5 de abril de 2017

Depois de ataque químico na Síria, EUA e Rússia voltam as divergências

EUA rejeitam asserção russa por culpa do ataque ao gás na Síria
Por Maria Tsvetkova e Tom Perry

A Rússia negou nesta quarta-feira que o presidente sírio, Bashar al-Assad, seja culpado por um ataque de gás venenoso e disse que continuará apoiando-o, ampliando uma fenda entre o Kremlin e a Casa Branca de Donald Trump, que inicialmente procurou laços mais quentes com a Rússia.
Os países ocidentais, incluindo os Estados Unidos, culpam as forças armadas de Assad pelo pior ataque químico na Síria há mais de quatro anos, o que sofreu a morte de dezenas de pessoas na cidade de Khan Sheikhoun, na terça-feira.
Funcionários de inteligência dos EUA, com base em uma avaliação preliminar, acham que as mortes provavelmente foram causadas pelo gás nervoso  sarin despejado pelos aviões da Síria. Mas Moscou ofereceu uma explicação alternativa para proteger Assad: que o gás venenoso pertencia aos rebeldes e vazou de um depósito de armas insurgentes atingido por bombas sírias.
Um oficial sênior da Casa Branca, falando sob condição de anonimato, disse que a explicação russa não era credível. "Nós não acreditamos nisso", disse o funcionário.
Os Estados Unidos, Grã-Bretanha e França propuseram um projeto de resolução do Conselho de Segurança da ONU que colocará a culpa em Damasco. Mas o Ministério das Relações Exteriores russo chamou a resolução de "inaceitável" e disse que se baseava em "informações falsas".
O embaixador dos EUA nas Nações Unidas Nikki Haley emitiu o que parecia ser uma ameaça de ação unilateral se os membros do Conselho de Segurança não pudessem concordar.
"Quando as Nações Unidas constantemente falham em seu dever de agir coletivamente, há momentos na vida dos Estados que somos obrigados a tomar nossa própria ação", disse Nikki Haley ao Conselho de Segurança, sem elaborar.
Trump descreveu o ataque como "horrível" e "indizível" e chamou-o de "terrível afronta à humanidade". Questionado se ele estava formulando uma nova política para a Síria, Trump disse a repórteres: "Você vai ver."
Vídeo carregado para as mídias sociais mostrou civis esparramados no chão, alguns em convulsões, outros sem vida. Trabalhadores de resgate mangueiam os corpos moles de crianças pequenas, tentando lavar produtos químicos. As pessoas gemem e batem no peito das vítimas.
A instituição de caridade Medecins Sans Frontieres disse que um de seus hospitais na Síria havia tratado pacientes com sintomas - pupilas dilatadas, espasmos musculares, defecação involuntária - consistente com a exposição a agentes neurotóxicos como o sarin. A Organização Mundial de Saúde também disse que os sintomas eram consistentes com a exposição a um agente nervoso.
O presidente turco Tayyip Erdogan disse que o ataque matou mais de 100 pessoas. Que o número de mortos não poderia ser confirmado independentemente.
"Estamos falando de crimes de guerra", disse o embaixador da França, Francois Delattre, em Nova York.
Hasan Haj Ali, comandante do grupo rebelde Free Idlib Army, chamou a declaração russa de culpar os rebeldes de uma "mentira" e disse que os rebeldes não tinham a capacidade de produzir gás nervoso.
"Todo mundo viu o avião enquanto bombardeava com gás", disse ele à Reuters no noroeste da Síria. "Da mesma forma, todos os civis na área sabem que não há posições militares lá, ou lugares para a fabricação (de armas)".
O incidente é a primeira vez que Washington acusou Assad de usar sarin desde 2013, quando centenas de pessoas morreram em um ataque a um subúrbio de Damasco. Naquela época, Washington disse que Assad havia cruzado uma "linha vermelha" definida pelo então presidente Barack Obama.
Obama ameaçou uma campanha aérea para derrubar Assad, mas o cancelou no último minuto depois que o líder sírio concordou em abrir mão de seu arsenal químico sob um acordo negociado por Moscou, uma decisão que Trump já disse provou a fraqueza de Obama.

O MESMO DILEMA

O novo incidente significa que Trump enfrenta o mesmo dilema que enfrentou seu antecessor: se desafiará abertamente Moscou e arriscar um envolvimento profundo em uma guerra no Oriente Médio, procurando punir Assad por usar armas proibidas, ou comprometer e aceitar o líder sírio que permanece no poder no risco de se tornar fraco.
Trump descreveu o incidente de terça-feira como "atos hediondos do regime de Bashar al-Assad" e criticou Obama por não ter cumprido a linha vermelha há quatro anos. O porta-voz de Obama se recusou a comentar.
O projeto de declaração do Conselho de Segurança das Nações Unidas condena o ataque e exige uma investigação. A Rússia tem o poder de vetá-lo, o que tem feito para bloquear todas as resoluções anteriores que prejudicariam Assad, mais recentemente em fevereiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário