18 de maio de 2017

índia vs China

Índia  boicota  cúpula da China em meio a preocupações da Caxemira



A Índia  boicotou uma cúpula em Pequim  domingo (13 de maio) para impulsionar as ligações comerciais da China com o resto do mundo, desencadeando uma nova disputa entre os vizinhos.

A cimeira de dois dias foi assistida pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin, pelo presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, e por outros 26 líderes.

Sem anunciar um boicote formal, um porta-voz do ministério indiano das Relações Exteriores destacou a preocupação com a chamada iniciativa One Belt, One Road (OBOR) da China, um enorme compromisso de ligar o país à África, à Ásia e à Europa através de uma rede de portos, e zonas industriais.

O porta-voz também reafirmou a oposição da Índia a um corredor econômico chinês-paquistanês que atravessa a disputa da Caxemira.

"Guiados por nossa posição de princípio na questão, temos exortado a China a participar de um diálogo significativo sobre sua iniciativa de conectividade", disse o porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Gopal Baglay, em uma declaração fortemente redigida divulgada no sábado.

"Estamos aguardando uma resposta positiva do lado chinês", acrescentou Baglay.

"Com relação ao chamado" Corredor Econômico China-Paquistão ", que está sendo projetado como o projeto-chave da ... OBOR, a comunidade internacional está bem ciente da posição da Índia.

"Nenhum país pode aceitar um projeto que ignore suas preocupações básicas sobre soberania e integridade territorial", disse ele.

O Corredor Econômico China-Paquistão passa por Gilgit e Baltistan no Paquistão Caxemira, que é reivindicada pela Índia. Os dois lados estão em desacordo sobre Caxemira desde sua divisão em 1947.

A Índia também está preocupada porque o corredor de 3.000 quilômetros (1.850 milhas) termina no estratégico porto paquistanês de Gwadar. A Índia teme que o porto possa se tornar uma base naval chinesa enfrentando sua marinha em Mumbai.

A Índia teve uma série de perdas sobre o ano passado.

A China se opôs à entrada da Índia no Grupo de Fornecedores Nucleares (NSG), o clube de países sensíveis tecnologia nuclear, ea ação da ONU contra um líder militante paquistanês, Masood Azhar.

A China, por sua vez, protestou depois que a Índia, no mês passado, deixou o líder espiritual tibetano Dalai Lama visitar Arunachal Pradesh, que Pequim afirma.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores disse que a Índia foi "formalmente" convidada para a cúpula de Pequim.

Mas ele disse que a Índia acredita que "as iniciativas de conectividade devem ser baseadas em normas internacionais universalmente reconhecidas, boa governança, Estado de direito, abertura, transparência e igualdade".

Deve haver "princípios de responsabilidade financeira para evitar projetos que criariam uma carga de dívida insustentável para as comunidades".

A Índia insiste que "os projetos de conectividade devem ser prosseguidos de forma que respeite a soberania ea integridade territorial", disse o porta-voz.

Funcionários chineses disseram anteriormente que esperavam que a Índia enviasse uma delegação oficial à cúpula.


Fonte: AFP / ec

 http://www.channelnewsasia.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário