7 de maio de 2018

Madura ameaça com revolução armada se oposição ganhar eleição

Maduro da Venezuela ameaça 'revolução armada' antes das eleições de 20 de maio

O presidente Socialista venezuelano, Nicolás Maduro, está avisando que há de se pegar em armas e liderará uma revolução se um governo de oposição chegar ao poder que quer entregar as "riquezas" do país a forças "imperialistas".

Em um discurso de campanha na quarta-feira, Maduro - que espera ganhar um novo mandato de seis anos em uma eleição altamente questionada em 20 de maio - acusou seu rival mais próximo, Henri Falcón, de querer vender o país para "os gringos".

"Se um dia um governo estivesse no poder que pretendesse entregar [nossas] riquezas, eu seria o primeiro a dar o alarme, pegar uma arma e iniciar uma revolução armada com o povo, se necessário", disse ele a uma multidão de pessoas. apoiadores em Vargas. "Eu seria o primeiro a fazer isso e chamar as pessoas às armas."

Seu opositor, Falcón, um ex-partidário do governo que virou dissidente, está lutando para atrair eleitores que temem que ir às urnas legitime um processo eleitoral profundamente falho. E a maioria dos principais grupos de oposição está pedindo um boicote direto à eleição.

Falcón falou sobre dolarizar a economia e aumentar o investimento estrangeiro para superar uma profunda crise econômica que caracteriza a hiperinflação e escassez esporádica de alimentos e remédios. Esses problemas também geraram um êxodo, já que mais de 1 milhão de pessoas fugiram do país nos últimos anos.

1:05
Venezuela's Maduro threatens 'armed revolution' ahead of May 20 election
O presidente socialista venezuelano, Nicolás Maduro, está avisando que ele pegará em armas e liderará uma revolução se um governo chegar ao poder que quer entregar as "riquezas" do país a forças "imperialistas". @NicolasMaduro
Na quarta-feira, Maduro disse que a "única oferta" da oposição é "entregar o país aos gringos e oligarcas europeus".

Maduro, que está no poder desde 2013, costuma dizer que recorrerá à violência para defender a "Revolução Bolivariana" iniciada por seu falecido antecessor, Hugo Chávez.

A Venezuela está avançando com eleições antecipadas, já que os Estados Unidos, a União Européia e muitos de seus vizinhos da região disseram que a votação não será livre nem transparente. No período que antecedeu as eleições, o governo marginalizou os principais partidos da oposição e prendeu ou desqualificou alguns de seus oponentes mais proeminentes.

Maduro disse que não se importava se as eleições fossem reconhecidas em todo o mundo.

"Eu não dou a mínima para o que a Europa diz. Eu não dou a mínima para o que Washington diz ”, disse ele à multidão. “Eu só me importo com o que a juventude da Venezuela, as mulheres da Venezuela e os trabalhadores da Venezuela dizem. Isso é o que é importante para mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário