29 de março de 2017

Países árabes aprovam resoluções anti -Irã

Todas as 15 resoluções da cúpula de países árabes incriminam o Irã


DEBKAfile 29 de março de 2017, 19h46 (IDT)

Todas as 15 resoluções aprovadas pela cúpula árabe, que aconteceu na Jordânia na quarta-feira, 29 de março, foram dedicadas a uma acusação contra o Irã, seu Corpo de Guardas Revolucionários e o suíço libanês Hezbollah. Eles eram um testemunho da profundidade da animosidade árabe-iraniana e expuseram a extensão da fenda entre os mundos muçulmanos sunitas e xiitas.
O Irã foi acusado de se intrometer nos assuntos internos das nações árabes, incitar os xiitas contra os sunitas e armar e treinar grupos terroristas xiitas para operações contra governos árabes legítimos. Os governantes árabes se uniram para colocar Teerã no banco dos réus por sua interferência na guerra civil síria e pelo ataque à sua soberania.
Nenhuma das resoluções formais abordou o conflito palestino-israelense. Conforme relatado anteriormente pela DEBKAfile, esta questão é objecto de intercâmbios ativos entre os EUA, a Arábia Saudita, o Egipto, os Emirados Árabes Unidos, Israel e a Autoridade Palestiniana. O rei Abdullah da Jordânia, que hospedou a cimeira e o presidente egípcio Abdel-Fatteh El-Sisi viajará a Washington para relatar ao presidente Donald Trump as discussões privadas sobre esta questão na sessão e lançará a próxima etapa da iniciativa de paz árabe-israelense .
DEBKAfile lista as 15 resoluções submetidas à cúpula árabe.
1: As relações de boa vizinhança devem prevalecer entre o Irã e os países árabes e a intromissão do Irã nos assuntos dos países árabes é condenada como uma ameaça à segurança e à estabilidade da região.
2: A República Islâmica do Irã deve assumir a responsabilidade por um ataque à embaixada da Arábia Saudita em Teerã e seu consulado em Mashhad e respeitar as leis da diplomacia.
3: O governo iraniano deve dizer a seus funcionários para desistir de hostilades, comentários inflamatórios contra os países árabes.
4: O Irã deve parar imediatamente de fomentar rivalidades sectárias e retirar o apoio de grupos que desestabilizam os países do Golfo e os grupos armados dentro dos países árabes.
 5: A invasão do Irã de três ilhas do Emirado (Abu Musa e a Grande e Menor Tunbs) é condenado. Devem ser restaurados para a propriedade legal por meios pacíficos.
6: O Irã deve parar de apoiar e treinar terroristas e enviar armas e munições para grupos rebeldes que lutam contra o governo do Bahrein.
7: As agências de segurança do Bahrein ganham elogios por frustrar um complô terrorista em dezembro de 2016 apoiado pelos Guardas Revolucionários Iranianos e pelo terrorista Hezbollah.
8: A intromissão nefasta do Irã na crise síria ameaça sua soberania, estabilidade futura, segurança e unidade.
9: A intromissão iraniana nos negócios do Iêmen apoiando forças que lutam contra o governo legítimo afeta negativamente a segurança do país, de seus vizinhos e de toda a região.
10: Salienta-se a importância da iniciativa tomada pelo Conselho de Assistência dos Países Árabes do Golfo e solicita uma resposta positiva do Irã.
11: O Irã deve ser obrigado a cumprir a Resolução 2231 do Conselho de Segurança de 2015 e penalizado rapidamente com sanções eficazes por quaisquer violações. O Irã deve ser mantido embargado a seus compromissos sob os tratados ambientais nucleares e regionais.
12: O Secretário-Geral é encarregado de gerir a comissão de quatro ministros dos Negócios Estrangeiros árabes criados para impedir a interferência iraniana nos assuntos árabes.
13: Fóruns árabes de ajuda com os países, grupos regionais e internacionais irá destacar os maus efeitos da intromissão iraniana em seus assuntos.
14: Esta questão será colocada na agenda da ONU ao abrigo da Secção 2 do Artigo 7
15: O Secretário-Geral da Liga Árabe acompanhará a implementação destas resoluções e apresentará um relatório sobre os progressos realizados na próxima cimeira árabe.

2 comentários:

  1. Dei muitas gargalhadas. São muitas piadas realmente muito boas, mas como rir demais faz doer a barriga, parei alí pelo parágrafo 3 ou 4. Daquelas de revirar o intestino cito:

    "Os governantes árabes se uniram para colocar Teerã no banco dos réus por sua interferência na guerra civil síria e pelo ataque à sua soberania."

    Este Ayatola maluco que apóia terroristas xiitas. Onde já se viu tanta sandice?

    O Irã terrorista que se intromete e faz guerra no Iêmen. Ô país sanguinário!

    Deve ser por toda essa doideira que o povo iraniano destituiu Mossadegh e o incorruptível Xá Reza Pahlevi em seu lugar. Nem foi necessário auxílio externo para tamanha putaria. Governo, lideranças religiosas, povo. Tudo é muito doido no Irã.

    Bom sabermos que podemos contar com a presteza acima de qualquer suspeita que viceja no latifúndio dos Saud. Ah, quanta integridade por aqueles domínios!

    ResponderExcluir
  2. Segundo os adventistas e as testemunhas de Jeová, foi no Irã aonde a tragédia começou, pois Deus fez Adão e Eva no lado leste (iraniano) do Estreito de Ormuz, onde era o tal Jardim do Éden, e Adão e Eva acreditaram no Diabo, desobedeceram a Deus, comeram a maçã do bem e do mal, ficaram imperfeitos, e Deus ficou puto e os expulsou, isso tudo há uns 7.800 anos atrás...

    ResponderExcluir