8 de maio de 2018

EUA ameaçam a China por conta de mísseis suspeitos no MSC


Casa Branca ameaça Pequim com "conseqüências" caso mísseis permaneçam no mar da China Meridional

No que soa como uma repetição da crise dos mísseis cubanos (embora não seja tão terrível), os EUA ameaçaram Pequim com "conseqüências" não especificadas se a China não remover mísseis de ilhas no Mar do Sul da China que também são reivindicado pelo Vietnã e as Filipinas.
ChinaDe acordo com o South China Morning Post, os EUA estão tentando verificar um relatório da CNBC na semana passada que a China havia instalado defesas anti-navio e ar-ar em algumas dessas ilhas disputadas nos últimos 30 dias. Os mísseis estão supostamente estacionados em Fiery Cross Reef, Subi Reef e Mischief Reef.
A China, por sua vez, não confirmou nem negou a existência dos mísseis.
Em uma reunião regular na quinta-feira, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, não confirmou nem negou a implantação.
"A construção pacífica da China no arquipélago de Spratly, incluindo a implantação de instalações de defesa nacionais necessárias, visa proteger a soberania e a segurança da China", disse ela. "Aqueles que não pretendem violar [essa soberania] não têm motivos para se preocupar."
Após os esforços de recuperação de terras que transformaram recifes em ilhas de pleno direito, os militares da China construíram bases aéreas, sistemas de radar e comunicação, bem como instalações navais, em algumas dessas ilhas.
China
Como o SCMP ressalta, as tensões no Mar do Sul da China estão fermentando há anos, o que pode ser uma das razões pelas quais os mercados ignoraram os relatórios sobre os mísseis na semana passada, e geralmente viam o agravamento das tensões entre EUA e China como países não-membros. questão.
Em 2015, o Tribunal Penal Internacional decidiu em favor das Filipinas, declarando que o país poderia oficialmente exercer soberania sobre algumas das ilhas disputadas. Mas a China ignorou a decisão e ameaçou o confronto militar caso as Filipinas tentassem impor a sentença.
O almirante Philip Davidson, escolhido pelo presidente Trump para liderar o Comando do Pacífico dos EUA, alertou repetidamente que a China está tentando empurrar os EUA para fora do Pacífico, para que possa afirmar a dominação unilateral sobre o território.
Em depoimento por escrito ao Comitê de Serviços Armados do Senado dos EUA divulgado na última terça-feira, o almirante Davidson disse que a China está buscando "uma estratégia de longo prazo para reduzir o acesso e influência dos EUA na região". na área. Ele vê a China como "não mais uma potência em ascensão", mas sim como "grande potência e concorrente dos Estados Unidos na região". O almirante Davidson concordou com a recente avaliação do presidente Trump sobre a China, chamando o país de "rival".
Apesar da "amizade" pública do presidente Trump com o presidente chinês, Xi Jinping, a relação entre os dois países nunca se recuperou da primeira faux pas diplomática de Trump - aceitando um telefonema do presidente taiwanês Tsai Ing-wen. A China recentemente aterrorizou Taiwan ao realizar os maiores exercícios de fogo ao vivo de todos os tempos. Tsai defendeu uma relação mais conflituosa com a China, embora tenha dito especificamente que ela não se opõe à política de "uma só China".
Washington não toma posição sobre as reivindicações de soberania, mas acusou Pequim de "militarizar" o Mar do Sul da China. Da mesma forma, a China advertiu os EUA contra a continuidade de suas operações de "liberdade de navegação" - missões deliberadamente provocativas em que os destróieres dos EUA navegam dentro do perímetro defensivo das propriedades do Mar da China Meridional.
Enquanto isso, os EUA insistem que a própria China se beneficia dos "freeops" dos EUA, que uma porta-voz do Pentágono afirma ter ajudado a tornar a região mais segura.
"A China tem que perceber que se beneficiou da livre navegação do mar, e a Marinha dos EUA tem garantido isso", disse Dana White, porta-voz do Pentágono.
"Continuaremos a fazer nossas operações."
O Ministério da Defesa da China respondeu dizendo que as ilhas são "parte do território chinês" e que somente a China decidirá o que acontece lá.
Em outras palavras: os EUA precisam cuidar de seus próprios negócios.

Nenhum comentário:

Postar um comentário