17 de abril de 2017

Diretor de Organizações Internacionais da RPDC alerta sobre guerra

Coreia do Norte diz que a guerra pode explodir  a qualquer momento


"Está criada na península da Coreia uma situação extremamente perigosa", afirmou Kim Chang-min

O diretor-geral de Organizações Internacionais da Coreia do Norte, Kim Chang-min, afirmou esta segunda-feira numa entrevista à agência espanhola EFE que a situação na região é "extremamente perigosa" e que uma guerra poderá rebentar a qualquer momento.

"Hoje está criada na península da Coreia uma situação extremamente perigosa que ninguém consegue prever quando vai ficar fora de controle e descambar para uma guerra total", assegurou o alto funcionário do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Pyongyang.

Kim culpou os Estados Unidos pelo atual estado de tensão na região e considerou que o vice-presidente norte-americano, Mike Pence, ao afirmar numa visita à Coreia do Sul que quer defender os seus aliados asiáticos, na verdade está a procurar uma forma de fazer um "ataque preventivo para derrubar o regime" norte-coreano.

Em Moscow, a Rússia também se pronunciou hoje sobre a crise coreana, afirmando esperar que os Estados Unidos não atuem de forma "unilateral" para resolver o problema dos programas de mísseis balísticos e nuclear da Coreia do Norte.

"Espero que não se produzam ações unilaterais como aquelas que vimos recentemente na Síria", declarou o ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov, numa conferência de imprensa em Moscovo após uma reunião com o homólogo senegalês, Mankeur Ndiaye.

Lavrov referia-se ao bombardeamento de uma base síria por parte dos Estados Unidos, em resposta a um ataque com armas químicas atribuído ao regime de Bashar al-Assad.

"Nós não aceitamos as aventuras nucleares e balísticas de Pyongyang que violam as resoluções da ONU, mas isso não quer dizer que seja possível violar o direito internacional e utilizar a força" contra a Coreia do Norte, realçou o chefe da diplomacia russa.

O vice-presidente norte-americano declarou hoje, numa visita à zona desmilitarizada (DMZ) que separa as suas Coreias, que os EUA querem obter uma solução através de "meios pacíficos, graças à negociação", mas que "todas as opções estão em cima da mesa" para lidar com Pyongyang.

Apelou ao regime norte-coreano para não testar a "determinação" do Presidente Donald Trump sobre a questão do nuclear, nem o poder do exército americano.

"Se interpretarmos esta formulação como uma ameaça de utilização da força de forma unilateral (...), então vamos mesmo por um caminho perigoso", declarou Lavrov.

http://www.dn.pt

Nenhum comentário:

Postar um comentário