11 de abril de 2017

Tillerson dá uma escolha à Rússia:

 Rússia deverá ter que escolher entre Assad e os EUA

Por BREITBART NEWS 11 Abr 20174,446

LUCCA (AP) - O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, emitiu um ultimato à Rússia nesta terça-feira: Ou fique do lado com os Estados Unidos e outros países amigos da Síria livre , ou abrace o  Irã, o grupo militante Hezbollah e o líder sírio Bashar Assad.Tillerson disse que não está claro se a Rússia não levou a sério a sua obrigação de livrar a Síria de armas químicas, ou simplesmente tinha sido incompetente.Mas ele disse que a distinção "não tem muita importância para os mortos".
"Não podemos deixar que isso aconteça novamente", disse o secretário de Estado.
"Queremos aliviar o sofrimento do povo sírio. A Rússia pode fazer parte desse futuro e desempenhar um papel importante ", acrescentou Tillerson em declarações a jornalistas. "Ou a Rússia pode manter sua aliança com esta gente, que acreditamos que não vai servir os interesses da Rússia a longo prazo".
Desde que os Estados Unidos lançaram ataques aéreos contra as forças de Assad em retaliação por um ataque químico contra civis na semana passada, funcionários do governo Trump têm oferecido mensagens contraditórias sobre se Washington acredita que Assad definitivamente deve entregar o poder - e quando. Tillerson disse que ficou claro que os EUA não viam nenhum papel para Assad no futuro da Síria, já que perdera legitimidade.
"Está claro para todos nós que o reinado da família Assad está chegando ao fim", disse ele. "Mas a questão de como isso termina e a transição em si poderia ser muito importante em nossa visão para a durabilidade, a estabilidade dentro de uma Síria unificada".
"É por isso que não estamos pressupondo como isso ocorre", acrescentou Tillerson.
Ele disse que as negociações de cessar-fogo que a Rússia e o Irã ajudaram a negociar na capital do Cazaquistão, Astana, poderiam gerar impulso para conversas mais amplas sobre uma transição política - se as negociações de Astana conseguirem criar um cessar-fogo durável. As negociações políticas resultantes teriam lugar sob os auspícios do processo das Nações Unidas em Genebra.
"Até à data, Astana não alcançou muito progresso", disse Tillerson.
Tillerson falou depois que uma reunião dos países "semelhantes" foi organizada às pressas na margem da cúpula das economias industrializadas do Grupo dos Sete na Itália, dias depois de os EUA terem lançado pela primeira vez ataques aéreos contra as forças de Assad.
Um dos principais focos desde o ataque químico tem sido a crescente pressão sobre a Rússia, o aliado mais forte de Assad, que usou seus próprios militares para manter Assad no poder. Os EUA e outros afirmaram que a Rússia é responsável pela morte de civis nas mãos de Assad, devido ao papel de Moscou em garantir o acordo de 2013, no qual Assad deveria ter desistido de seu arsenal de armas químicas.
Os EUA levantaram as apostas significativamente na segunda-feira, quando um alto funcionário dos EUA disse que Washington fez uma conclusão preliminar de que a Rússia sabia antecipadamente o ataque às armas químicas da Síria. No entanto, os EUA não têm nenhuma prova do envolvimento de Moscou, disse o funcionário, que não estava autorizado a falar publicamente sobre assuntos de inteligência e exigiu anonimato.
Essa acusação vai sobre a visita de Tillerson a Moscou, onde planeja se encontrar com o ministro russo de Relações Exteriores, Sergey Lavrov, e possivelmente com o presidente russo Vladimir Putin. O Kremlin se recusou a dizer se Putin se reuniria com Tillerson, de acordo com sua prática habitual de não anunciar tais reuniões antes do tempo.
Os Estados Unidos têm procurado minimizar as expectativas para o desengate ou a probabilidade que os EU sairem com todas as concessões de Rússia a respeito de seu apoio para Assad. Em vez disso, os EUA esperam usar a visita - a primeira por um oficial do Gabinete Trump à Rússia - para transmitir suas expectativas para Moscou e, em seguida, permitir que os russos um período de tempo para responder.
Embora destinado a punir Assad por um ataque de armas químicas, as greves dos EUA na semana passada serviram para reorientar a atenção do mundo para a sangrenta guerra na Síria, agora em seu sétimo ano. Diplomatas reuniram-se em Itália, enquanto funcionários dos EUA em Washington anunciavam a possibilidade de novas sanções aos militares sírios e russos, além da ameaça de uma ação militar adicional dos EUA se o governo de Assad continuar atacando civis.
Na reunião de terça-feira na cidade toscana toscana de Lucca, os países do G-7 foram acompanhados por diplomatas de nações de maioria muçulmana, incluindo Jordânia, Qatar, Arábia Saudita, Turquia e Emirados Árabes Unidos. A inclusão desses países é importante porque a estratégia dos EUA para a Síria envolve alistar a ajuda das nações do Oriente Médio para garantir a segurança e a estabilidade na Síria depois que o grupo do Estado islâmico for derrotado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário