5 de abril de 2017

Pela versão russa...

Foi armazém rebelde com armas químicas atingidas pelo ataque aéreo sírio em Idlib - russo MOD

    5 de abril de 2017


    A Força Aérea da Síria destruiu um armazém na província de Idlib, onde armas químicas estavam sendo produzidas e estocadas antes de serem enviadas para o Iraque, disse o porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia.
    A greve, que foi lançada no meio-dia de terça-feira, visou um importante depósito de munição rebelde a leste da cidade de Khan Sheikhoun, disse o porta-voz do Ministério da Defesa russo, o major-general Igor Konashenkov.
    O armazém foi usado para produzir e armazenar projéteis contendo gás tóxico, disse Konashenkov. Os escudos foram entregues ao Iraque e repetidamente usados ​​lá, acrescentou, ressaltando que tanto o Iraque como as organizações internacionais confirmaram o uso de tais armas por militantes.
    As mesmas munições químicas foram usadas por militantes em Aleppo, onde especialistas militares russos tomaram amostras no final de 2016, disse Konashenkov.
    O Ministério da Defesa confirmou essa informação como "totalmente objetiva e verificada", acrescentou Konashenkov.
    De acordo com a declaração, os civis de Khan Sheikhoun, que recentemente sofreram um ataque químico, exibiram sintomas idênticos aos das vítimas de ataque químico de Alepo.
    Hasan Haj Ali, comandante do grupo rebelde do Exército Livre de Idlib, rejeitou a versão russa do incidente, dizendo que os rebeldes não tinham posições militares na área.
    "Todo mundo viu o avião enquanto bombardeava com gás", disse ele à Reuters.
    "Da mesma forma, todos os civis na área sabem que não há posições militares lá, ou lugares para a fabricação [de armas]. As várias facções da oposição não são capazes de produzir essas substâncias ", acrescentou.
    Pelo menos 58 pessoas, incluindo 11 crianças, morreram e dezenas ficaram feridas depois que um hospital em Khan Sheikhoun foi alvo de um ataque de gás suspeito na manhã de terça-feira, informou a Reuters, citando médicos e ativistas rebeldes. Logo após um míssil supostamente atingiu a instalação, as pessoas começaram a mostrar sintomas de intoxicação química, como engasgar e desmaio.
    As vítimas também foram vistas com espuma saindo de suas bocas. Enquanto o principal grupo de oposição sírio, a Coalizão Nacional Síria e outros grupos pró-rebeldes culparam o ataque ao governo do presidente Bashar Assad, o exército sírio rejeitou todas as alegações como propaganda dos rebeldes.
    "Negamos completamente o uso de qualquer material químico ou tóxico na cidade de Khan Sheikhoun hoje e o exército não usou nem usará em qualquer lugar ou tempo, nem no passado nem no futuro", disse o exército sírio em comunicado.
    Os militares russos declararam que não realizaram nenhum ataque aéreo na área.
    No entanto, a chefe de Relações Exteriores da União Européia, Federica Mogherini, comentando o incidente, foi rápida em apontar o governo sírio como um culpado, dizendo que ele é responsável pelo "terrível" ataque.
    O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, fez eco a Mogherini, acusando o governo sírio de perpetrar o ataque chamando-o de "barbaridade brutal e descarada". Ele argumentou que, além das autoridades sírias, o Irã e a Rússia também devem ter "responsabilidade moral".

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário