26 de maio de 2017

Crise na Coréia


Coreia do Norte: O que aconteceu como tensões finalmente desembocarem em uma guerra?


Militares norte-coreanos são vistos dentro de um veículo militar durante os festejos para comemorar os 105 anos de nascimento de Kim Jong-il

Especialistas militares compartilham análises sobre como os eventos se desdobrarão se Pyongyang transformar sua retórica em ação.

Os testes de mísseis do estado isolado estão se tornando cada vez mais frequentes e o líder Kim Jong-un continua ameaçando atingir o continente americano com um míssil balístico nuclear se Washington não parar de pressionar o regime.

A maioria dos especialistas concorda que, se as medidas diplomáticas e econômicas dos EUA e dos aliados fracassarem, um ataque preventivo deve ocorrer, resultando em uma guerra convencional e grandes perdas de vidas, principalmente devido à proximidade de Seul com a fronteira do norte.
US Military Times publicou um modelo de como os EUA, a Coreia do Sul e do Norte agiriam se o tenso cessar-fogo de 64 anos na península terminasse, com base em entrevistas com ex-militares e fontes de inteligência conhecedoras das capacidades militares de Pyongyang.
De acordo com a imprensa, a maioria dos analistas concorda que o conflito militar pode durar muitos meses ou mais, envolvendo um número enorme de forças norte-americanas e sul-coreanas nos primeiros dias.
"Qualquer um que pressuponha que isso poderia ser finalizado em 30 dias está completamente errado. Haveria literalmente milhares, dezenas de milhares, alguns dizem que mais de 100.000 vítimas civis", disse o tenente do exército aposentado Mark Hertling.

No primeiro dia da guerra, as forças dos EUA e da Coreia do Sul reagiriam instantaneamente, apoiadas pelo Exército, Força Aérea e Marinha americanos.
Seria a vez da 2ª Divisão de Infantaria, posicionada próxima à fronteira entre a Coreia do Sul e do Norte, ir à luta, trazendo consigo uma brigada de aviação de combate, uma brigada de artilharia de campanha, uma equipe de combate de brigada blindada e um batalhão de armas químicas.
Uma série de aviões dos EUA atravessariam os céus sobre a península em um estreito campo de batalha, lutando numa guerra multi-nação em pequena área e visando posições-chave norte-coreanas.
Segundo o ex-comandante das Forças Especiais do Exército David Maxwell, a estratégia do Norte seria atacar as bases aéreas norte-americanas e sul-coreanas para impedir o uso de aeronaves pelo inimigo, e o regime pode até usar armas químicas para esse fim. Mas os EUA e a Coreia do Sul podem contar com bases aéreas no Japão para continuar a campanha.
Maxwell acredita que o objetivo do Norte seria ocupar o máximo possível da península antes que os EUA pudessem enviar reforços e, em vez de tentar capitular Seul, provavelmente procuraria isolá-la e contorná-la para que a invasão não desacelerasse.
De acordo com analistas militares na Holanda especializados em Coreia do Norte, Joost Oliemans e Stijn Mitzer, o estado cavou vários túneis sob a Zona Desmilitarizada, o que poderia permitir rápido desdobramento de tropas por trás dos campos de minas separando as duas Coreias.
O ex-comandante do Comando de Combate Aéreo, General Herbert "Águia" Carlisle, afirmou que dependerá das capacidades de inteligência, vigilância e reconhecimento da Força Aérea e da capacidade de forças norte-americanas e sul-coreanas de agirem rapidamente.
De acordo com Carlisle, não há dúvida de que as forças aliadas derrotariam os militares norte-coreanos, mas agir rapidamente seria essencial para evitar profundas baixas civis na Coreia do Sul. Seul está localizado a apenas 35 milhas de distância da fronteira entre as duas Coreias, e os foguetes do Norte e artilharia poderia causar danos significativos para a metrópole que abriga cerca de 25 milhões de pessoas.
"A chave para minimizar a potencial perda de vidas na Coreia do Sul são indicações e advertências", disse ele. "Quanto dano o ditador Kim Jong-un pode causar antes que o tiremos [do poder]?".

Nenhum comentário:

Postar um comentário