1 de junho de 2017

A crise em aprofundamento na Venezuela

Venezuela desvaloriza moeda em crise em dólar



Um manifestante protesta contra o governo do presidente Nicolas Maduro em Caracas em 31 de maio de 2017 (AFP Photo / FEDERICO PARRA)



Caracas (AFP) - A Venezuela atingida por crise atingiu uma desvalorização de 64% em um leilão de dólar que visava estabilizar seu mercado de câmbio, disseram autoridades nesta quarta-feira.

Sob um sistema de troca oficial revisado, o governo deixou os investidores oferecerem os dólares a uma nova taxa mais alta no que o presidente Nicolas Maduro disse que era um esforço para minar o mercado negro.

Foi o último de uma série de movimentos para aliviar uma crise em um país atingido pelo aumento da inflação e da escassez de alimentos e remédios.

As contas dos EUA vendidas a uma taxa de 2.010 bolívares por dólar, disse Pedro Maldonado, presidente do Comitê de Leilão de Moedas do banco central.

Ele disse a jornalistas que a taxa era "uma indicação inequívoca de que estamos começando um processo de recuperação econômica".

Mas a taxa representou uma desvalorização acentuada em comparação com 721 bolívares no sistema anterior - e ainda muito abaixo da taxa do mercado negro, atualmente cerca de 6.000 bolívares por dólar.

O banco central vendeu US $ 24 milhões no total, principalmente para empresas importadoras de bens estrangeiros.

"O valor atribuído foi risível. Isso mostra a falta de moeda", disse o economista Jesus Casique à AFP.

O resultado foi anunciado depois de um clamor sobre a decisão do banco norte-americano Goldman Sachs de comprar US $ 2,8 bilhões em títulos emitidos pela empresa petrolífera estatal venezuela PDVSA.

A oposição disse que o movimento deu uma linha de vida a Maduro.

Casique disse que o leilão em dólares "não aumentará a produtividade, é por isso que eles decidiram cobrar o vínculo PDVSA com um desconto de 69%, para dar à taxa de câmbio oficial um espaço de respiração".

- Reforma constitucional -

Alimentos essenciais e remédios na Venezuela têm preços baixos e reduzidos. Mas, devido à escassez, muitos outros itens só estão disponíveis no mercado negro a uma taxa muito maior.

Caracas Protesters Run From Tear Gas

Even after more than 60 days of consistent protests, demonstrators in Venezuela’s capital city of Caracas showed no signs of slowing, as they faced off against National Guard and police forces again on May 31.Members of the opposition party Voluntad Popular (People’s Will), leading the protests, say that President Nicholas Maduro is a dictator and are demanding elections as Venezuela plunges further into economic crisis.The situation is exacerbated by violent clashes between the protesters and government security forces, whom the opposition claim are violating their constitutional right to demonstrate. Reports place the death toll at 60 or more since the protests gained traction in late March. Many of the deaths have been Reports, recently out of college.


A crise provocou uma agitação mortal em protestos de rua pelos adversários de Maduro que exigem eleições para removê-lo do poder.
Maduro diz que a crise é o resultado de uma "guerra econômica" apoiada pelos Estados Unidos.
O colapso econômico da Venezuela foi impulsionado pela queda nos preços de suas exportações cruciais de petróleo desde 2014.
As autoridades na quarta-feira começaram a se inscrever candidatos para um órgão de reforma constitucional planejado, um movimento que inflamou a agitação mortal decorrente de protestos anti-governo.
Os oponentes do presidente socialista, Nicolas Maduro, dizem que pretende manter-se no poder empilhando a "assembléia constituinte" planejada com seus aliados.
As autoridades eleitorais convocaram candidatos para se inscrever on-line na quarta e quinta-feira para buscar eleição para a assembléia de 545 membros, que será encarregada de redigir uma nova constituição.
A coalizão de oposição direta do centro, a Mesa Redonda da Unidade Democrática, prometeu não participar.
"Espero que ninguém cometa traição participando de um processo tão absolutamente fraudulento", disse o líder da oposição Henrique Capriles.

- Ponto de explosão -

A oposição e os apoiantes do governo, entretanto, organizaram o último em dois meses de protestos de rua, com novos confrontos entre promotores e policiais.

Os protestos continuam na  Venezuela


Os promotores dizem que a agitação deixou 60 pessoas mortas até agora.
"O jogo parece estar bloqueado. O governo está se tornando cada vez mais repressivo e a oposição continua seus protestos na rua", disse o analista político Luis Salamanca.
"Poderia haver um confronto total, sério, um caos permanente. Tudo poderia acontecer aqui - mesmo um levante popular".
O presidente do Congresso da oposição, Júlio Borges, visitou os legisladores europeus na quarta-feira em Bruxelas, onde advertiu que o plano de Maduro provocaria mais derramamento de sangue.
Em uma coletiva de imprensa, Borges pediu "ajuda" às instituições da UE para que "aqueles que violaram os direitos humanos também são atingidos com sanções".
O Ministério das Relações Exteriores da Venezuela, Delcy Rodriguez, disse no Twitter que solicita "superou todos os limites imagináveis da imoralidade".

Nenhum comentário:

Postar um comentário