17 de fevereiro de 2017

EUA e Rússia e a questão síria

Será que Trump poderá resgatar seu acordo com a Síria com Putin?


 DEBKAfile Análise exclusiva 17 de fevereiro de 2017, 18h34 (IDT)

Os aviões de guerra Su-24 zumbiram contra o destroyer USS Porter no Mar Negro.

Sobrepondo-se à estréia extraordinária de uma hora de duração do presidente norte-americano, Donald Trump, com repórteres na quinta-feira, 16 de fevereiro, estava uma frustração amarga em relação aos obstáculos domésticos que o impediam de cumprir seus principais objetivos de segurança e política externa. Mesmo antes de sua posse, há quatro semanas, ele tinha arranjado para alcançar esses objetivos por meio de um entendimento com o presidente Vladimir Putin para a cooperação militar e de inteligência na Síria, tanto para a guerra contra o Estado islâmico e para a remoção do Irã e seu substituto libanês Hezboah daquele país.
Mas seus antagonistas, incluindo elementos da comunidade de inteligência dos EUA, estavam transformando sua estratégia em um truque para bater nele na cabeça, com a ajuda de mídia hostil.
Quinta-feira, em uma reunião altamente não convencional com a mídia mundial, ele tentou bater de volta, e possivelmente salvar sua estratégia.
Isso não será fácil. A saída do conselheiro de Segurança Nacional Mike Flynn, o principal motor da distensão entre os EUA e a Rússia, enviou ao Kremlin um sinal negativo. Os russos começaram a desembainhar suas garras quando começaram a suspeitar que o presidente dos EUA estava sendo forçado a voltar de suas mudanças. O SSV 175 Viktor Leonov espião navio foi ordenado a mover-se em posição em frente Delaware na costa leste da América; Os aviões de guerra Su-24 zumbiram contra o destroyer USS Porter no Mar Negro.
Antes desses acontecimentos, Washington e Moscou se moviam rapidamente para um entendimento. As fontes de inteligência de DEBKAfile revelam que o Kremlin enviou mensagens positivas para a Casa Branca sobre sua estratégia conjunta na Síria, esclarecendo que Moscou não estava preso em Bashar Assad permanecer como presidente.
Eles também prometeram a mesa na conferência de Genebra sobre a Síria, tendo lugar no final deste mês uma exigência de todas as "forças estrangeiras" para deixar a Síria. Isto se aplicaria em primeiro lugar às milícias pró-iranianas iraquianas, paquistanesas e afegãs trazidas por Teerã para lutar por Assad sob o comando de oficiais da Guarda Revolucionária, bem como do Hezbollah.
Profundamente incomodado por esta perspectiva, Teerã enviou o comandante supremo do Irã para o Oriente Médio, o general Qassem Soleimani, de Al Qods, a Moscou nesta semana para descobrir o que estava acontecendo.
A partida de Flynn pôs a tampa neste progresso. Então veio o vazamento prejudicial ao Wall Street Journal, que citou um "oficial de inteligência" como dizendo que suas agências hesitaram em revelar ao presidente as "fontes e métodos" que eles usam para coletar informações, devido a "possíveis ligações entre Trump associados e Rússia. Esses links, ele disse "poderiam potencialmente comprometer a segurança de tais informações classificadas."
Um estudante do primeiro ano sabe que essa afirmação é absurda, já que nenhuma agência compartilha suas fontes e métodos com qualquer estranho, por mais alto que seja.
O que o vazamento revelou foi que alguns insiders de Washington foram determinados a todo o custo para torpedear o entendimento em evolução entre os presidentes americano e russo. O primeiro bode expiatório foi a estratégia que os dois estavam desenvolvendo para trabalhar juntos na Síria.
Defendendo sua política de aquecer as relações com Moscou, Trump protestou que "se dar bem com a Rússia não é uma coisa ruim". Ele até alertou que haveria um "holocausto nuclear como nenhum outro" se as relações entre as duas superpotências venham a se deteriorar ainda mais.
É cedo demais para dizer se sua política russa está finalmente em pedaços ou ainda pode ser reparada. Trump indicou mais de uma vez em sua conferência de imprensa que ele iria tentar e obter as relações de volta aos trilhos.
Questionado sobre como ele reagiria aos mais recentes movimentos provocativos da Rússia, ele disse: "Não vou dizer nada sobre o que eu faço. Eu não falo sobre respostas militares. Eu não tenho que dizer o que vou fazer com a Coréia do Norte ", enfatizou.
Em todo caso, sua administração parece estar em uma encruzilhada tonta entre tentar ou salvar a parceria com a Rússia para a Síria, ou tratá-la como uma baixa. Se este último, então Trump deve decidir se envia tropas americanas para o país devastado pela guerra para atingir seus objetivos, ou reverter a política de Barack Obama de não-intervenção militar no conflito.
O secretário de Defesa, General James Mattis, tratou as relações com Moscou com luvas de cabedal em sua primeira aparição antes da Conferência de Segurança de Munique, na quinta-feira, 16 de fevereiro. "Não estamos em posição de colaborar no nível militar", disse ele. Acrescentou: "Mas os nossos líderes políticos se empenhar e tentar encontrar um terreno comum."

Mais tarde naquele dia, o secretário de Estado Rex Tillerson, em outro primeiro encontro diplomático com um candidato do Trump, encontrou-se com o ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, em Bonn, à margem da reunião ministerial do G20. Ele também insistiu em encontrar um terreno comum entre Washington e Moscou.
As fontes de DEBKAfile relatam que as relações rolarão rapidamente em colapso sem uma mão forte para transportá-los para trás. Cabe a Donald Trump mostrar se ele é ou não capaz de romper o cerco controlado por seus inimigos e salvar seus principais objetivos de política externa. Seus próximos movimentos estão sendo observados muito intensamente em muitas partes do mundo, especialmente nas capitais do Oriente Médio. Os governos de Teerã, Riad, Ancara, Damasco, Beirute, Abu Dhabi, Cairo e Jerusalém estão se preparando para saltar em qualquer direção.

Nenhum comentário:

Postar um comentário