7 de maio de 2018

O colapso financeiro venezuelano


Quando o dinheiro morre: na Venezuela, um corte de cabelo custa 5 bananas e 2 ovos




Para a economia da Venezuela, a ascensão ao paraíso socialista não saiu como planejada: na verdade, sob o regime de Maduro, o país com as maiores reservas de petróleo do mundo reverteu o curso e atravessou todos os círculos do inferno econômico, e agora sua hiperinflação atingiu níveis que deixariam Mugabe e Rudy von Havenstein corarem, tudo o que resta é escambo.
E, como Fabiola Zerpa explica como parte da fascinante série "Life in Caracas" da Bloomberg, ou seja, assistindo ao colapso econômico e social em tempo real, na Venezuela, um corte de cabelo custa cinco bananas e dois ovos.
Leia sobre o que realmente acontece quando o dinheiro morre, chegando a um regime monetário da banana perto de você em um futuro próximo.
Na Venezuela, um corte de cabelo custa 5 bananas e 2 ovos
Outro dia, fiz uma troca de baguette-for-parking. Funcionou brilhantemente
Eu tive tempo, mas, como de costume, sem bolívares. O atendente do estacionamento só tinha algumas contas, mas nenhuma chance de deixar seu posto durante os momentos fugazes em que a padaria ali perto colocava seu pão favorito à venda. O negócio: ele me deixou sair do meu carro e eu voltei com um pão extra, adquirido com o meu cartão de débito. Ele me reembolsou, me dando um bônus de troca de reserva para o meu bolso.

É assim que fazemos em nossa economia em colapso. Se alguém tem muito de uma coisa e muito pouco de outra, um arranjo pode ser feito. Eu troquei farinha de milho por arroz com amigos do ensino médio, ovos por óleo de cozinha com minha cunhada. Vendedores ambulantes também trocam, digamos, um quilo de açúcar como pagamento por uma das farinhas. Há páginas no Facebook e grupos de salas de bate-papo dedicados à capacidade de troca de tudo, de pasta de dente a fórmula infantil.


Em meio à escassez generalizada de alimentos, os vendedores ambulantes vendem pequenas porções de mantimentos. Fotógrafo: Carlos Becerra / Bloomberg

Um barbeiro no campo corta o cabelo para yuccas, bananas ou ovos. Motoristas de moto-táxi vão te levar aonde você precisa ir para uma caixa de cigarros. Os proprietários de um dos meus restaurantes mexicanos favoritos oferecem um prato de burritos, enchiladas, tamal e tacos em troca de alguns pacotes de guardanapos de papel. Numa lanchonete de fast-food perto do meu escritório, o sujeito que trabalhava no registro me deixou sair com um pedido de frango, arroz e legumes sem pagar no outro dia, confiando na minha promessa de voltar com os 800.000 bolívares.
Agir nesse tipo de confiança era inédito apenas alguns anos atrás. A caridade também é algo novo. Eu não cresci com as tradições de unidades de comida enlatada e voluntariado que são comuns nos EUA. Agora, pais da escola dos meus filhos colecionam roupas para os pobres e os vizinhos juntam brinquedos para um hospital infantil. A minha amiga Lidia, advogada dos direitos de propriedade, entrega sopa caseira aos desabrigados.
Eu gosto de pensar em tudo isso como uma nobre expressão de solidariedade, como evidência da decência de meus companheiros caraquenos em um momento de escassez mental de produtos básicos e explosão da inflação. Eu sei que na maioria dos casos a motivação é necessidade, até mesmo desespero. Mas tudo bem. Entregar aquela baguete recém-assada no quarto do estacionamento nos fez sorrir, mesmo que por apenas um segundo.
https://www.zerohedge.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário