17 de abril de 2017

EUA enviam 3 porta-aviões para as costas sul-coreanas



O porta-aviões norte-americano USS Carl Vinson chega para um exercício militar conjunto anual chamado Foal Eagle entre a Coreia do Sul e os EUA, no porto de Busan, Coreia do Sul, 15 de março de 2017.

EUA vão enviar três porta-aviões para as águas da Coreia do Sul na próxima semana, relata na segunda-feira (17) a agência de notícias Yonhap, citando uma fonte do governo sul-coreano.

Segundo a fonte, em primeiro lugar o porta-aviões nuclear Carl Vinson vai entrar no Mar do Japão (também conhecido como o mar do Leste) em 25 abril.
"Os EUA estão discutindo com o nosso governo os exercícios conjuntos que vão envolver o grupo de ataque do porta-aviões", refere a fonte, citada pela agência. Para além disso, no início da próxima semana os porta-aviões Ronald Reagan (CVN 76) e Nimitz (CVN 68) irão chegar ao Mar do Japão. 
O Carl Vinson, juntamente com um grupo de outros navios, havia sido enviado para a zona por receio de um possível teste de armamentos durante as recentes comemorações, em 15-16 de abril, do 105º aniversário do nascimento do primeiro presidente norte-coreano Kim Il-sung — o avô do atual líder do país, Kim Jong-un.
Recentemente a Coreia do Sul e o Japão revelaram informações sobre um lançamento mal-sucedido de um míssil balístico por parte de Pyongyang. O próximo teste de mísseis da Coreia do Norte poderá ser realizado em 25 de abril, por ocasião do 85º aniversário do Exército Popular da Coreia.
A presença de três porta-aviões, do ponto de vista militar, é uma situação sem precedentes. Os EUA tentam mostrar desta forma o seu potencial de contenção da Coreia do Norte, refere a fonte da agência Yonhap.
"O governo de Donald Trump demonstra o poder de contenção da Coreia do Norte realizando ações concretas e é esperado que no futuro estas ações sejam diferentes das da administração anterior," disse a fonte à agência.
Hoje (17 de abril) o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, está em Seul no âmbito de uma visita oficial, durante a qual planeja negociar com o presidente sul-coreano, entre outros temas, as medidas para conter o programa nuclear e de mísseis da Coreia do Norte.

Os EUA e a Coreia do Norte estão formalmente em estado da guerra desde que o conflito coreano de 1950-1953 terminou com a assinatura de apenas uma trégua entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos, que combateram sob a bandeira da ONU.
Pyongyang tem proposto repetidamente assinar um tratado de paz, mas os EUA têm recusado até mesmo discutir esta questão, mantendo mais de 28 mil soldados na Coreia do Sul sob o pretexto de proteção frente à "ameaça do Norte".
Por sua vez, referindo-se à ameaça dos EUA, a Coreia do Norte está desenvolvendo e testando armas nucleares e mísseis balísticos, apesar da proibição decretada pelo Conselho de Segurança da ONU.

Nenhum comentário:

Postar um comentário