de um anúncio planejado sobre se ele deixará o acordo nuclear com o Irã, como há muito tempo ameaçou fazer.
Aliados e analistas importantes dos EUA dizem que o presidente provavelmente sairá, colocando em dúvida o futuro de um acordo amplamente visto como um obstáculo no programa nuclear iraniano. Trump disse que o acordo não faz o suficiente para enfrentar ameaças do programa de mísseis balísticos da República Islâmica e seu envolvimento em conflitos regionais.
O presidente disse que vai anunciar sua decisão às duas da tarde. em Washington, antes do prazo de 12 de maio estabelecido pela lei dos EUA. Ele twittou que ele estava programado para falar com o presidente chinês, Xi Jinping, nesta manhã, e a Reuters informou que ele também conversaria com o presidente francês Emmanuel Macron, informou a Reuters.
Trump ainda pode surpreender seus aliados ao concordar em permanecer no acordo por mais um tempo, enquanto diplomatas americanos e europeus tentam negociar acordos paralelos que visem tratar de suas preocupações. Ambos os lados nessas negociações sinalizaram que estão perto de um avanço, embora possa ser tarde demais para salvar o acordo mais amplo.
Os preços do petróleo subiram nas últimas semanas com a incerteza sobre o futuro do acordo. A retomada das sanções norte-americanas ameaçaria a capacidade do Irã de atrair investimentos estrangeiros, mantendo a produção do país estável ou mais baixa até 2025, segundo uma nota de pesquisa publicada segunda-feira pelo Barclays.
Trump reiterou sua frustração com o acordo de segunda-feira, chamando-o de "acordo do Irã muito mal negociado" em um post no Twitter, e destacando o ex-secretário de Estado John Kerry por ter sido "aquele que criou este MESS em primeiro lugar!"
Kerry se reuniu com o ministro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, há duas semanas na Organização das Nações Unidas (ONU) para discutir formas de salvar o acordo de 2015, confirmou um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores. O movimento atraiu a ira de Trump.
"John Kerry não consegue superar o fato de que ele teve sua chance e explodiu!", Disse Trump novamente na terça-feira. "Fique longe das negociações John, você está machucando seu país!"
Ali Shamkhani, secretário-geral do Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irã, disse que "se os EUA iniciarem um confronto com o Irã, não permaneceremos passivos".
Se o acordo nuclear "for destruído devido ao ataque dos EUA, com certeza não será em seu benefício". Ele acrescentou que "a maior perda será para os europeus".
A francesa Macron e a chanceler alemã, Angela Merkel, sinalizaram depois de se encontrar com Trump no mês passado que ele parece disposto a abandonar o acordo, que restringe o programa nuclear de Teerã em troca de sanções financeiras ocidentais relaxantes. Um diplomata europeu disse na segunda-feira que a chance de Trump permanecer no acordo é muito pequena e acrescentou que havia pouca clareza sobre o Plano B.
Sob a legislação aprovada pelo Congresso, Trump tem até sábado para decidir se vai continuar a suspender as sanções aos bancos de países estrangeiros que não reduziram as importações de petróleo iraniano, de acordo com uma análise do Serviço de Pesquisa do Congresso. Segundo essa lei, essas sanções devem ser dispensadas a cada 120 dias.
"Não vai sobreviver"
Trump concordou pela última vez em renunciar às sanções em janeiro, mas sua frustração com o acordo só cresceu desde então. Se ele agora decidir contra a renúncia às restrições, uma avaliação sobre se os países estrangeiros estão violando as sanções deve ocorrer no dia 8 de novembro, de acordo com o estudo da CRS.
Mas "independentemente de sua decisão, o atual acordo com o Irã não sobreviverá sob o governo do presidente Trump", escreveu o Barclays em seu relatório.
Trump há muito criticou o acordo nuclear, que foi criado pelo presidente Barack Obama. Além de dizer que o acordo não abordou o programa de mísseis do Irã ou se intrometeu em outras nações, ele também reclamou que liberou dinheiro iraniano para fins militares e disse que "cláusulas de clausura" no acordo permitirão que o país retome algum enriquecimento de urânio 2025, preparando o terreno para um programa de armas nucleares.
Após as visitas de Merkel e Macron, o ministro das Relações Exteriores do Reino Unido Boris Johnson esteve em Washington nesta semana para fazer um último argumento para persuadir Trump a permanecer no acordo, argumentando que ele é falho, mas que pode ser melhorado por acordos adicionais adicionais. em discussão há meses.
"Precisamos encontrar uma maneira de consertar isso, e o presidente tem razão em chamar a atenção para isso, mas você não pode simplesmente fazer isso sem jogar o bebê para fora com a água do banho", disse Johnson em uma aparição na Fox News. .
Johnson reuniu-se esta semana com o vice-presidente Mike Pence, o conselheiro de segurança nacional John Bolton, o secretário de Estado Mike Pompeo e outros funcionários do governo e do Congresso.

"Fixo ou Nixed"
O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse no domingo que o acordo de 2015 é fatalmente errado e deve ser "totalmente consertado ou suspenso" para acabar com a agressão iraniana mais cedo ou mais tarde. Seus comentários foram feitos quando o presidente iraniano, Hassan Rouhani, alertou que os EUA enfrentariam o arrependimento "histórico" se o país saísse do país.
Enquanto os analistas estão apostando que Trump vai desistir do acordo, o presidente disse na semana passada que sua oposição "não significa que eu não negocie um novo acordo".
Os membros da festa do próprio Trump são divididos. O deputado Mac Thornberry, presidente do Comitê de Serviços Armados da Câmara, disse no domingo que "aconselharia" Trump a deixar o acordo. O deputado Ed Royce, que dirige o Comitê de Relações Exteriores da Câmara, concordou, dizendo em um comunicado na terça-feira, "temo que uma retirada realmente afaste esses esforços" para deter as atividades nucleares do Irã.
Mas o líder da maioria na Câmara, Kevin McCarthy, disse estar "muito confortável" com o fato de o presidente estar de pé em relação ao Irã.
Onde o desprezo de Trump pelo acordo nuclear com o Irã poderia levar: QuickTake
Falando a repórteres no domingo, Netanyahu disse que o acordo não aborda o potencial de armamento do conhecimento nuclear do Irã, impondo apenas limites temporários ao enriquecimento de urânio.
"Eu digo que um acordo que permita ao Irã manter e esconder todo o seu know-how de armas nucleares é um negócio terrível", disse Netanyahu. Ele fez uma apresentação televisionada na semana passada sobre arquivos secretos iranianos obtidos pelos serviços de inteligência de seu país que, segundo ele, provam que Teerã tentou construir uma arma nuclear no passado, apesar das negativas do governo.
O acordo deve ser "totalmente consertado ou totalmente nulo" porque, caso contrário, "você terminará com o Irã com um arsenal nuclear em um tempo muito curto", disse ele.
"Não negociável"
O Irã descartou novas negociações, chamando o atual acordo de "não-negociável".
Rouhani, dirigindo-se a multidões em um comício na cidade de Sabzevar, no nordeste do país, disse que os EUA "sempre procuraram semear intrigas contra o Irã" e cometeriam um erro ao sair do acordo.
"Se quiser deixar o acordo nuclear, verá rapidamente que essa decisão será um pesar de proporções históricas", disse Rouhani.
O diplomata europeu, que pediu para não ser identificado, disse que não está claro o que acontecerá caso Trump volte a impor sanções ao Irã. O presidente e seus principais assessores de segurança nacional não explicaram como sua administração procederá se ele desistir do acordo, de acordo com o funcionário.
"Tenho certeza de uma coisa: toda alternativa disponível é pior", disse o ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, Johnson, em uma coluna publicada pelo New York Times no domingo. "O caminho mais sábio seria melhorar as algemas em vez de quebrá-las."
Lado de Ofertas
Autoridades do Reino Unido acreditam que "podemos encontrar alguma linguagem, produzir alguma ação que atenda às" preocupações de Trump sobre o acordo, disse Kim Darroch, o embaixador britânico nos EUA, no programa "Face the Nation" da CBS no domingo.
"Ainda não chegamos lá", disse Darroch.
Ao deixar o acordo, os EUA perderiam a visibilidade sobre o que o Irã está fazendo, disse o deputado Thornberry.
"Eu pensei que era um mau negócio", disse ele. "Mas a questão principal é: 'OK, agora estamos onde estamos, o que acontece depois se os EUA saírem?'"
- Com a ajuda de Justin Sink, Terrence Dopp, Mark Niquette, Tolusa Olorunnipa e Sheela Tobben

Nenhum comentário:

Postar um comentário