25 de maio de 2017

China adverte EUA sobre intromissões na região do Mar do Sul da China

China adverte "não permitirá" patrulha dos EUA para deixar as águas disputadas no mar do S. China


25 de maio de 2017

A Marinha chinesa alertou um navio de guerra dos Estados Unidos para sair, pois navegou dentro de 12 milhas náuticas das Ilhas Spratly no Mar da China Meridional "sem permissão". Beijing diz que a última ação dos EUA interrompe o processo de paz na região.
Depois que o destroyer de mísseis USS Dewey entrou em águas perto da terra em disputa "sem a permissão do governo chinês", a Marinha do país "avisou para sair", disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Lu Kang, em entrevista coletiva na quinta-feira, .
Pequim pediu a Washington que "corrija esse erro" e se abstenha de novas provocações que possam prejudicar a "paz e segurança da região", bem como a cooperação bilateral entre os EUA e a China.
"Pare de tomar novas ações provocadoras que prejudiquem a soberania e os interesses marítimos da China, para evitar ferir a paz e a segurança da região  e a cooperação de longo prazo entre os dois países", afirmou Lu Kang. Ele acrescentou que essas patrulhas podem "causar inesperados acidentes aéreos e marítimos", relata a Reuters.
O destruidor de mísseis guiado "USS Dewey" entrou em Mischief Reef nas Ilhas Spratly, dentro de 12 milhas náuticas da terra em disputa, na quarta-feira. As águas costeiras que se estendem 12 milhas náuticas são identificadas como águas territoriais pela Convenção das Nações Unidas de 1982, o que significa que a entrada dos EUA desafia as reivindicações territoriais da China.
As Ilhas Spratly estão no centro das disputas territoriais entre a China, as Filipinas, o Vietnã, a Malásia, o Brunei e Taiwan, uma vez que a região é estrategicamente importante para o comércio. As reivindicações de Pequim a quase todo o rico Mar do Sul da China e sua construção de instalações militares nas ilhotas foram criticadas pelas autoridades dos EUA. A China tem afirmado consistentemente que resolverá o conflito com seus vizinhos, rejeitando uma decisão do tribunal de Haia de 2016 que não aprovou as reivindicações chinesas e governou em favor das Filipinas.
Os navios de guerra dos EUA tinham sido manchados na região previamente, mas a entrada de quarta-feira é a primeira desde que Donald Trump tomou o escritório. Enquanto isso, o presidente dos EUA está buscando apoio de seu homólogo chinês, Xi Jinping, para conter a Coréia do Norte, que continua realizando testes nucleares e de mísseis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário