26 de maio de 2017

China não quer problemas por perto

China diz que ninguém deve trazer o caos para a península coreana


By Michael Martina | BEIJING
A China disse na quarta-feira que ninguém tem o direito de trazer o caos para a península coreana, um dia depois de pressionar a implementação total das sanções da ONU contra a Coréia do Norte vizinha por seus testes nucleares e mísseis.
Os Estados Unidos têm tentado persuadir a China, principal aliado da Coréia do Norte, a fazer mais para controlar em Pyongyang, que conduziu dezenas de lançamentos de mísseis e testou duas bombas nucleares desde o início do ano passado, desafiando as resoluções do Conselho de Segurança da ONU .
O Norte tem orgulhosamente divulgado seus planos para desenvolver um míssil capaz de atacar os Estados Unidos e ignorou os apelos para parar seus programas de armas, mesmo da China.
Ele diz que o programa é necessário para combater a agressão dos EUA. Seu último teste de mísseis foi no domingo.
"Não importa qual partido seja, ninguém tem o direito de trazer a guerra e o caos para a península", disse o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, depois de conhecer o ministro alemão de Relações Exteriores, Sigmar Gabriel.
Disse que qualquer um que fêz isso carregaria a "responsabilidade histórica".
O presidente dos EUA, Donald Trump, disse que "um grande e importante conflito" com a Coréia do Norte é possível e que todas as opções estão sobre a mesa, mas que ele quer resolver a crise diplomáticamente.
A China tem se enfurecido com a implantação dos Estados Unidos no sistema de defesa de área de alta altitude (THAAD) na Coréia do Sul, dizendo que é uma ameaça à sua própria segurança e não fará nada para aliviar as tensões com a Coréia do Norte.
Os Estados Unidos e a Coréia do Sul, que hospeda 28.500 soldados norte-americanos, disseram que o destacamento visa puramente a defesa contra a ameaça norte-coreana.
A China implementa plenamente seus compromissos de sanção do Conselho de Segurança das Nações Unidas em relação à Coréia do Norte e continuará a desempenhar um papel construtivo nas negociações, disse Wang.
Tradicionalmente, os Estados Unidos e a China negociaram novas sanções antes de envolverem os outros 13 membros do Conselho de Segurança da ONU. Há quase um mês, Washington iniciou discussões com a China sobre o fortalecimento das sanções dos EUA. No entanto, há uma semana, a embaixadora dos EUA, Nikki Haley, disse que Pequim se calou.
O Conselho de Segurança impôs sanções contra Pyongyang em 2006 e aumentou as medidas em resposta a cinco testes nucleares e dois lançamentos de mísseis de longo alcance. A Coréia do Norte está ameaçando um sexto teste nuclear.

(Escrito por Christian Shepherd, edição de Nick Macfie)

Nenhum comentário:

Postar um comentário